Dúvida – Por: Mônica Francisco

Li em uma matéria veiculada por uma revista que circula aos Domingos sobre pessoas que estão deixando o Rio e até o Brasil, por conta do alto custo de vida e da transformação de cidade maravilhosa, cartão-postal, para se tornar a cidade de quem pode pagar por ela.

Assim, me pergunto como vamos estar daqui a pouco, uns 10 anos, não mais, nesse ritmo frenético de gentrificação tão agressiva? Então, peço a vocês, leitores, que me auxiliem em minha busca por respostas, pois eu realmente não sei mais nada, eu sei que alguma coisa mudou.

O que fazer com os pobres no Brasil?

O que fazer se na sua grande maioria os pobres do Brasil são negros, mestiços e descendentes de vítimas do tráfico de pessoas escravizadas com o abono institucional que vigorou em nosso chão?

O que fazer como os andarilhos, pessoas com sofrimento mental, sem teto, desafortunados, crianças abandonadas em situação de rua, pedintes, viciados em craque e álcool e outras tantas categorias de desvalidos concidadãos?

O que fazer com os jovens que não ocupam mais os bancos escolares, porque nós não fazemos nada para tornar a educação capaz de mantê-los ali e alçá-los ao patamar de possibilidades que todo e toda jovem deveria ter?

O que fazer com os mais de 20 milhões de brasileiros segundo o IPEA que estão sem moradia?

O que fazer com os analfabetos funcionais, com os jovens negros que têm quase quatro vezes mais de chances de morrer por morte violenta do que um jovem branco, em um país que diz não tolerar o racismo, ou melhor, de ser um país miscigenado, como se isso abonasse qualquer pecado?

O que fazer com as mulheres que ainda são alvo de violência por parte de homens, quer se relacionem com eles ou simplesmente estejam em um mesmo meio de transporte, e com consentimento de 26% da população?

O que fazer com um sistema prisional em colapso, e com uma população quase monocromática?

O que fazer com a ausência de um bom sistema de saúde, educação, transporte e segurança?

O que fazer com os órfãos das Cláudias, dos Amarildosdos tantos e tantas que este espaço se faria, e o é insuficiente? Afinal, 10 mil mortes em 10 anos é de arrepiar, como o agravante de que segundo a OAB, são mais os desaparecidos da democracia dos que os da ditadura.

O que fazer do Brasil?

O que fazer de nós, que não podemos sair estrategicamente e voltar depois quando tudo melhorar, como os nossos irmãos da matéria citada no início deste artigo?

Alguém pode me tirar esta dúvida enquanto ainda estamos vivos e “livres”?

“A nossa luta é todo dia e toda hora. Favela é cidade. Não à GENTRIFICAÇÃO ao RACISMO, ao RACISMO INSTITUCIONAL, ao VOTO OBRIGATÓRIO e à REMOÇÃO!”

*Representante da Rede de Instituições do Borel, Coordenadora do Grupo Arteiras e aluna da Licenciatura em Ciências Sociais pela UERJ.

Fonte: Jornal do Brasil

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos...

para lembrar

O orçamento 2012 de Obama é uma ferramenta da guerra de classe

Por Paul Craig Roberts O novo orçamento de Obama é...

Mãe Hilda é sepultada sob aplausos no Jardim da Saudade

Prefeito decreta três dias de luto oficial na cidade...

‘É um sonho jogado no lixo’, diz funcionário da Portela

Por: Thamine Leta Fogo na Cidade do Samba começou...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de famílias cristãs e heterossexuais" foi marca de destaque da convenção do Vox - Viva 24,...
-+=