Educação

Enem na edição 2019 na cidade de Blumenau (SC) (Foto: Mauricio Cattani/ NSC TV)

Enem 2020: Defensoria Pública da União entra com pedido para adiar provas do exame marcadas para janeiro

A Defensoria Pública da União pediu à Justiça o adiamento das provas do Enem marcadas para 17 e 24 de janeiro (versão impressa). Originalmente, o exame seria feito em novembro, mas a data foi alterada devido à pandemia. O Enem 2020 tem 5,78 milhões de candidatos confirmados. A versão digital será realizada em 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Assinam a ação contra o Ministério da Educação (MEC) e o Inep, autarquia responsável pelo exame, também a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e as entidades Campanha Nacional pelo Direito à Educação e Educafro. O documento da defensoria diz que "temos agora uma prova agendada exatamente no pico da segunda onda de infecções, sem que haja clareza sobre as providências adotadas para evitar-se a contaminação dos participantes da prova, estudantes e funcionários que a aplicarão". E complementa dizendo que "não há maneira...

Leia mais
Foto: Michele Mendes / TV Globo/Arquivo

2020!!! Um ano de ganhos para a educação!!!

Afirmar que este ano foi ganho para a EDUCAÇÃO parece beirar à cegueira. Escolas fechadas, estudantes, professores, gestores todos os servidores em casa e sem aulas presenciais. Mas, educação é mais do que espaço físico. Muito mais. Quem somente percebe a educação a partir dos espaços físicos percebe pouco. Foi desaprendido em sua capacidade epistemológica a cada aprendizado. Entendeu pouco acerca do que é e para que serve a educação.  Aulas, quando se teve (e quem teve) ocorreu de forma remota e todos em processo de aprendizagem sobre o como fazer. Estudantes aprendendo a se concentrar, muitos aprendendo a dividir computadores, celulares, tabletes e outros meios digitais. Aprendendo a perguntar para a máquina e a máquina transmitir para o professor e o colega. Não vendo o cheiro do colega. (mesmo sem coronavírus). Não foi fácil. Mas, também nunca fora fácil para a maioria dos estudantes da rede pública de educação....

Leia mais
Divulgação/Enem

Com alta de casos de Covid-19 no país, estudantes pedem novo adiamento do Enem

Com o aumento de casos e mortes pela Covid-19 no Brasil, entidades estudantis pedem novo adiamento do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), que terá a primeira prova aplicada no próximo dia 17. Além do receio de que a realização do exame, que tem 6 milhões de inscritos, vá aumentar a transmissão do vírus, as entidades afirmam que o MEC (Ministério da Educação) não divulgou medidas suficientemente eficazes para garantir a segurança dos candidatos. O ministério rejeita o novo adiamento e diz que o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), órgão responsável pela prova, estabeleceu regras para “reduzir aglomerações” nos locais de aplicação do exame e adotou medidas preventivas contra a Covid-19. Em ação conjunta, UNE (União Nacional dos Estudantes) e Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) não rejeitam a possibilidade de ingressar com um mandato de segurança para impedir a realização da prova em janeiro. “Os números...

Leia mais
Foto: Alexandre de Moraes

Programa de Pós-Graduação em Direito disponibiliza vagas voltadas a indígenas e a quilombolas

O Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Pará (PPGD/UFPA) vai disponibilizar 12 vagas específicas para indígenas e quilombolas para o curso de Mestrado, por meio de Processo Seletivo Especial (PSE), com ingresso em 2021. Para participar da seleção, o interessado deve se inscrever até o dia 8 de janeiro de 2021, na plataforma Sigaa UFPA e anexar a documentação exigida pelo Edital. Para a inscrição no PSE, o candidato deverá comprovar seu pertencimento étnico na condição de indígena ou de quilombola, sendo residente ou não em comunidade indígena (aldeia) ou em comunidade quilombola (quilombo). As linhas de pesquisa do PPGD são: Constitucionalismo, Políticas Públicas e Direitos Humanos; Direitos Fundamentais - concretização e garantias; Direitos Fundamentais e Meio Ambiente; Estudos Críticos do Direito e Sistema Penal e Direitos Humanos. “A importância das ofertas no mestrado específicas para indígenas e quilombolas traz uma questão muito importante. Traz a continuação do processo de...

Leia mais
Enem 2020 teve que ser adiado em função da pandemia da covid-19 e também será aplicado de forma digital Imagem: ADAILTON DAMASCENO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Locais de prova do Enem 2020 são divulgados hoje; saiba como acessar

Os estudantes inscritos no Enem 2020 (Exame Nacional do Ensino Médio) podem acessar o Cartão de Confirmação de Inscrição a partir de hoje, pela Página do Participante. O cartão contém o número de inscrição, data e local onde a prova deve ser realizada. A edição do Enem 2020 conta com 5.783.357 inscrições confirmadas e está prevista para ocorrer nos dias 17 e 24 de janeiro deste ano, na versão impressa. Já a versão digital será aplicada nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. A recomendação do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) aos estudantes é que o cartão seja levado nos dias de aplicação de prova, apesar de não ser obrigatório. O documento traz registros sobre atendimento especializado e tratamento pelo nome social dos estudantes. Login único Para ter acesso ao cartão de confirmação, os candidatos devem se cadastrar obrigatoriamente no portal do Governo...

Leia mais
Geledés

UNE, Ubes e estudantes pedem adiamento do Enem

Está ganhando força nas redes sociais a hashtag #adiaEnem. A União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), alunos e internautas em geral pedem novo adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e marcaram um twitaço pela causa. Num contexto em que ainda não há vacinação contra covid-19 no país, a avaliação de entidades estudantis é de que a realização da prova nas datas marcadas poderá gerar riscos à saúde e mortes. As provas impressas do Enem estão marcadas para serem aplicadas em 17 e 24 de janeiro. Já o Enem digital deve ocorrer em 31 de janeiro e 7 de fevereiro. O exame teve mais de 5,7 milhões de inscrições confirmadas. Confira manifestações nas redes sociais. Para a UNE, é irresponsável realizar o Enem neste momento: Realizar o Enem com o número de mortes por COVID-19 aumentando sem um plano de segurança efetivo para...

Leia mais
Bianca Santana (Foto: Natália Sena)

Doze anos de movimento negro e educação popular em dez mil documentos

O movimento negro produz documentos históricos há décadas. Há jornais, livros, fotografias, bandeiras, adesivos, relatos orais e diversos outros formatos de documentos que sistematizam um conhecimento pouco difundido e que, infelizmente, não está suficientemente organizado e disponível em acervos. Consequência, mas também causa, dos apagamentos e invisibilização histórica da produção negra característicos do epistemicídio. Neste contexto, causa especial alegria contar que o grupo de trabalho arquivo e memória Maria Beatriz Nascimento da UNEafro Brasil organizou seu acervo físico e digital, garantindo acesso a cerca de dez mil documentos iconográficos, audiovisuais e textuais. Adriano Souza e Jean Camoleze coordenaram o levantamento da massa documental, a higienização e o acondicionamento de cada papel e tecido, a criação de tipologias documentais, digitalização e divulgação do acervo utilizando o software livre ATOM. Imagem: UNEafro Neste processo, militantes da UNEafro realizaram uma formação teórica e prática de organização, conservação e recuperação...

Leia mais
Instituto Millenium

Crise terá cauda longa

As primeiras evidências empíricas sobre o impacto do fechamento das escolas devido à pandemia da Covid-19 começaram a aparecer. Os resultados, infelizmente, confirmam as expectativas sobre as consequências negativas de um evento tão traumático em todo o mundo. Estudos já divulgados em países como Holanda, Bélgica e Estados Unidos mostram que as perdas foram significativas, especialmente para os estudantes mais vulneráveis. Como a imensa maioria das crianças e adolescentes brasileiros não voltou às aulas presenciais, ainda não é possível mensurar o real impacto da pandemia na aprendizagem por aqui. Porém, considerando que essas primeiras evidências são relativas a países desenvolvidos e que mantiveram suas escolas fechadas por bem menos tempo, não há motivos para otimismo. Encerraremos o ano letivo de 2020 com perdas significativas de aprendizagem, aumento de desigualdades educacionais e também da evasão escolar. As notícias sobre o início da vacinação da população nos primeiros meses de 2021 trazem...

Leia mais

Chamada para submissão de propostas no livro: E quando contarmos nossas histórias?

“E quando contarmos nossas histórias? Trajetórias e experiências de estudantes e professores negros nas universidades brasileiras” As narrativas de vida constituem uma importante fonte de material para as pesquisas acadêmicas, fortalecem a memória coletiva e individual e possibilitam o reconhecimento de que a realidade social é multifacetada e também socialmente construída por indivíduos. No que diz respeito às pessoas negras dentro da universidade, o racismo estrutural que permeia o sistema educacional brasileiro permanece violentando e impossibilitando direta e indiretamente o acesso aos espaços de produção ‘legitimada’ do conhecimento. Dado o contexto em que vivemos no Brasil, de marcadas desigualdades econômicas, sócio-culturais e raciais,  após o processo de redemocratização na década de 1980, a sociedade brasileira tem experimentado um processo de abertura  e pluralização de grupos minoritários na esfera pública. Neste segmento, encontramos os movimentos pautados na luta racial, os movimentos sociais negros por meio da pauta das Políticas de Ações...

Leia mais
A educação de meninas negras em tempos de pandemia: o aprofundamento das desigualdades

A educação de meninas negras em tempos de pandemia: o aprofundamento das desigualdades

Tem se tornado cada vez mais comum ouvir que a pandemia da COVID-19 escancarou as desigualdades já existentes no Brasil. Quando falamos de educação, as narrativas de profissionais da área reforçam que não é possível avaliar o impacto do ensino virtual/remoto porque as/os estudantes sequer acessaram os ambientes virtuais disponibilizados pelas secretarias de educação. A falta de acesso à internet e aos equipamentos tecnológicos conformam a realidade da maior parte das/os estudantes brasileiras/os. Mas há quem acesse e tenha seus direitos de aprendizagem garantidos no limite do que a Educação à Distância permite. Quem são as pessoas que acessam ou não as ferramentas do ensino remoto? Quem ainda mantém ou não vínculo com a escola e a formação acadêmica? Dados da PNAD-COVID, realizada ainda neste ano de 2020, revelam que em setembro 6,4 milhões de estudantes (13,9% do total) não tiveram acesso às atividades escolares. O mesmo levantamento demonstra que...

Leia mais
Agência Câmara.Agência Câmara

Deputados destinam dinheiro público a escolas ligadas a igrejas. Veja como cada um votou

A Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) e a Campanha Nacional pelo Direito à Educação avaliam que o Fundeb foi totalmente desconfigurado em Projeto de Lei (PL) 4.372/2020, que o regulamenta. Para as entidades, o texto aprovado na noite desta quinta-feira (10) por 311 votos a 131 é inconstitucional e ameaça o cumprimento do piso nacional do magistério e as políticas de valorização das carreiras na educação, representando sério risco ao ensino público brasileiro já tão fragilizado. A proposta segue para votação do Senado. Seguindo na contramão da Emenda 108/2020, que colocou na Constituição o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, o Fundeb, o PL permite parcerias com a iniciativa privada que, na prática, não passam de transferência de recursos do próprio fundo para financiar a rede particular de ensino técnico, infantil e escolas filantrópicas, entre outras. A CNTE destaca que o PL permite convênios...

Leia mais

Regulamentação do novo Fundeb e superação das desigualdades: equidade e combate ao racismo na educação

O novo Fundeb A Emenda Constitucional 108/2020 (EC 108), aprovada pelo Congresso Nacional em agosto de 2020, transformou em permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Fruto de intensas disputas entre a área econômica do governo Bolsonaro, setores empresariais e a sociedade civil organizada, a nova disposição do Fundo, pode ser entendida como um avanço significativo em relação ao atual Fundeb (Lei 11.494/2007), em vigência até 31 de dezembro deste ano. A complementação da União ao novo Fundo que passa dos atuais 10% para 23% constitui, obviamente, um dos aspectos centrais, por ter implicações no desigual sistema federativo brasileiro, no qual as responsabilidades pelas políticas públicas recaem aos estados e, principalmente, sobre os municípios, ente federado com menor capacidade arrecadatória. Dessa forma, a implementação do novo Fundeb a partir de 2021 dá passos ao instar a União a assumir...

