Descolonizar Mentes – por Joel Zito Araújo

Socializando um artigo que publiquei no O GLOBO sobre a ação de um juiz do Maranhão que tenta inviabilizar o edital do MinC para cultura negra.

Joel Zito Araújo – cineasta

Uma sociedade deve buscar medidas especiais para resolver suas desigualdades históricas profundas? O Congresso Brasileiro ao aprovar o Estatuto da Igualdade Racial considerou que sim. O STF, ao julgar como legítimauma política de cotas para a inclusão de negros, índios e estudantes oriundos da escola pública na universidade pública brasileira, também considerou que sim. 

Mas, um juiz de uma das regiões mais desiguais do país, o Estado do Maranhão, desconsidera estas conquistas recentes e tenta dar um passo atrás. É necessário refletir o quanto uma atitude como esta afeta o país como um todo, além de frustrar a enorme demanda reprimida de projetos afro-culturais que explodiu em mais de duas mil inscrições para o edital do MinC que este juiztenta inviabilizar.

Como desconsiderar que vivemos em um Brasil que tem uma representação audiovisual tão distorcida de si mesmo, onde um terço das telenovelas produzidas, em meio século de sua história, não trouxe nenhum negro, e só muito recentemente começamos a ver atores afrodescendentes incorporados como belos e como protagonistas?

Por que setores da sociedade brasileira, uma espécie de Brasil profundo e arcaico,recusam-se averque o país tem de transformar-se para manter-seno posto de uma das seis maiores economias do planeta, e para isso precisa criar ambientes de diversidade para preparar profissionais que irão representá-lo em suas necessidades globais de comércio e trocas diversas? 

Considero que o edital do MinC é uma das pedras fundamentais que estão ajudando a erguer um novo país. O MinC, muito além de assegurar que uns poucos milhões de reaispossam alimentar a nossa produção culturalcom narrativas diversasdo que estamos acostumados, irá ajudar a preparar quadros para o mercado audiovisual tão carente de profissionais afrodescendentes. 

Devemos aplaudir o MinC por buscar medidas positivas para assegurar algum equilíbrio diante de umaprodução audiovisual massiva que historicamente escolheu o segmento brancopara representar o ser humano, o luxo, a beleza e a inteligência.É hora de descolonizar nossas mentes. 

*Publicado no Jornal O Globo

Produtores culturais negros se reúnem em repúdio a decisão que suspendeu ditais para criadores negro

 

 

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Número de mulheres eleitas prefeitas no 1º turno aumenta 31,5% no país

Candidatas alcançaram posto em 663 cidades, mas apenas uma...

Em prédio novo, escola de SP não possui itens básicos para estudar.

Prédio novo também continha sobras de material de construção...

Jessé Souza: Escravidão é o que define sociedade brasileira

Reescrever a história dominante de que a corrupção é...

Mano Brown e Iceblue gravam com Fernando Haddad

por Walber Silva O candidato a prefeitura de São...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=