terça-feira, agosto 9, 2022
InícioÁreas de AtuaçãoSaúdeAlzheimer: novo estudo mostra por que mulheres são mais vulneráveis à doença;...

Alzheimer: novo estudo mostra por que mulheres são mais vulneráveis à doença; entenda

Pesquisadores americanos descobriram que o gene MGMT, que tem um papel importante na reparação de danos ao DNA, aumenta o risco dessa demência em pessoas do sexo feminino

Fonte: Do Globo

Pesquisadores americanos descobriram que o gene MGMT, que tem um papel importante na reparação de danos ao DNA, aumenta o risco dessa demência em pessoas do sexo feminino.

Do Globo

Nos Estados Unidos, 6,2 milhões de pessoas com 65 anos ou mais foram diagnosticadas com a doença, destas quase dois terços são mulheres. Isso significa que a doença de Alzheimer é quase duas vezes mais comum em mulheres do que em homens.

O gene recém-descoberto é chamado O6-Metilguanina-DNA-metiltransferase ou simplesmente MGMT,. Ele desempenha um papel importante na forma como o corpo repara danos ao DNA em homens e mulheres. No entanto, parece aumentar o aumento do risco de Alzheimer, mas apenas em pessoas do sexo feminino.

A descoberta da existência do novo gene foi feita em dois grupos de pessoas completamente diferentes. No primeiro deles, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Chicago estava analisando a composição genética de uma grande família de huteritas, uma população de ascendência da Europa Central que se estabeleceu na região centro-oeste do país. Como os huteritas são uma população fechada que se casa dentro de suas próprias origens e mantêm extensos registros genealógicos, eles se tornaram uma excelente escolha para pesquisas genéticas. Neste estudo, os indivíduos com Alzheimer eram todos mulheres.

A segunda abordagem, baseada em evidências sugerindo uma ligação entre Alzheimer e câncer de mama, analisou dados genéticos de um grupo nacional de 10.340 mulheres que não tinham APOE ε4, uma variante genética de risco para o Alzheimer.

Em ambos os conjuntos de dados, o MGMT foi significativamente associado ao desenvolvimento de Alzheimer. A equipe de pesquisa comparou os resultados ao tecido cerebral masculino autopsiado e não encontrou associação entre o gene MGMT e a doença em homens.

Em seguida, os pesquisadores analisaram o MGMT via epigenética, que é o que acontece quando um gene é ativado ou desativado por comportamentos e fatores ambientais, os pesquisadores descobriram que o gene, que ajuda na reparação de danos no DNA, está significativamente associado ao desenvolvimento das proteína beta-amiloide e tau, que são características da doença de Alzheimer, especialmente em mulheres.

A descoberta, segundo os pesquisadores, é particularmente robusta porque aconteceu independentemente em duas populações distintas, usando abordagens diferentes. “Esta é uma das poucas e talvez a mais forte associação de um fator de risco genético para a doença de Alzheimer que é específico para as mulheres”, disse Lindsay Farrer, chefe de genética biomédica da Universidade de Boston e autora sênior do estudo, em comunicado.

O gene APOE ε4 é considerado o fator de risco mais forte para o desenvolvimento futuro da doença de Alzheimer em pessoas com mais de 65 anos. No entanto, muitas mulheres com essa variante não desenvolvem a doença, enquanto mulheres sem o gene ainda podem desenvolvê-la. O MGMT pode ser uma das explicações por trás disso.

Segundo os pesquisadores, este estudo demonstra a importância da busca por fatores de risco genéticos para Alzheimer, que podem ser específicos de um gênero. Mais estudos são necessários para entender por que o MGMT influencia o risco de da doença mais em mulheres do que em homens.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench