quinta-feira, novembro 26, 2020

    Tag: Winnie Bueno

    WINNIE BUENO (Foto: Ricardo Jaeger)

    Uma perspectiva feminista negra para os direitos humanos

    A historiografia dos Direitos Humanos é marcada por uma série de ausências no que diz respeito a participação das comunidades internacionais que não estão inseridas no contexto do norte global. A inscrição de outras vivências e experiências no cânone acadêmico da teoria dos direitos humanos é recente, sendo a mesma marcada pela perspectiva decolonial, a qual possibilitou um profícuo debate que deslocou a homogeneidade eurocêntrica a respeito da construção histórica dos Direitos Humanos. O marco da construção de uma perspectiva decolonial da gramática do direito se dá a partir das experiências dos países localizados no que é denominado enquanto Terceiro Mundo, uma alternativa ao conceito de biopolítica, cuja a gênese e centralidade se localiza nos Estados Unidos e na Europa (MIGNOLO,2017). Contudo, mesmo dentro da perspectiva decolonial, há ausências de percepções que deem conta das contribuições que as mulheres negras no contexto da diáspora rouxeram para a produção teórica e ...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Letras Insubmissas de Uma Ativista Intelectual Negra

    Esse texto é uma tentativa de tentar reverenciar Sueli Carneiro de múltiplas formas, é o registro escrito da minha fala proferida no evento Reverenciando Sueli Carneiro promovido pela OAB-SP, organizado por Maria Sylvia Oliveira, presidenta de Geledés . São muitas as ativistas intelectuais negras que informam meu fazer acadêmico e político, entre elas, e com profundo destaque a dra. Sueli Carneiro, mulher pela qual nutro o mais profundo respeito, admiração, carinho e amor, mas que além disso é minha mentora intelectual desde o momento em que ingressei na universidade e na atuação nos movimentos sociais para além de acompanhar minha mãe nas reuniões do movimento social negro e nos movimentos de mulheres negras. Foi quando eu fui apresentada ao feminismo, no movimento estudantil da Universidade Federal de Pelotas, que Sueli se apresentou como referência acadêmica para mim. Nesse época, há mais de 15 anos, Sueli já era minha referência político-afetiva ...

    Leia mais

    Winnieteca usa leitura como ferramenta de combate ao racismo

    A casa de Winnie Bueno, de 31 anos, em Porto Alegre, sempre foi repleta de livros. Ela cresceu vendo a avó, que não chegou a completar o ensino fundamental, se jogar nos livros como forma de preencher a lacuna por não ter estudado. Por Vanessa Fajardo, do Ecoa Winnie Bueno, criadora da WinnietecaImagem: Marília Dias/Divulgação Na transição para adolescência, os livros viraram refúgio. "Na escola que eu estudava havia pouquíssimas crianças negras, me sentia isolada e ia para os livros. Passava muito tempo na biblioteca, tanto que minha festa de 15 anos foi dentro de uma. Tenho uma relação afetiva com os livros." A história da Winnieteca, chamada inicialmente de Tinder dos Livros, teve início em novembro de 2018 quando Winnie, vendo a repercussão no Twitter por conta do Dia da Consciência Negra, sugeriu em um post que as pessoas brancas que diziam ser antirracistas, fizessem ...

    Leia mais

    “Tinder de livros” conecta doadores e leitores por meio da tecnologia

    Em pouco mais de um ano, Projeto WinnieTeca já despachou cerca de mil exemplares Brasil afora No Época Negócios MIL CONEXÕES Winnie faz a ponte entre negros que precisam de livros e quem se dispõe a doar (Foto: Ricardo Jaeger) “Sabe o que seria legal no dia da Consciência Negra? Você, branco privilegiado que se diz antirracista, comprar um livro que um negro precisa e enviar para ele.” Era 20 de novembro de 2018. Nascia assim, com um post no Twitter, o projeto WinnieTeca. Idealizado pela gaúcha Winnie Bueno, 31 anos, a proposta é tão simples quanto genial — conecta quem precisa de um livro a quem se dispõe a doar. Uma espécie de “Tinder de livros”. Até o mês passado, o processo era manual. Com o apoio do Geledés Instituto da Mulher Negra e graças a uma parceria com o Twitter, o “match” agora está automatizado ...

    Leia mais

    ‘Tinder dos livros’ conecta leitores negros a doadores e mobiliza mais de mil títulos

    ‘Gerações de leitores criam gerações de escritores’, diz Winnie Bueno, idealizadora do projeto que completou 1 ano em novembro Por Giovanna Galvani, Da CartaCapital (Foto: Reprodução/ Twitter) “Tá todo mundo preocupado com o racismo, mas são poucas pessoas que têm ações para combatê-lo”. A fala é pesquisadora Winnie Bueno, e resume bem o que ela, em novembro de 2018, quis expressar ao criar o chamado Tinder dos Livros – que, nesta terça-feira 19, se concretizou como “Winnieteca” após uma parceria feita com o Twitter e com o Instituto Gelédes da Mulher Negra. A ideia do projeto é conectar pessoas negras que queiram um livro com quem está disposto à doá-lo. Segundo Winnie, a primeira provocação surgiu no intuito de cobrar mais prática e menos discurso quando se trata de antirracismo. “Você não doa o livro que está parado na sua casa, você doa o livro que ...

    Leia mais

    Winnie Bueno criou o ‘Tinder dos Livros’ para democratizar leitura entre negros

    Ela, como adianta a descrição do Twitter, conecta pessoas através de livros. Winnie Bueno funciona como um Exu que utiliza a inteligência tecnológica cunhada pela religião nascida em África e desenvolvida no Brasil para entregar livros a quem precisa. Por Kauê Vieira, do Hypeness Winnie Bieno (Foto: Camila Tuon) Bacharel em direito pela Universidade Federal de Pelotas, Winnie é criadora do ‘Tinder dos Livros’, uma comunidade que liga doadores com quem precisa de um livro, seja para passar no vestibular, conseguir uma sonhada vaga de emprego ou se informar sobre determinado assunto. O Hypeness conversou com a gaúcha de Pelotas sobre o projeto sucesso no Twitter. Feminista negra alinhada com o pensamento de nomes com Sueli Carneiro, ela conta que a ideia surgiu em um 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. “Eu sou bem ativa no Twitter e percebi que uma série de pessoas, especialmente ...

    Leia mais
    Tinder dos livros já intermediou a doação de 800 publicações para pessoas negras Foto: Arte de Paula Cruz

    Deu match: conheça a iniciativa que já doou 800 livros para pessoas negras

    Criado por Winnie Bueno, o Tinder dos Livros conecta quem precisa de livros a possíveis doadores Por Audryn Karolyne, no O Globo Tinder dos livros já intermediou a doação de 800 publicações para pessoas negras Foto: Arte de Paula Cruz Letícia Santos não conseguia escrever sua monografia quando chegaram pelo correio dois livros que já tinha perdido a esperança de ganhar: "Ensinando a transgredir", da filósofa americana bell hooks , e "A parábola dos talentos", ficção da também americana Octavia Blutler, são frutos da iniciativa Tinder dos Livros , que corre no Twitter e foi criada pela doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Winnie Bueno . Apesar do nome, o projeto funciona de um jeito diferente do aplicativo de paquera. Aqui, pessoas que estejam interessadas em doar livros procuram Winnie via mensagem direta no Twitter @winniebueno. Quando surge uma outra ...

    Leia mais
    A doutoranda em sociologia da UFRGS Winnie Bueno criou um projeto que permite doação de livros para universitários negros Imagem: Josemar Afrovulto/Acervo pessoal

    Ela usa o Twitter para dar ‘match’ entre alunos negros e doadores de livros

    Ao acompanhar as manifestações nas redes sociais embaladas pelo dia da Consciência Negra, em 20 de novembro do ano passado, a gaúcha Winnie Bueno, 31, decidiu publicar em seu Twitter uma proposta de ação prática para quem quisesse contribuir com a redução da desigualdade racial no Brasil. Por Cristiane Capuchinho, do Tilt A doutoranda em sociologia da UFRGS Winnie Bueno criou um projeto que permite doação de livros para universitários negros Imagem: Josemar Afrovulto/Acervo pessoal "Tinha um número importante de pessoas que se diziam dispostas a combater o racismo. Sugeri que as pessoas tivessem um gesto antirracista como, por exemplo, o de doar um livro para uma pessoa preta que precisa de um livro. E para minha surpresa, tinha umas quinze pessoas dizendo que se colocavam à disposição para doar", conta Winnie. Sabe o que seria legal no dia da consciência negra ? Você, branco privilegiado ...

    Leia mais

    Repensando a Interseccionalidade

    Esse breve texto é organizado a partir do pensamento de três intelectuais negras que são fundamentais para a construção do meu conhecimento: Patricia Hill Collins, Sueli Carneiro e Luiza Bairros. Por Winnie Bueno, do Medium    Patricia Hill Collins (Foto: Evelson de Freitas/MEDIUM) Patricia Hill Collins é a intelectual cujo o pensamento eu estudo com afinco já há três anos, sendo que sua principal obra foi objeto de estudo do meu mestrado. A partir do estudo da obra de Patricia Hill Collins minhas teorizações a respeito do feminismo se complexificaram e intensificaram. Os conceitos estabelecidos por essa autora me instigaram a tensionar ainda mais algumas questões que pareciam estanques na teoria feminista, aliás, parte significativa dos esforços em problematizar o conceito de interseccionalidade parte do pensamento de Collins, o qual ainda é meu alvo de estudo e sistematização. Sueli Carneiro (Foto: Caroline ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist