Qual é a sua

Por Fernanda Pompeu

Na metade dos anos 1960, no grupo escolar em que eu estudava, havia um garoto, o Ernani, que era malvisto. Motivo: seus pais eram desquitados. Hoje soa ridículo que uma criança sofra constrangimento pela razão de seus pais estarem separados.

Com imensa satisfação, a gente percebe que no tema família a fila não apenas andou. Ela correu! Se antes filhas e filhos de mães solteiras sentiam uma certa timidez em declarar tal condição, agora ostentam orgulho de suas mães guerreiras.

Aliás as mulheres estão na cabeça dessa revolução familiar. A Pnad (Pesquisa Nacional de Amostragem Familiar), que teve como base o ano de 2011, confirma que 37,4% das famílias brasileiras são chefiadas por mulheres. Há 16 anos, a porcentagem era de 20,81%.

Mas quem traz a maior novidade são as famílias homoafetivas. Tradução: famílias chefiadas por duas mulheres, ou por dois homens. Ou ainda tendo como parceiro um transexual. Sendo que alguns desses casais já conseguiram adotar crianças ou adolescentes.

Há também uma dança de papéis. Avós são mães. Avôs são pais. Mães são mães e pais. Alguns homens são pais e mães. Irmãs e irmãos são mães e pais de irmãs e irmãos menores. Tio, tia, prima, primo, vizinha. E até filhos e filhas viram pais e mães dos pais idosos.

É certo que a existência de diferentes modelos familiares nada tem de recente. Sempre existiram combinações variadas de afeto e cuidado. Filhos como o mesmo sangue, filhos com sangue outro. Casais com filhos, casais sem filhos. Casais com a mesma cor, casais com cores diferentes. Gente casada na igreja, gente casada no terreiro.

O que está fazendo a fila voar é a aceitação de que família vai muito além do modelito das propagandas de margarina: o homem, a mulher, o casal de filhos e o cachorro. O reconhecimento de que outros tipos de arranjo são legítimos e que a Justiça e a sociedade precisam incluí-los.
Isto é: reconhecer que todas as formas de família têm direitos iguais. Elas merecem benefícios previdenciários, trabalhistas, de herança. E, muito importante, elas têm direito ao respeito e à visibilidade. Se o Ernani estiver lendo isso, tenho certeza, está sorrindo.

 

 

Fonte: Yahoo

+ sobre o tema

“Angú Incubado” Por: Zulu Araujo

Para quem não sabe, Angu é uma comida típica...

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

para lembrar

ONU convoca brasileiros para combater o racismo

Os superlativos números da violência contra jovens negros no...

O cabelo dos meninos pretos – por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Algo de sinistro acontecia com os...

Pesquisa Sensus aponta empate entre Serra e Dilma

Pesquisa Sensus encomendada pelo Sintrapav (Sindicato dos Trabalhadores...

Paulo Paim: sim, é possível

Eu sempre penso o Brasil a partir de decisões...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=