Hoje na história, 10 de junho de 1940: morre Marcus Garvey, ativista jamaicano do movimento negro

Em 10 de junho de 1940, morreu o ativista jamaicano, Marcus Mosiah Garvey, líder de um dos maiores movimentos políticos negro da história.

Do Causa Operária

Marcus Garvey (Foto: PA/PA ARCHIVE)

Garvey era um nacionalista negro. Acreditava que a condição do negro não poderia ser resolvida sem a separação total da “raça” branca da negra. Era partidária e idealizador do movimento para os negros voltarem para África.

Apesar de sua teoria contraditória e confusa, de profunda influência religiosa, sua política influenciou uma série de ativistas negros na luta pela descolonização da África, contra as potências imperialistas europeias.

Sua participação na luta dos negros inciou com sua percepção, através de diversas viagens à trabalho, da péssima e miserável condição social dos negros na América Latina.

Tornou-se então ativista, publicando uma série de jornais e panfletos contra a exploração dos brancos, fazendo-o ser banido da Costa Rica, onde foi trabalhar como fiscal em plantações de banana na década de 1910.

Quando foi morar na Inglaterra, entrou em contato com as ideias pan-africanas, que pregavam a união do povo negro, e conheceu a obra de de Booker T. Washington, um dos principais teóricos e militantes do movimento negro da época.

Retornando à Jamaica, Garvey fundou a Associação Universal para o Progresso Negro (AUPN), organização de tipo nacionalista que pregava o desenvolvimento cultural, econômico e social dos negros, que deveriam ser governados por um governo deles mesmos. O lema “Um Deus! Uma aspiração! Um destino!” demonstra claramente o cunho religioso de sua ideologia.

Sua associação cresceu e atingiu milhares de filiais em mais de 40 países pelo mundo.

Entre 1918 e 1933, durante suas viagens pelos EUA, fundou em Harlem o semanário Negro World, que influenciou o movimento negro do país, sendo primordial no Renascimento do Harlem, que foi uma época de importante desenvolvimento da cultura negra norte-americana.

Morreu em 1940, após dois derrames, mas suas obras deixaram um legado importante para os líderes do movimento negro posterior, sendo a principal influência de Malcolm X e do próprio músico jamaicano Bob Marley.

+ sobre o tema

Rapper Yzalú lançará novo álbum. Confira!

O álbum completo sai, virtualmente, apenas no próximo dia...

A música e a literatura se entrecruzam no AuTORES EM CENA com Chico Cesar e Vitor Ramil

Sempre com curadoria do escritor Marcelino Freire, passaram 10...

Filme brasileiro ‘Besouro’ será exibido em Los Angeles

Eleito melhor filme no PAFF de 2011, o longa...

Frente Parlamentar Promoção da Igualdade Étnico-Racial

A deputada Leci Brandão convida todos e todas para...

para lembrar

Piaui: Entidade quer criação da coordenadoria de saúde para negros

O pedido está sendo oficializado na reunião do Conselho...

Sempre chorei por Michael Jackson

por: Solimar Carneiro - Chorei quando estava apaixonada por ele: eu...

Após dois anos suspensa, Rafaela Silva é ouro no Mundial de judô

Depois de longa suspensão por doping, a brasileira Rafaela...
spot_imgspot_img

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...
-+=