Leia mais
iStock/arte Lunetas

11 conteúdos para crianças que estimulam a educação antirracista

Cons·ci·ên·ci·a, substantivo feminino: capacidade intelectual e emocional de considerar ou reconhecer a realidade interior e exterior. De acordo com a definição no dicionário, significa também a compreensão de determinado tema, em especial relacionado a questões sociais e políticas. No dia 20 de novembro é celebrado o Dia da Consciência Negra. Mas em uma sociedade composta por mais da metade da população autodeclarada negra e parda (56,10%), a presença nas escolas particulares, nos cargos de liderança, na política, nas telas e nos livros ainda é proporcionalmente incompatível com o número apresentado. “A negação do racismo estrutural é um dos maiores desafios da nossa sociedade. Precisamos nos questionar em que lugar estamos vendo os corpos pretos, porque é essa presença ou ausência que vai normatizar essa relação. Ser racista vai muito além da manifestação de ódio”, diz Deh Bastos, fundadora do Criando Crianças Pretas, em debate nas redes sociais do Grupo Mulheres do...

Leia mais
Reprodução/Youtube

Em vídeo, mulheres de diferentes tradições religiosas e culturas manifestam apoio às decisões do STF por igualdade de gênero nas escolas

Enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (02) e lançado publicamente nesta quinta (03), um vídeo com a participação de mulheres de diferentes tradições religiosas e culturas manifesta apoio à Corte em suas decisões pela abordagem de gênero nas escolas e pela a inconstitucionalidade das leis inspiradas no movimento Escola Sem Partido.  "Nós, mulheres de diferentes tradições religiosas e culturas, apoiamos o STF em suas decisões por uma escola de qualidade, que garanta o direito a todos ao conhecimento libertador: sem preconceito, sem intolerância e sem ódio", afirma a pastora luterana e secretária geral do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), Romi Márcia Bencke, na abertura do vídeo. "Defendemos a laicidade do Estado. Isso significa que o Estado deve respeitar todas as tradições religiosas e não deve se orientar por doutrinas, dogmas e verdades religiosas", completa Eliad Dias dos Santos, pastora da Igreja Metodista da Luz. O...

Leia mais
Crédito: Getty Images/iStockphoto

Educação antirracista em narrativa confessional, decolonial e insurgente: ser corpo- território negro e docente na rede pública. ¹

Se alguém imagina um texto carregado de formalidades acadêmicas e de discussões metodológicas de planos de aula com receitas pedagógicas, sugiro que não o leia, pois a frustração será companheira da primeira à última linha. Aqui me permito a liberdade de escrever em primeira pessoa com toda a carga de subjetividade não sonegada, afinal não cruzei com intelectuais do nível (altíssimo) de minha avó, Conceição, xará de outra, a Evaristo, minha mãe Alice, Carolina Maria de Jesus, Sueli Carneiro, Beatriz Nascimento entre tantas referências que me ensinaram a não ter receio de me implicar e bordar com linhas autobiográficas a escrita que busco validar dentro das regras científicas. Sou grata ao feminismo negro e a epistemologia decolonial por me fazerem enxergar em todas elas intelectuais, agentes do conhecimento, portadoras de talento e criatividade ancestrais. Dessa fonte beberei independente das credenciais acadêmicas que venha a colecionar. Dispostes? O ano era 2001.Especial...

Leia mais
Imagem retirada do site APP-Sindicato

Educadores(as) completam 120 horas de greve de fome em defesa de empregos

A greve de fome dos(as) educadores(as) que estão acampados em frente ao Palácio Iguaçu completam nesta terça-feira (24), 120 horas. Acampados desde quinta-feira (19) no Centro Cívico, os(as) trabalhadores(as) da educação, mobilizados junto com a APP-Sindicato, estão resistindo em defesa da empregabilidade de mais de 30 mil profissionais, que estão sendo ameaçados pelo governador Ratinho Jr e o secretário da Educação, Renato Feder. As principais denúncias da categoria são a realização da prova para o Processo Seletivo Simplificado (PSS), que foi instituída pelo edital 47/2020, a falta de diálogo com o governador Ratinho Jr e o autoritarismo do governo ao implementar projetos para a educação paranaense. A APP-Sindicato cobra ainda o pagamento de progressões e promoções, prorrogação de contratos para Funcionários(as) de Escola e a suspensão da militarização escola. A secretária de Finanças, Walkiria Olegário Mazeto, enfatiza ainda que a luta da categoria reivindica do Estado respeito para com os(as)...

Leia mais
Divulgação

Educação quilombola é tema de evento nacional

Pela primeira vez, a educação quilombola será tema de um evento nacional, que deve reunir, de maneira remota, integrantes de comunidades e pesquisadores interessados no tema. A I Jornada Nacional Virtual de Educação Quilombola vai acontecer entre os dias 3 e 4 de dezembro, com mesas temáticas, partilha de experiências, testemunhos e resultados de pesquisas produzidas por intelectuais quilombolas. O evento é uma realização do Coletivo Nacional de Educação Quilombola, da Conaq, em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), e estende até o próximo mês as comemorações pelo Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro. “A educação quilombola é uma ferramenta de luta política em defesa de direitos territoriais”, afirma Givânia da Silva, educadora e coordenadora-geral do evento. “É com essa perspectiva de Coletivo de Educação da Conaq convoca professores, lideranças e aliados a participarem da Jornada. Será um importante espaço para troca de experiências e fortalecimento...

Leia mais
Divulgação

Pandemia e Equidade Racial na Educação

Acompanhe a transmissão ao vivo do webinário Pandemia e Equidade Racial na Educaçã, que faz parte da série Gestão da Educação Pública em Tempos de Crise, produzida pelo Instituto Unibanco em parceria com o Instituto da Mulher Negra, Gelédes Participam deste encontro: - Ricardo Henriques, superintende executivo do Instituto Unibanco - Suelaine Carneiro, Geledés Instituto da Mulher Negra - Marcos Cesar da Costa: diretor da E.E. Maestro Brenno Rossi - São Paulo - Zona Leste da cidade - Renata Francisco: Professora rede Estadual -São Paulo - Zona Leste da cidade - Brenda Vieira: estudante 2º ano ensino médio - Poá/SP - Alexsandro Santos: Diretor Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo Mediação: Tiago Borba - Instituto Unibanco Fonte: Instituto Unibanco

Leia mais
Imagem: Getty Images

Campanha ‘Tirar a Lei do Papel’ vai para sua terceira edição Organização brasileira, fundada em 2008, reflete sobre desafios para a aplicação da Lei 10.639/03

Em 2020, a Lei Federal 10.639/03 completou 17 anos em vigor. Tempo teoricamente suficiente para firmarmos consideráveis avanços no ensino da história e cultura africana e afrobrasileira no Brasil. No entanto, a realidade é outra e os docentes de todo país ainda enfrentam dificuldades para pôr a lei em prática. Por esse motivo, a Afroeducação - organização fundada há 12 anos, no país, vai para a terceira edição da campanha ‘Tirar a Lei do Papel’, que tem por objetivo incentivar professores e professoras a driblar os desafios para a aplicação da lei, além de tornar o assunto mais conhecido todo o território nacional. Trata-se de uma convocatória à sociedade para refletir sobre essas questões e agir para #tiraraleidopapel! Este ano, a campanha traz um novo formato, por meio de um vídeo dramatúrgico que recria uma reunião de professores, em modo virtual, como o isolamento social indica. Serão apresentados no vídeo...

Leia mais
Pintura: A criação de Deus/ Harmonia Rosales

A importância da cultura afro-brasileira e indígenas nas escolas

Inicialmente, é importante contextualizarmos factualmente a relevância do tema afro-brasileiro e indígena no currículo escolar e como essa temática se tornou lei amparada oficialmente pela educação na BNCC. No dia 10 de março de 2008 o ex-presidente da república, Luis Inácio Lula da Silva e Fernando Haddad, na época, Ministro da Educação, assinaram a Lei Nº 11.645 alterando a Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, estabelecendo assim, a obrigatoriedade de incluir oficialmente no currículo de ensino a temática “História e Cultura Afro brasileira e Indígena”, certificando assim, a melhoria dos direitos sociais e demonstrando a necessidade da implantação e consequentemente a busca de novas estratégias para novas políticas educacionais, que propõem e reconhecem uma sociedade diversificada. Elizabeth Maria² (2010) em seu artigo, fomenta que: A lei enfatiza o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist