Guest Post »

Candomblé Ketu


Candomblé Ketu (pronuncia-se queto) é a maior e a mais popular “nação” do Candomblé, uma das Religiões afro-brasileiras.
No início do século XIX, as etnias africanas eram separadas por confrarias da Igreja Católica na região de Salvador, Bahia. Dentre os escravos pertencentes ao grupo dos Nagôs estavam os Yoruba (Iorubá). Suas crenças e rituais são parecidos com os de outras nações do Candomblé em termos gerais, mas diferentes em quase todos os detalhes.

Teve inicio em Salvador, Bahia, de acordo com as lendas contadas pelos mais velhos, algumas princesas vindas de Oyó e Ketu na condição de escravas, fundaram um terreiro num engenho de cana. Posteriormente, passaram a reunir-se num local denominado Barroquinha, onde fundaram uma comunidade de Jeje-Nagô pretextando a construção e manutenção da primitiva Capela da Confraria de Nossa Senhora da Barroquinha, atual Igreja de Nossa Senhora da Barroquinha que, segundo historiadores, efetivamente conta com cerca de três séculos de existência.[1]

No Brasil Colônia e depois, já com o país independente mas ainda escravocrata, proliferaram irmandades. “Para cada categoria ocupacional, raça, nação – sim, porque os escravos africanos e seus descendentes procediam de diferentes locais com diferentes culturas – havia uma. Dos ricos, dos pobres, dos músicos, dos pretos, dos brancos, etc. Quase nenhuma de mulheres, e elas, nas irmandades dos homens, entraram sempre como dependentes para assegurarem benefícios corporativos advindos com a morte do esposo. Para que uma irmandade funcionasse, diz o historiador João José Reis, precisava encontrar uma igreja que a acolhesse e ter aprovados os seus estatutos por uma autoridade eclesiástica”.

Muitas conseguiram construir a sua própria Igreja como a Igreja do Rosário da Barroquinha, com a qual a Irmandade da Boa Morte manteve estreito contato. O que ficou conhecido como devoção do povo de candomblé. O historiador cachoeirano Luiz Cláudio Dias Nascimento afirma que os atos litúrgicos originais da Irmandade de cor da Boa Morte eram realizados na Igreja da Ordem Terceira do Carmo, templo tradicionalmente freqüentado pelas elites locais. Posteriormente as irmãs transferiram-se para a Igreja de Santa Bárbara, da Santa Casa da Misericórdia, onde existem imagens de Nossa Senhora da Glória e da Nossa Senhora da Boa Morte. Desta, mudaram-se para a bela Igreja do Amparo desgraçadamente demolida em 1946 e onde hoje encontram-se moradias de classe média de gosto duvidoso. Daí saíram para a Igreja Matriz, sede da freguesia, indo depois para a Igreja da Ajuda.
O fato é que não se sabe ao certo precisar a data exata da origem da Irmandade da Boa Morte. Odorico Tavares arrisca uma opinião: a devoção teria começado mesmo em 1820, na Igreja da Barroquinha, tendo sido os Jejes, deslocando-se até Cachoeira, os responsáveis pela sua organização. Outros ressaltam a mesma época, divergindo quanto à nação das pioneiras, que seriam alforriadas Ketu. Parece que o “corpus” da irmandade continha variada procedência étnica já que fala-se em mais de uma centena de adeptas nos seus primeiros anos de vida.

Essas confrarias eram os locais onde se reuniam as sacerdotisas africanas já libertas (alforriadas) de várias nações, que foram se separando conforme foram abrindo os terreiros. Na comunidade existente atrás da capela da confraria foi construído o Candomblé da Barroquinha pelas sacerdotisas de Ketu que depois se transferiram para o Engenho Velho, ao passo que algumas sacerdotisas de Jeje deslocaram-se para o Recôncavo Baiano para Cachoeira e São Félix para onde transferiram a Irmandade da Boa Morte e fundaram vários terreiros de candomblé jeje sendo o primeiro Kwé Cejá Hundé ou Roça do Ventura.

O Candomblé Ketu ficou concentrado em Salvador, depois da transferência do Candomblé da Barroquinha para o Engenho Velho passou a se chamar Ilê Axé Iyá Nassô mais conhecido como Casa Branca do Engenho Velho sendo a primeira casa da nação Ketu no Brasil de onde saíram as Iyalorixás que fundaram o Ilê Axé Opô Afonjá e o Terreiro do Gantois.

 

Orixás

Os Orixás do Ketu são basicamente os da Mitologia Yoruba.

Olorun também chamado Olodumare é o Deus supremo, que criou as divindades ou Orixás (Òrìsà em yoruba). As centenas de orixás ainda cultuados na África, ficou reduzida a um pequeno número que são invocados em cerimônias:

• Exu, Orixá guardião dos templos, encruzilhadas, passagens, casas, cidades e das pessoas, mensageiro divino dos oráculos.

• Ogum, Orixá do ferro, guerra, fogo, e tecnologia.
• Oxóssi, Orixá da caça e da fartura.
• Logunedé, Orixá jovem da caça e da pesca
• Xangô, Orixá do fogo e trovão, protetor da justiça.
• Ayrà, Usa branco, tem profundas ligações com Oxalá e com Xangô.
• Obaluaiyê, Orixá das doenças epidérmicas e pragas, Orixá da Cura.
• Oxumaré, Orixá da chuva e do arco-íris, o Dono das Cobras.
• Ossaim, Orixá das Folhas, conhece o segredo de todas elas.
• Oyá ou Iansã, Orixá feminino dos ventos, relâmpagos, tempestades, e do Rio Niger
• Oxum, Orixá feminino dos rios, do ouro, jogo de búzios, e amor.
• Iemanjá, Orixá feminino dos lagos, mares e fertilidade, mãe de muitos Orixás.
• Nanã, Orixá feminino dos pântanos e da morte, mãe de Obaluaiê.
• Yewá, Orixá feminino do Rio Yewa.
• Obá, Orixá feminino do Rio Oba, uma das esposas de Xangô
• Axabó, Orixá feminino da família de Xangô
• Ibeji, Orixá dos gêmeos
• Irôco, Orixá da árvore sagrada, (gameleira branca no Brasil).
• Egungun, Ancestral cultuado após a morte em Casas separadas dos Orixás.
• Iyami-Ajé, é a sacralização da figura materna, a grande mãe feiticeira.
• Onilé, Orixá do culto de Egungun
• Oxalá, Orixá do Branco, da Paz, da Fé.
• OrixaNlá ou Obatalá, o mais respeitado, o pai de quase todos orixás, criador do mundo e dos corpos humanos.
• Ifá ou Orunmila-Ifa, Ifá é o porta-voz de Orunmila, Orixá da Adivinhação e do destino.
• Odudua, Orixá também tido como criador do mundo, pai de Oranian e dos yoruba.
• Oranian, Orixá filho mais novo de Odudua
• Baiani, Orixá também chamado Dadá Ajaká
• Olokun, Orixá divindade do mar
• Olossá, Orixá dos lagos e lagoas
• Oxalufon, Qualidade de Oxalá velho e sábio
• Oxaguian, Qualidade de Oxalá jovem e guerreiro
• Orixá Oko, Orixá da agricultura

Na África cada Orixá estava ligado originalmente a uma cidade ou a um país inteiro. Tratava-se de uma série de cultos regionais ou nacionais. Sàngó em Oyó, Yemoja na região de Egbá, Iyewa em Egbado, Ogún em Ekiti e Ondo, Òsun em Ilesa, Osogbo e Ijebu Ode, Erinlé em Ilobu, Lógunnède em Ilesa, Otin em Inisa, Osàálà-Obàtálá em Ifé, subdivididos em Osàlúfon em Ifan e Òságiyan em Ejigbo

No Brasil, em cada templo religioso são cultuados todos os Orixás, diferenciando que nas casas grandes tem um quarto separado para cada Orixá, nas casas menores são cultuados em um único quarto de santo (termo usado para designar o quarto onde são cultuados os Orixás).

Ritual

O Ritual de uma casa de Ketu, é diferente das casas de outras nações, a diferença está no idioma, no toque dos Ilus (Atabaque no Ketu), nas cantigas, nas cores usadas pelos Orixás, os rituais mais importantes são: Padê, Sacrifício, Oferenda, Sassayin, Iniciação, Axexê, Olubajé, Águas de Oxalá, Ipeté de Oxum,…

A língua sagrada utilizada em rituais do Ketu é o (Iorubá ou Nagô) é derivado da língua Yoruba. O povo de Ketu procura manter-se fiel aos ensinamentos das africanas que fundaram as primeiras casas, reproduzem os rituais, rezas, lendas, cantigas, comidas, festas, esses ensinamentos são passados oralmente até hoje. (ver oralidade)


Hierarquia

As posições principais do Ketu (são chamados de cargo ou posto, em yoruba Olóyès , Ogãns e Àjòiès), em termos de autoridade, são:

O cargo de autoridade máxima dentro de uma casa de candomblé é o de Iyálorixá (mulher – mãe-de-santo) ou Babalorixá (homem – pai-de-santo. São pessoas escolhidas pelos Orixás para ocupar esse posto. São sacerdotes, que após muitos anos de estudo adquiriram o conhecimento para tal função. Existem casos que a pessoa escolhida através do jogo de búzios ainda não estar preparada para assumir o posto, nesse caso terá que ser assistida por todos Egbomis (meu irmão mais velho) da casa para obter o conhecimento necessário.

1. Iyalorixá ou Babalorixá: A palavra iyá do yoruba significa mãe, babá significa pai.
2. Iyakekerê (mulher): mãe pequena, segunda sacerdotisa.
3. Babakekerê (homem): pai pequeno, segundo sacerdote.
4. Iyalaxé (mulher): cuida dos objetos ritual.
5. Agibonã: mãe criadeira, supervisiona e ajuda na iniciação
6. Egbomi: Ou Egbomi são pessoas que já cumpriram o período de sete anos da iniciação (significado: meu irmão mais velho).
7. Iyabassê: (mulher): responsável pela preparação das comidas-de-santo
8. Iaô: filho-de-santo (que já incorpora Orixás).
9. Abiã ou abian: Novato.
10. Axogun: responsável pelo sacrifício dos animais. (não entram em transe).
11. Alagbê: Responsável pelos atabaques e pelos toques. (não entram em transe).
12. Ogâ ou Ogan: Tocadores de atabaques (não entram em transe).
13. Ajoiê ou ekedi: Camareira do Orixá (não entram em transe). Na Casa Branca do Engenho Velho, as ajoiés são chamadas de ekedis. No Gantois, de “Iyárobá” e na Angola, é chamada de “makota de angúzo”, “ekedi” é nome de origem Jeje, que se popularizou e é conhecido em todas as casas de Candomblé do Brasil. (em edição)

Referências
1. ↑ Silveira, Renato da. Candomblé da Barroquinha. Editora Maianga, 2007. ISBN 8588543419
• VATIN, Xavier. Rites et musiques de possession à Bahia. Paris: L’Harmattan, 2005.

Ver também
• Candomblé
• Candomblé Bantu
• Candomblé Jeje
• Nação Xambá
• Omolokô
• Religiões afro-brasileiras
• Templos afro-brasileiros
Ligações externas
• Kẅe Seja Nanguby
• Candomblé Ketu
• Blog Dedicado ao Candomblé AlaKetu

 

