“Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem” Allan da Rosa lança livro sobre educação popular nas periferias de São Paulo

Após três anos e oito cursos, educador defende um movimento social educativo com a valorização da cultura negra nas escolas  

Por Igor Carvalho

Um dos cursos foi “Caminhos africanos, giros afrobrasileiros”, de novembro de 2009 (Foto: Divulgação)

 

 

“Pedagoginga, Autonomia e Mocambagem”, livro do educador, escritor, capoeirista e colunista deFórum, Allan da Rosa, será lançado na Ação Educativa, nesta quinta-feira (5), às 19h. A publicação traz uma reflexão do autor sobre os três anos em que desenvolveu e difundiu educação popular nas periferias de São Paulo, “focados na vivência negra de ontem, de hoje e a do futuro que fazemos”.

O livro tem curadoria da escritora e crítica literária Heloísa Buarque de Hollanda, que também assina o prefácio da publicação, que será distribuída pela Aeroplano Editora.

Allan apresenta, em seus cursos, o “ensino de história e de cultura de matriz afro, cultura que o povo negro pôs a rodar pela necessidade de sobrevivência”, mas que segue afastada da educação formal, nas escolas do país, apesar da Lei 10.639, que completa dez anos que surgiu com o intuito de modificar esse cenário.

A Lei 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que versa sobre o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana nas escolas, é uma conquista histórica, para Allan da Rosa. “É um 13 de maio. Foram séculos e décadas de pressão e construção autônoma do movimento negro, seja nos terreiros ou nas garagens, isso que fomentou o governo a assinar essa lei em 2003. Precisa funcionar, um dos motivos desse livro é esse, mas que ela não funcione apenas no contexto escolar, mas nas experiências autônomas nas periferias.”

Allan defende um “movimento social educativo”, calcado nas “nossas memórias, tradições e desejos” que vogue entre o “estético e o político”. Nesses moldes, o próprio educador construiu, durante três anos (2009-2012) oito cursos autônomos e 44 encontros. É justamente essa experiência que é relatada no livro.

Os cursos são descritos na publicação e Allan espera que encontre eco nos guetos brasileiros. “Que o livro firme o movimento de educação ao movimento cultural das periferias, que precisa ter mais reflexão e menos espetáculo.”

Serviço:

Local: Ação Educativa
Endereço: R. Gen. Jardim, 660 – Vila Buarque (Metrô República)
Data: 05 de setembro (quinta-feira)
Horário: 19h 

Local: Sarau do Binho, no Teatro Clariô
Endereço: 
Rua Santa Luzia, 96 – Taboão da Serra
Data: 
09 de setembro (segunda-feira)
Horário: 
20h

 

 

Fonte: Revista Fórum

+ sobre o tema

Grupo da FE discute relações étnico-raciais na educação

Na escola, nosso primeiro ambiente de convivência pública, construímos...

Enem: Mais de 4 mil participantes tinham acima de 60 anos

Entre os 3,3 milhões de estudantes que fizeram...

Piso salarial do magistério é constitucional, diz o STF

  O Supremo Tribunal Federal (STF) considera constitucional...

para lembrar

Candidatos a professores em SP têm de apresentar exames caros

Testes médicos exigidos de 12 mil candidatos custam mais...

Enem: AGU recorre de decisão da Justiça sobre segunda prova

A Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou nesta quinta-feira...

MEC divulga lista dos aprovados no Sisu

Com um dia de antecedência, o MEC (Ministério da...
spot_imgspot_img

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...

O que a proibição de livros nos diz sobre o futuro que nos aguarda

Reportagem da Agência Pública mostrou que existe um movimento coordenado para barrar a entrada de determinados livros no sistema prisional de Minas Gerais. Apenas títulos...
-+=