sábado, janeiro 15, 2022
InícioEm PautaDireitos Humanos nos EUA são questionados na ONU

Direitos Humanos nos EUA são questionados na ONU

Os Estados Unidos defenderam seu histórico nos direitos humanos nesta sexta-feira das críticas feitas por seus inimigos, incluindo Cuba e Irã, que pediram o fechamento da prisão de Guantánamo e a investigação da suposta tortura realizada por suas tropas no exterior.

Uma delegação norte-americana também ouviu os pedidos pelo fim da discriminação contra minorias e imigrantes e da suspensão da pena de morte.

O debate ocorreu no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, que está, aos poucos, reavaliando o desempenho de todos os 192 Estados-membros da ONU.

– Embora estejamos orgulhosos de nossas realizações, não estamos satisfeitos com o status quo. Continuaremos nosso trabalho para garantir que nossas leis sejam justas e implementadas de forma justa -, disse Michael Posner, secretário adjunto de Estado para a democracia, direitos humanos e trabalho dos EUA, no fórum de Genebra.

Mas diplomatas de países com problemas com os EUA – alguns dos quais fizeram fila à noite para estar entre os primeiros na lista para se pronunciar – criticaram a delegação norte-americana pelos supostos abusos.

O embaixador cubano Rodolfo Reyes Rodríguez falou primeiro, pedindo aos EUA que encerrem o bloqueio contra seu país e respeite o direito do povo cubano à autodeterminação.

O enviado da Venezuela, Germán Mundarain Hernández, disse que os EUA deveriam “fechar Guantánamo e centros de detenção secretos pelo mundo, punir aqueles que torturam ou executam detentos arbitrariamente, e oferecer compensação às vítimas.”

A delegação iraniana pediu aos Estados Unidos que “suspendam as graves violações aos direitos humanos e à lei humanitária, incluindo operações secretas no exterior realizadas pela CIA sob o pretexto de combater o terrorismo”.

Harold Koh, consultor jurídico do Departamento de Estado norte-americano, disse que o governo Obama havia começado a “virar a página” das práticas na era Bush e garantia integralmente o tratamento humano dos detentos.

– O presidente Obama deu ordens claras e inequívocas e continua comprometido com o fechamento da instalação de Guantánamo. Embora esse compromisso se mantenha, a tarefa é extremamente complexa -, disse Koh, ex-reitor da faculdade de Direito na Universidade de Yale.

Os Estados Unidos entregaram um relatório de 29 páginas ao fórum, de 47 membros, listando suas realizações e reconhecendo algumas limitações aos direitos humanos no país.

– Mas a liberdade de expressão, de reunião, pensamento, consciência e religião permanecem respeitadas vigorosamente -, disse Posner.

– Temos ampla proteção legal contra discriminação e na última metade de século fizemos progresso significativo para assegurar que a lei garanta oportunidades iguais para todos os americanos em áreas como educação, emprego, saúde e voto -, completou a autoridade estadunidense.

Fonte: Correio do Brasil

RELATED ARTICLES