Religiões americanas com raízes africanas
ReligiõesAbakuá ·  Arará ·  Batista espiritual ·  Batuque ·  Candomblé ·  Candomblé Bantu ·  Candomblé Jeje ·  Candomblé Ketu ·  Hoodoo ·  Kumina ·  Lukumí ·  Obeah ·  Palo ·  Quimbanda ·  Regla de Ocha ·  Santeria ·  Umbanda ·  Vodou haitiano ·  Voodoo da Louisiana ·  Winti
Vodou haitianoLoa ·  Agasou ·  Agwé ·  Ayida Weddo ·  Azaka ·  Barão Samedi ·  Damballah ·  Erzulie ·  Ezili Dantor ·  Ezili Freda ·  Guédé ·  Loa Aizan ·  Loco (loa) ·  Maman Brigitte ·  Nana Buluku ·  Ogoun ·  Ogoun Feray ·  Papa Legba ·  Veve
SanteriaBabalu Aye ·  Ellegua ·  Iansan ·  Mami Wata ·  Obàtálá ·  Oggun ·  Ọlọrun ·  Orunmila ·  Oshun ·  Shango ·  Yemaya
Candomblé bantuNkisi ·  Zambi ·  Aluvaiá ·  Pambu Njila ·  Nkosi ·  Ngunzu ·  Kabila ·  Mutalambô ·  Gongobira ·  Mutakalambô ·  Katendê ·  Nzazi ·  Kaviungo ·  Nsumbu ·  Hongolo ·  Kindembu ·  Kaiango ·  Matamba ·  Kisimbi ·  Ndanda Lunda ·  Kaitumba ·  Mikaia ·  Nzumbarandá ·  Nvunji ·  Lembarenganga
Candomblé jejeVodum ·  Mawu ·  Lissá ·  Legba ·  Nanã Buruku ·  Loko ·  Gu ·  Heviossô ·  Sakpatá ·  Ajunsun ·  Possun ·  Dan ·  Dangbê ·  Bessem ·  Agué ·  Agbê ·  Sogbô ·  Ayizan ·  Agassu ·  Aguê ·  Avlekete ·  Tohossu
Candomblé ketuOrixá ·  Olorun ·  Exu ·  Ogum ·  Oxóssi ·  Logunedé ·  Xangô ·  Ayrà ·  Obaluaiyê ·  Oxumaré ·  Ossaim ·  Oyá-Iansã ·  Oxum ·  Iemanjá ·  Nanã ·  Yewá ·  Obá ·  Axabó ·  Ibeji ·  Iroko ·  Egungun ·  Iyami-Ajé ·  Onilé ·  Oxalá ·  OrixaNlá ·  Obatalá ·  Ifá ·  Orunmilá ·  Odudua ·  Oranian ·  Baiani ·  Olokun ·  Olossá ·  Oxalufon ·  Oxaguian ·  Orixá Oko
RaízesVodun da África Ocidental ·  Ifá, Orisa (Yorùbá) ·  Vodun (Dahomey) ·  Nkisi (Kongo, Angola) ·  Catolicismo (Portugal, Espanha)

Obtido em “http://pt.wikipedia.org/wiki/Candombl%C3%A9_Ketu”
Categoria: Candomblé

 

Orixá
Na mitologia yoruba, Olorun é o deus supremo do povo yoruba, que criou as divindades chamadas orixás (em yoruba Òrìsà; em espanhol Oricha; em inglês Orisha) para representar todos os seus domínios aqui na terra. Os orixás, que não são considerados deuses, são cultuados no Brasil, Cuba, República Dominicana, Porto Rico, Jamaica, Guiana, Trinidad e Tobago, Estados Unidos, México e Venezuela.

Na mitologia há menção de 600 orixás primários, divididos em duas classes, os 400 dos Irun Imole e os 200 Igbá Imole, sendo os primeiros do Orun (“céu”) e os segundos da Aiye (“Terra”).

Estão divididos em orixás da classe dos Irun Imole, e dos Ebora da classe dos Igbá Imole, e destes surgem os orixás Funfun (brancos, que vestem branco, como Oxalá e Orunmilá), e os orixás Dudu (pretos, que vestem outras cores, como Obaluayê e Xangô).

• Exu, orixá guardião dos templos, encruzilhadas, passagens, casas, cidades e das pessoas, mensageiro divino dos oráculos.
• Ogum, orixá do ferro, guerra, fogo, e tecnologia.
• Oxóssi, orixá da caça e da fartura.
• Logunedé, orixá jovem da caça e da pesca
• Xangô, orixá do fogo e trovão, protetor da justiça.
• Ayrà, Usa branco, tem profundas ligações com Oxalá e com Xangô.
• Obaluaiyê, orixá das doenças epidérmicas e pragas, orixá da cura.
• Oxumaré, orixá da chuva e do arco-íris, o Dono das Cobras.
• Ossaim, orixá das Folhas sagradas, conhece o segredo de todas elas.
• Oyá ou Iansã, orixá feminino dos ventos, relâmpagos, tempestades, e do rio Níger
• Oxum, orixá feminino dos rios, do ouro, jogo de búzios, e protetora dos recém nascidos.
• Iemanjá, orixá feminino dos lagos, mares e fertilidade, mãe de muitos orixás.
• Nanã, orixá feminino dos pântanos e da morte, mãe de Obaluaiê.
• Yewá, orixá feminino do Rio Yewa, considerada a deusa da beleza, da adivinhação e da fertilidade.
• Obá, orixá feminino do Rio Oba, uma das esposas de Xangô, é a deusa do amor.
• Axabó, orixá feminino da família de Xangô
• Ibeji, divindade protetor dos gêmeos
• Irôco, orixá da árvore sagrada, (gameleira branca no Brasil).
• Egungun, Ancestral cultuado após a morte em Casas separadas dos Orixás.
• Iyami-Ajé, é a sacralização da figura materna, a grande mãe feiticeira.
• Onilé, orixá do culto de Egungun
• Onilê, orixá que carrega um saco nas costas e se apóia num cajado.
• Oxalá, orixá do Branco, da Paz, da Fé.
• OrixaNlá ou Obatalá, o mais respeitado, o pai de quase todos orixás, criador do mundo e dos corpos humanos.
• Ifá ou Orunmila-Ifa, Ifá é o porta-voz de Orunmila, orixá da adivinhação e do destino, ligado ao Merindilogun.
• Odudua, orixá também tido como criador do mundo, pai de Oranian e dos yoruba.
• Oranian, orixá filho mais novo de Odudua
• Baiani, orixá também chamado Dadá Ajaká
• Olokun, orixá divindade do mar
• Olossá, Orixá dos lagos e lagoas
• Oxalufon, Qualidade de Oxalá velho e sábio
• Oxaguian, Qualidade de Oxalá jovem e guerreiro
• Orixá Oko, orixá da agricultura

África

Na África cada orixá estava ligado a uma cidade ou a uma nação inteira; tratava-se de uma série de cultos regionais ou nacionais.
Sàngó em Oyo, Yemoja na região de Egbá, Iyewa em Egbado, Ogún em Ekiti e Ondo, Òsun em Ilesa, Osogbo e Ijebu Ode, Erinlé em Ilobu, Lógunnède em Ilesa, Otin em Inisa, Osàálà-Obàtálá em Ifé, Osàlúfon em Ifon e Òságiyan em Ejigbo.

A realização das cerimônias de adoração ao Òrìsá é assegurada pelos sacerdotes designados para tal em sua tribo ou cidade.


Brasil

No Brasil, existe uma divisão nos cultos: Ifá, Egungun, Orixá, Vodun e Nkisi, são separados pelo tipo de iniciação sacerdotal.

• O culto de Ifá só inicia Babalawos, não entram em transe.
• O culto aos Egungun só inicia Babaojés, não entram em transe.
• O Candomblé Ketu inicia Iaôs, entram em transe com Orixá.
• O Candomblé Jeje inicia Vodunsis, entram em transe com Vodun.
• O Candomblé Bantu inicia Muzenzas, entram em transe com Nkisi.

Em cada templo religioso são cultuados todos os orixás, diferenciando que nas casas grandes tem um quarto separado para cada Orixá, nas casas menores são cultuados em um único (quarto de santo) termo usado para designar o quarto onde são cultuados os orixás.

Alguns orixás são só assentados no templo para serem cultuados pela comunidade, exemplo: Odudua, Oranian, Olokun, Olossa, Baiani, Iyami-Ajé que não são iniciados Iaôs para esses orixás.

A Iyalorixá ou o Babalorixá são responsáveis pela iniciação dos Iaôs e pelo culto de todo e qualquer orixá assentado no templo, auxiliada pelas pessoas designadas para cada função. Exemplo o Babaojé que cuida da parte dos Eguns e Babalosaim que é o encarregado das folhas.

Apesar de serem de origem daomeana, Nanã, Obaluaiyê, Iroko, Oxumarê e Yewá, são cultuados nas casas de nação Ketu, mas são muito raros os Iaôs que são iniciados, houve casos de passar vinte ou trinta anos sem se iniciar ninguém para esses orixás que são cultuados em locais separados dos outros.

Existem orixás que já viveram na terra, como Xangô, Oyá, Ogun, Oxossi, viveram e morreram, os que fizeram parte da criação do mundo esses só vieram para criar o mundo e retiraram-se para o Orun, o caso de Obatalá, e outros chamados Orixá funfun (branco).

Existem orixás que são cultuados pela comunidade em árvores como é o caso de Iroko, Apaoká, os orixás individuais de cada pessoa que é uma parte do orixá em si e são a ligação da pessoa, iniciada com o orixá divinizado; ou seja, uma pessoa que é de Xangô, seu orixá individual, é uma parte daquele Xangô divinizado, com todas as características, ou arquétipos.

Existe muita discussão sobre o assunto: uns dizem que o orixá pessoal é uma manifestação de dentro para fora, do Eu de cada um ligado ao orixá divinizado, outros dizem ser uma incorporação mas é rejeitada por muitos membros do candomblé, justificam que nem o culto aos Egungun é de incorporação e sim de materialização. Espíritos (Eguns) são despachados (afastados) antes de toda cerimônia ou iniciação do candomblé.

Ver também

• Tabela Orixas-Voduns-Nkisis

 

Tabela Orixas-Voduns-Nkisis

Idioma

Tipo

África

Brasil

Cuba

Haiti

Mitologia Africana

Candomblé

Palo, Santeria

Vodou

Yorùbá

Òrìsà

Deus= Olodumare Olorun

Deus=Olodumare Olorum

Olodumare

Èsù/Elégbára

Exú/Elegbara

Eleggua

Ògún

Ogum

Oggun

Ogoun Ferraille

Òsóòsì

Oxóssi

Ochosi

Otin

Otin

Erinlè

Inlè-Ibualama

Inle

Lógunède, Lógún Ede

Logunedé

Sàngó

Xangô

Chango

Ogoun Shango

Obalúaiyé

Obaluaiyê

Babalu Aye

Òsùmàrè

Oxumaré

Ochumare

Aida Wedo

Òsanyìn

Ossaim

Osain

Ossange

Oya-Yánsàn

Oyá-Iansã

Oya

Ogoun-Djamsan

Òsun

Oxum

Ochun

Yemoja

Iemanjá

Yemaya

Nàná Buruku, Bùkùú

Nanã Buruku

Ananu

Nanan bouclou

Obà

Obá

Oba Nani

Yewa

Yewá, Euá, Ewá

Yewa

Axabó

Ayao

Ìbejì

Ibeji

Los Ibeyis

Marassas

Iroko

Iroko

Irocco

Egúngún

Egungun

Eggun

Onilé

Òsàla

Oxalá

Ochanla

Òrìsà-nla/Òbàtálá

Orixá-nlá/Obatalá

Obatala

Ogou-Batala

Òrúnmìlà-Ifá

Orunmila-Ifa

Orula

Odùduà/Oduduwa

Odudua

Oddua Aremu

Òrànmíyàn

Oranian

Bayanni

Obañeñe

Olóòkun

Olokun

Olokun

Olóssa

Olossa

Òrìsàlufan

Oxalufan

Òrìsàjiyán

Oxaguian

Ochagriña

Òrìsà Oko

Orixá Oko

Oricha Oko

Papa Zaka

Asowuano

Agallu

EwéFon

Vodun

Deus=Mawu

Deus=Mawu

Elégbá

Legba

Eleggua

Papa Legba

Lissá

Loko

Papa Loko

Gu

Ogou

Heviossô

Jebioso

Sakpatá

Sakpata Agroniga

Sagbata

Dan

Dambala

Bessém

Agbê

Agwe

Ayizan

Ayza

Agassu

Agué

Aguê

Aziri

Ezili

Fa

Angola-Congo

N’Kisi, M’Kisi

Vários nomes

Deus=Nzambi, Zambi

Aluvaiá

Bombo Njila

Pambu Njila

Vanjira

Nkosi

Roxi Mukumbe

Kabila

Mutalambô

Lambaranguange

Gongobira

Katendê

Nzazi

Loango

Kaviungo, Kavungo

Kafungê

Kingongo

Nsumbu

Hongolo

Kitembo, Tempo

Matamba

Bamburussenda

Nunvurucemavula

Nvumbe

Kisimbi

Samba_Nkisi

Ndanda Lunda

Kaitumbá

Kokueto

Zumbarandá

Nvunji

Lembá Dilê

Lembarenganga

Jakatamba

Kassuté Lembá

Gangaiobanda


{gallery}candomble/ketu1{/gallery}

Obtido em “http://pt.wikipedia.org/wiki/Tabela_Orixas-Voduns-Nkisis”
Categorias: Candomblé | Tabelas
Categoria oculta: !Esboços sobre religiões afro-brasileiras
Bibliografia
• VATIN, Xavier. Rites et musiques de possession à Bahia. Paris: L’Harmattan, 2005.
• VERGER, Pierre Fatumbi, Sobre os orixás e o candomblé na África.
• Orixás na visão de Carybé – Portal Robério de Ogum

 

Pesquisa de textos e seleção de imagens:
Carlos Eugênio Marcondes de Moura

Imagens obtidas em Google Imagens

Related posts