Fome de ciência: a política de exclusão das mulheres negras na academia

Mulheres negras são as principais vítimas das desigualdades no ensino e na produção científica dentro da universidade

Ao pensar o tema do artigo passei por diversos questionamentos, pois temos fome de muitos direitos no Brasil. Fome de Justiça, de Educação, de Saúde, de Trabalho e tantos outros direitos que são retirados do povo negro, indígena, quilombola, das mulheres, jovens periféricos e demais pessoas que vivem marginalizadas. 

No entanto, um tema tem me acompanhado ultimamente. Uma questão que vez ou outra aparece através de perguntas. O que você vai fazer agora que terminou o doutorado? Quer ser professora? Vai continuar pesquisando? Perguntar seguidas de uma pressão por ter finalizado o maior nível de formação acadêmica. 

Com tudo, essas questões são logo respondidas quando vejo os dados sobre a participação de mulheres negras, pretas e pardas, na produção científica brasileira. Dados alarmantes que começam no acesso a uma graduação, pois segundo o Censo da Educação Superior de 2016, estima-se que apenas 10,4% das mulheres negras têm acesso ao ensino superior e menos 3% conseguem fazer parte das atividades de ensino e pesquisa nas instituições acadêmicas.

Na pós-graduação os dados pioram. De acordo com as informações da área de Tecnologia da Informação do CNPq, das bolsistas de doutorado-sanduíche vigentes no país, apenas 4,9% das mulheres negras são bolsistas, enquanto as brancas são 30,9% e não há nenhuma indígena beneficiada. 

Essa desigualdade permeia a caminhada das mulheres negras que, assim como eu, estão na busca por qualificação e melhores condições de vida. Apesar das mudanças recentes, com a ampliação das bolsas e editais que promovem o seu acesso, a participação dessas sujeitas sociais ainda é bastante desigual. 

Os obstáculos são grandes e só podem ser superados quando existem políticas de Estado que garantam o acesso às populações historicamente excluídas, a exemplo, as cotas nas Universidades, bolsas específicas para pessoas negras e o aumento de investimentos na ciência brasileira. 


*Luizete Vicente é militante do movimento negro, jornalista e doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). 

+ sobre o tema

Jovem caxiense consegue estágio na NASA: ‘Existe espaço pra meninas negras’

Astrônoma da UFRJ conseguiu bolsa de pesquisa e pretende...

A resposta para “se é para pegar uma mulher ‘bofinho’, porque não pega um homem?”

Essa pergunta tão comum oculta uma série de preconceitos...

Movimentos denunciam revista íntima vexatória em mulheres

Em protesto pelo Passe Livre, em 25 de outubro,...

Você votou e ja temos a primeira versão do aplicativo de combate a violência contra a mulher

Na última  sexta-feira, 22 de agosto, foi lançado a primeira...

para lembrar

‘Farol que se apaga’: assassinada, Tia Vera criou creche na periferia de SP 

Quando o caixão da líder comunitária Vera Lúcia da...

O desafio das mulheres visto por três das mais poderosas líderes do mundo

Hillary Clinton é a favorita para se tornar a...

“O futuro não está no Vale do Silício. Está na quebrada”

Monique Evelle é considerada uma das principais vozes do...

Na Disney, Adele aparece com o filho vestido de Princesa

Quase irreconhecível, Adele caprichou no disfarce para um dia...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=