quinta-feira, julho 29, 2021

Educação

Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo

Professora alfabetiza crianças a partir de rodas de conversa e educação antirracista

Quando as crianças do primeiro ano do Ensino Fundamental chegam à sala de aula da professora Ana Paula Venâncio, no Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (Iserj), uma escola pública da rede Faetec (Fundação de Apoio à Escola Técnica), a primeira coisa que fazem é sentar em roda e conversar. Nada de cartilhas pontilhadas, ditados e tarefas de copiar a lousa. Na prática da educadora, as crianças aprendem a ler e escrever quase como consequência de um processo maior de alfabetização. Nesses diálogos em roda, o estudante vai cultivando o hábito de narrar sobre o mundo, suas vidas e quem são, de escutar o outro e suas experiências. Daqui e dali surgem histórias de racismo ou falas que reproduzem essa violência, inevitavelmente, uma vez que no Brasil a questão é estrutural e permeia todos os espaços e interações, desde muito cedo. A própria professora também traz o assunto...

Leia mais
Divulgação

Vem aí a terceira edição do evento No Chão da Escola!

Todas as crianças têm o direito ao desenvolvimento integral. Contudo, em uma sociedade marcada pelo racismo estrutural como a brasileira, esse direito é violado para muitas das crianças e dos adolescentes negros. A questão racial é um debate central no país e, por isso, deve habitar os diálogos cotidianos e pautar a estrutura de todas as instituições. Para discutir o papel da escola no combate ao racismo, o Instituto Alana apresenta a terceira edição do evento No Chão da Escola, com o tema “Educação para relações antirracistas”, entre os dias 27 e 29 de julho, das 18h às 21h. Inscreva-se para participar

Leia mais
Getty Images

USP está com cursos gratuitos abertos na modalidade EAD nas áreas de programação, astronomia, ciências humanas, letras e mais

A Universidade de São Paulo – USP, uma das quatro universidades públicas mantidas pelo Governo do Estado de São Paulo, está com opções de cursos gratuitos na modalidade EAD. Há opções de cursos nas áreas de programação, astronomia, educação, farmácia, arquivologia e mais. Serão oferecidas 4.985 vagas, distribuídas em 66 cursos on-line com o objetivo de oferecer novas oportunidades de formação e aprendizado. Veja ainda: 7,2 mil vagas são oferecidas para cursos gratuitos online de qualificação profissional em Campinas, São Paulo Confira, abaixo, os detalhes dos cursos gratuitos na modalidade EAD, oferecidos pela USP Tópicos em Psicobiologia – Detalhes desta opção dos cursos gratuitos EAD oferecidos pela USP: Este curso visa fornecer conhecimentos mínimos necessários nas áreas de Psicologia, Biologia e Biomedicina para a formação do estudante que se inicia na carreira de pesquisador em Psicobiologia. Atende à demanda de alunos que procuram estágios nos diversos laboratórios da Psicobiologia, do Dep. de Psicologia....

Leia mais
Reprodução/Facebook

Insper promove curso pré-vestibular para apoiar alunos de baixa renda

Oficina de Apoio Insper tem o objetivo de desenvolver a autonomia do estudante em diferentes áreas. Inscrições vão até 28 de julho. A Oficina de Apoio Insper, curso pré-vestibular para apoiar alunos de baixa renda, com até 1,5 salário mínimo per capita familiar, e que tenham estudado exclusivamente em escola pública, está com inscrições abertas para seu processo de seleção até 28 de julho. O curso, online e gratuito, é uma iniciativa do próprio Insper e tem o objetivo de desenvolver a autonomia do estudante em diferentes áreas. Foi iniciado em março deste ano e, agora, está em sua segunda edição. “A Oficina é estruturada a partir das demandas dos nossos alunos. Investigamos em que estágio estão no seu processo de aprendizagem e propomos tarefas para que eles caminhem principalmente na direção de ser estudantes autônomos”, diz Harley Sato, coordenador da Oficina de Apoio Insper. Para este semestre, a Oficina de Apoio...

Leia mais
Foto: Hick Duarte/C&A

Emicida será mestre na Universidade de Coimbra, em Portugal

O rapper brasileiro Emicida será mestre no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, em Portugal. O centro denominou a passagem de Emicida pela universidade como "residência artística".  "O Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra acolhe, pelo período de 3 meses, entre 25 de julho e 21 de outubro de 2021, a residência artística de Leandro Roque de Oliveira, conhecido artisticamente como Emicida", anunciou a universidade nesta terça-feira (20). Em uma publicação no Twitter, Emicida afirmou que recebeu muitas congratulações por ingressar na faculdade, e esclareceu que o desafio será como mestre, não como aluno.  " Ó, muita gente me parabenizando por entrar na faculdade. Obrigado amigos. Mas eu não estou indo como aluno (embora eu seja um eterno aprendiz de tudo) estou indo como mestre ( aliás, adorei o título "cátedra insurgente") e é uma honra sem tamanho", disse. Emicida participará de uma agenda diversificada de...

Leia mais
Nei Lopes em São Paulo -(Foto: Claudio Belli – 26.jan.2018/Valor/Globo)

Nei Lopes tem indicação a título de doutor honoris causa negada por UFRJ

Nei Lopes tem muito orgulho de ser sambista — coautor de “Senhora liberdade”, “Coisa da antiga” e outras grandes músicas. Mas quem o chama assim pode, mesmo sem intenção, botar em segundo plano seus papéis de escritor e intelectual. Tratando-se de um homem negro, do subúrbio carioca, o primeiro de sua família a chegar ao ensino superior e que não desenvolveu carreira acadêmica, enxergá-lo unicamente como sambista e não levar em consideração também suas outras qualificações resvala em racismo e preconceito de classe. Foi essa a interpretação que admiradores seus fizeram de um fato ocorrido no final de junho. A congregação (órgão deliberativo máximo) da Faculdade Nacional de Direito, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), vetou a indicação de Nei para o título de doutor honoris causa. Oito integrantes votaram contra e dez a favor, mas eram necessários 14 votos para o nome ser aprovado. Quem carregou a...

Leia mais
Luanda Moraes, da Uezo, uma das poucas reitoras negras de universidades públicas no país - Zo Guimarães/Folhapress

Se você não se ligar, o racismo te envolve na universidade, diz reitora negra

Integrante de um grupo pequeno, mas agora organizado, de reitores negros, Luanda de Moraes celebra a redução da desigualdade racial no ensino superior, mas denuncia a persistência do racismo na sociedade brasileira e, em especial, nas universidades, onde ele é mais sutil. À frente da Uezo (Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste), que recebe alunos vindos de áreas pobres do Rio de Janeiro, ela acaba de formar com mais seis colegas um grupo de reitores negros que levará à frente posicionamentos conjuntos sobre temas como a Lei de Cotas. A norma, que reserva vagas nas universidades, deve ser revista no ano que vem, e Luanda avalia que há risco político de retrocesso. Isso ocorre no momento em que a crise econômica e o enxugamento de políticas públicas trazem risco de interromper a trajetória do ensino superior rumo à equidade racial, como mostrou o Ifer (Índice Folha de Equilíbrio Racial). À Folha ela falou...

Leia mais
Estudantes de máscara acompanham aula em escola da Zona Leste de São Paulo (Foto:  Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo - 15 jun. 2021)

Unicef: ‘Educação regrediu ao patamar de 20 anos atrás durante a pandemia’

No dia que o Estatuto da Criança e do Adolescente completa 31 anos, não há muitos motivos para comemorar. Segundo o UNICEF, órgão da ONU responsável por promover os direitos das crianças, a pandemia acentuou os desafios que já existiam e fez retroceder as conquistas em alguns setores, como na educação. A chefe de políticas sociais do UNICEF no Brasil, Liliana Chopitea, se refere às crianças como “vítimas ocultas” da Covid-19.   Escolas fechadas há quase um e ano meio podem causar impactos irreversíveis, de acordo com ela. Segundo dados do órgão, antes da pandemia aproximadamente 1,7 milhões de crianças e adolescentes estavam fora da escola, número que representava um cenário de melhora. A pesquisa mais recente mostra que agora temos quase 5 milhões de jovens em idade escolar que deixaram de ter aula por alguma razão, muitas vezes por não possuir acesso à internet. “Você imagina os impactos disso,...

Leia mais

Infográfico – A educação de meninas negras em tempos de pandemia: o aprofundamento das desigualdades

O direito à educação nunca foi realidade para todas as crianças e adolescentes no Brasil, mas a pandemia de COVID-19 agrava um cenário já bastante comprometido. No que diz respeito às meninas negras, a pesquisa realizada por Geledés Instituto da Mulher Negra, demonstra que elas são as mais atingidas pelas desigualdades educacionais. Aqui destacamos alguns dados da pesquisa:

Leia mais
Foto: Reprodução/ Instagram @
semioticantirracista)

Plataforma de semiótica abre inscrições para curso sobre racismo e Mídia no Brasil

Com forte adesão de profissionais, estudantes e pesquisadorxs de Comunicação em todo o Brasil, o curso 'Racismo e Mídia no Brasil: uma abordagem semiótica' está com inscrições abertas para sua oitava edição. As aulas acontecerão nos dias 24 e 25 de julho, das 16h às 18h, em uma plataforma de reunião on-line. A inscrição compreende dois dias de atividade, com emissão de certificado de 4h. A discussão sobre o racismo ganhou um novo fôlego no Brasil e no mundo, a partir da circulação discursiva nas redes sociais. Pauta historicamente reinvidicada pelo movimento negro, vem ganhando espaço nas preocupações institucionais de empresas, veículos de comunicação e nas disputas narrativas da contemporaneidade.  O curso 'Racismo e Mídia no Brasil: uma abordagem semiótica' busca contribuir para o aprofundamento de uma visão crítica e coletiva sobre a relação entre violência racial e o sistema de produção simbólico. O objetivo é tensionar as práticas de...

Leia mais

Relatório aponta retrocessos em políticas públicas do Brasil

No momento em que toda a comunidade internacional estará reunida no Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas (HLPF 2021), entre os dias 6 e 15 de julho, para acompanhar e revisar os avanços no cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um estudo realizado por organizações não governamentais, entidades e fóruns da sociedade civil brasileira aponta que o País vem regredindo nas mais diversas áreas como pobreza, segurança alimentar, saúde, educação, gênero, economia e meio ambiente. A quinta edição do “Relatório Luz da Sociedade Civil sobre a Agenda 2030”, que utiliza apenas dados oficiais, será lançada na próxima segunda-feira, 12 de julho, às 10h,  em audiência pública no Congresso Nacional, com transmissão simultânea pelo e-Democracia e canais oficiais da Câmara dos Deputados. Já a comunidade internacional poderá acompanhar a divulgação dos dados na terça (13/07), a partir das 15h (em inglês) e das 17h (em espanhol), pelo...

Leia mais
Zaila Avant-garde fez história ao se tornar a primeira afro-americana a vencer concurso de soletrar palavras nos EUA (REUTERS)

As três palavras que deram vitória histórica a adolescente em concurso de soletrar

Zaila Avant-garde, que tem 14 anos e vive em Nova Orleans, Louisiana, carimbou seu passaporte para a vitória com a palavra "murraya", um tipo de arbusto tropical também conhecido como jasmim-laranja. Para chegar à vitória, ela também teve que soletrar "querimonious", que em tradução livre significa "reclamão", ou "queixoso", e "solidungulate", nome dado aos animais que têm um casco único nas patas, caso do cavalo ou da zebra (nas vacas, diferentemente, o casco é dividido). O concurso existe desde 1925 e tem uma série de etapas muito disputadas, das preliminares e eliminatórias à final. É uma das atrações mais tradicionais dos Estados Unidos e transmitido em horário nobre na televisão. Apesar de praticar até sete horas por dia, ela descreve o exercício de soletrar palavras como um hobby secundário - o foco principal de Zaila é se tornar uma profissional de basquete. Ela já detém três recordes mundiais por driblar...

Leia mais
Divulgação

Unesp divulga calendário para vestibular 2022; confira datas

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou, nesta terça-feira (6), o calendário oficial de provas e resultados para o vestibular 2022. As inscrições se iniciam no dia 8 de setembro e se encerram no dia 7 de outubro de 2021 e devem ser feitas pelo site da Fundação Vunesp. Os pedidos de isenção e redução de 50% da taxa de inscrição deverão ser feitos de 31 de agosto a 7 de setembro, também na página da Vunesp. Pelo menos 50% das vagas do vestibular serão destinadas a alunos que tenham cursado todo o ensino médio em escolas da rede pública de ensino. Confira as datas 1ª fase (biológicas): 14 de novembro de 20211ª fase (exatas, humanidades e treineiros): 15 de novembro de 20212ª fase (todos os candidatos habilitados): 19 de dezembro de 2021Resultados: 27 de janeiro de 2022 Inscrições para o Vestibular Unesp 2022 começam no dia 8 de setembro — Foto: Fundação Vunesp A Unesp possui cursos de graduação em 24 cidades de São Paulo: Araçatuba,...

Leia mais
Divulgação/Unicamp

Unicamp disponibiliza gratuitamente 300 planos de aula para os ensinos Médio e Fundamental

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) liberou de forma gratuita 300 planos de aula para serem usados com alunos dos ensinos fundamental e médio. O material está disponível no site da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB), projeto realizado pelo Departamento de História da instituição.  Alguns dos planos de aula oferecidos gratuitamente pela Unicamp. (Foto:olimpiadadehistoria.com.br) Segundo a organização da ONHB, os planos de aula foram elaborados por professores da educação básica que já participaram do Curso de Formação ministrado por eles. O material didático está dividido em seis temas: “História da África”, “História dos Índios” e “Ditadura Civil-Militar”, “Imagens da sala de aula”, “Narrativas da América: discursos e dinâmicas locais” e “A Canção Popular Brasileira no ensino de História”. Cada um deles foi escolhido por uma banca especializada como parte de uma seleção dos 50 melhores planos de aula de cada edição da Olimpíada.  “A Olimpíada de História tem como grande objetivo promover a...

Leia mais
Foto: Geraldo Bechker/TV Globo

UnB abre 30 vagas em especialização gratuita para graduados em qualquer área

A Especialização em Estudos Amazônicos oferecerá 30 vagas para  graduados em qualquer área com interesse no tema. Delas, seis vagas serão destinadas exclusivamente a candidatos auto identificados como negros. Além disso, outras oito vagas serão divididas da seguinte maneira: Indígenas: duas (2) vagas;Membros de comunidades tradicionais: duas (2) vagas;Quilombolas: duas (2) vagas;Pessoas com deficiência: duas (2) vagas. Inscrições para graduados em qualquer área As inscrições poderão ser feitas a partir de 5 de julho de 2021 pelo site https://sig.unb.br/sigaa/public/home.jsf. Basta acessar esse link, clicar em “processos seletivos”. Depois em “Consulte os processos seletivos de nível lato-sensu abertos, inscreva-se ou gerencie suas inscrições” e, na sequencia, em “Especialização em Estudos Amazônicos”.  Serão computadas apenas as 300 primeiras inscrições. Estrutura Curricular: 1º TRIMESTRE HISTÓRIA DA AMAZÔNIA O conceito de Amazônia: definições e concepções sobre a região, formação histórica do território, seu caráter continental – as fronteiras amazônicas do Brasil; arqueologia e ocupação pré-colombiana;...

Leia mais
Albari Rosa/Gazeta do Povo/Arquivo

Racismo e Equalização: o Novo Fundeb e o Direito à Educação Escolar Indígena e Quilombola e em Territórios de Vulnerabilidade Social

Resumo O artigo aborda os desafios colocados às políticas de financiamento para que atuem efetivamente em prol da equalização na garantia do direito à educação, com base no necessário reconhecimento da relação entre igualdade e diferenças, condição para o pleno enfrentamento das desigualdades nas políticas educacionais. Resgata a luta por direitos dos povos indígenas e populações negras e quilombolas, suas conquistas legais e as inovações institucionais das últimas décadas, visando superar a insuficiência das políticas universais e o racismo estrutural que invisibiliza e nega a condição de sujeitos de direitos a tais populações, majoritariamente predominantes em territórios considerados de alta vulnerabilidade social. À luz desses acúmulos e da proposta de Custo Aluno Qualidade Adicional, defende-se que o novo Fundeb e o Sistema Nacional de Educação estabeleçam mecanismos que aprofundem o processo de superação das desigualdades educacionais brasileiras em uma perspectiva de política de ação afirmativa. Ao final, apresentam-se quatro propostas para...

Leia mais
Divulgação

FUNDEB e desigualdades educacionais

Monitoramento do direito à educação e das desigualdades educacionais: desigualdades de que e entre quem? Sobre este evento A Representação da UNESCO no Brasil, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Núcleo de Estudos de Políticas Públicas da Universidade Estadual de Campinas (NEPP/Unicamp), o Instituto Singularidades e o Núcleo de Pesquisa em Desigualdades Escolares (Nupede) da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FAE/UFMG), realiza a série de webinários, “Fundeb e desigualdades educacionais”. Com o título “Monitoramento do direito à educação e das desigualdades educacionais: desigualdades de que e entre quem?”, a mesa vai discutir os “Desafios conceituais, técnicos e políticos para a construção de medidas para o monitoramento do direito à educação e das desigualdades educacionais”; o webinário de 06/07 faz parte de uma série de webinários que visam fortalecer o debate público sobre o papel da educação na construção de sociedades mais democráticas e...

Leia mais
Cássia Vale, Geise Oliveira, Lívia Sant’Anna Vaz e Sandra Oliveira  (Foto: Divulgação)

Festival Julho das Pretinhas realiza evento de arte-educação voltado para crianças negras

A terceira edição do Julho das Pretinhas reúne uma série de ações voltadas para potencializar o empoderamento de meninas negras através de atividades culturais e educativas como bate-papos, oficinas criativas e apresentações artísticas. A programação acontece virtualmente de 05 a 31 julho através das redes sociais  @julhodaspretinhas e é voltada para crianças, adolescentes, ativistas e educadores de todo o Brasil.  O festival nasceu em 2019, idealizado por Cássia Valle, que também assina a coordenação artística do evento, e desde sua estreia conta com apoio do Centro Educacional Maria Felipa, responsável pela coordenação pedagógica. Cássia tomou como referência o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-Americana e Caribenha, celebrado no dia 25 de julho, para propor um evento voltado ao público infanto-juvenil. Nesta terceira edição,  o evento é organizado pela DiPreta Produções, Moinhos Giros de Arte e Cultura e do Selo Calu Brincante. O evento inicia no dia 5 de julho com...

Leia mais
(Reprodução/Getty Images)

Escolas têm que discutir combate à discriminação, mas muitas ainda rejeitam pauta LGBTQIA+

Ricardo Henriques destaca que, apesar de alguns avanços, a maioria das escolas ainda se recusa a discutir os direitos da população LBGTQIA+. O comentarista lembra, também, que estudantes que fazem parte dessa comunidade estão entre os que mais sofrem discriminação. 'Preconceito que nega a liberdade das pessoas deixa todos mais pobres, mais brutos e tacanhos. Menos humanos, em última instância', avalia Henriques. 'Escola pode e deve ser a referência mais estruturada sobre tolerância e diversidade'.

Leia mais
O Plano Nacional de Educação (PNE) é responsável por definir diretrizes de universalização de acesso, qualidade e financiamento do setor educacional (Foto: Sumaia Vilela/Agência Brasil)

Menos de 25% das metas do Plano Nacional de Educação devem ser cumpridas

Menos de 25% das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) devem ser atingidas até o fim da sua vigência em 2024. O alerta é da Campanha Nacional pelo Direito à Educação (CNDE), que elaborou um balanço do cumprimento dos dispositivos. Válidas desde 2014, apenas cinco das 20 metas foram parcialmente cumpridas. Mesmo nos casos positivos, os projetos não eram ambiciosos e já nasceram próximos do cumprimento. O balanço conclui que a Emenda Constitucional 95 do Teto de Gastos, aprovada em 2016 no governo de Michel Temer (PMDB), inviabilizou a concretização do Plano.  "Os principais motivos para o descumprimento do PNE são as políticas de austeridade e de cortes nas áreas sociais. O Plano é construído em um esquema de cumprimento progressivo das metas, o que significa que aquelas que têm prazo nos primeiros anos são basilares para o cumprimento de todas as demais", explica a coordenadora da CNDE, Andressa Pellanda. O investimento em educação retrocedeu...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

No Content Available

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist