Fome de ciência: a política de exclusão das mulheres negras na academia

Mulheres negras são as principais vítimas das desigualdades no ensino e na produção científica dentro da universidade

Ao pensar o tema do artigo passei por diversos questionamentos, pois temos fome de muitos direitos no Brasil. Fome de Justiça, de Educação, de Saúde, de Trabalho e tantos outros direitos que são retirados do povo negro, indígena, quilombola, das mulheres, jovens periféricos e demais pessoas que vivem marginalizadas. 

No entanto, um tema tem me acompanhado ultimamente. Uma questão que vez ou outra aparece através de perguntas. O que você vai fazer agora que terminou o doutorado? Quer ser professora? Vai continuar pesquisando? Perguntar seguidas de uma pressão por ter finalizado o maior nível de formação acadêmica. 

Com tudo, essas questões são logo respondidas quando vejo os dados sobre a participação de mulheres negras, pretas e pardas, na produção científica brasileira. Dados alarmantes que começam no acesso a uma graduação, pois segundo o Censo da Educação Superior de 2016, estima-se que apenas 10,4% das mulheres negras têm acesso ao ensino superior e menos 3% conseguem fazer parte das atividades de ensino e pesquisa nas instituições acadêmicas.

Na pós-graduação os dados pioram. De acordo com as informações da área de Tecnologia da Informação do CNPq, das bolsistas de doutorado-sanduíche vigentes no país, apenas 4,9% das mulheres negras são bolsistas, enquanto as brancas são 30,9% e não há nenhuma indígena beneficiada. 

Essa desigualdade permeia a caminhada das mulheres negras que, assim como eu, estão na busca por qualificação e melhores condições de vida. Apesar das mudanças recentes, com a ampliação das bolsas e editais que promovem o seu acesso, a participação dessas sujeitas sociais ainda é bastante desigual. 

Os obstáculos são grandes e só podem ser superados quando existem políticas de Estado que garantam o acesso às populações historicamente excluídas, a exemplo, as cotas nas Universidades, bolsas específicas para pessoas negras e o aumento de investimentos na ciência brasileira. 


*Luizete Vicente é militante do movimento negro, jornalista e doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Ceará (UFC). 

+ sobre o tema

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Mortes de mulheres negras aumentam 54% em dez anos

A violência contra as mulheres brancas diminuiu, mas contra...

“Queremos representatividade para além do comercial de xampu”

A blogueira Rosangela J. Silva é nossa primeira entrevistada...

Por que o ativismo das mulheres negras incomoda tanto?

Seja no mercado de trabalho ou cultura, a luta...

para lembrar

Como vencer o racismo na política e na ciência?

É justo dizer que a política e a ciência...

Como a ciência sustentou a ideia de inferioridade biológica da mulher

Entender como o ser humano se desenvolve no ventre...

Quinta pessoa é curada do HIV após transplante de células-tronco

Um homem de 53 anos da Alemanha foi curado...
spot_imgspot_img

Inteligência ficou cega de tanta informação?

Em 1543, Nicolau Copérnico publicou seu livro "De Revolutionibus Orbium Coelestium" (Da revolução das esferas celestes), apresentando a teoria do modelo heliocêntrico. Galileu Galilei...

Onde estão os cientistas negros?

"Mas se adotarmos cotas, corremos o risco de perder o aluno-padrão Unicamp." Eu ouvi essa frase em 2015, numa das palestras sobre ações afirmativas...

Entidades promovem encontro de afrocientistas em Brasília

Entidades promoveram neste fim de semana o 1° Encontro Nacional Afrocientista. O evento foi realizado na Universidade de Brasília (UnB) e reuniu cerca de...
-+=