A Alemanha quer adotar cotas para mulheres nas empresas

O Governo alemão busca aprovar uma lei para garantir que as mulheres ocupem 30% dos postos nas principais empresas

Por: ENRIQUE MÜLLER

A cota feminina obrigatória  foi um tema que mereceu apenas uma menção no acordo que tornou possível a formação do novo governo de coalizão, mas o tema ganhou importância nas últimas seis semanas na Alemanha. Tanto que a chanceler Angela Merkel utilizou nesta quarta-feira a principal tribuna política do país para anunciar que seu governo legislará para fazer possível que, a partir de 2016, seja instituída uma cota feminina na direção das grandes empresas alemães.

Merkel justificou a medida com uma frase que será lembrada, para bem ou para mal, pelo mundo empresarial alemão. “Uma economia social de mercado precisa de grande competitividade e por nossa experiência sabemos que essa competitividade é maior quando homens e mulheres têm as mesmas oportunidades”, disse a chanceler no Bundestag. “Por isso estabeleceremos para todos os conselhos de superintendência e de administração de voto obrigatório e das empresas listadas em Bolsa uma quota feminina de ao menos 30%”.

O anúncio de Merkel surpreendeu o seu partido e o mundo empresarial por uma razão bastante simples: ela nunca havia se manifestado a favor de uma cota feminina obrigatória e, em contrapartida,  se mostrava a favor do diálogo com a direção das empresas. Merkel usou, por exemplo, todo o poder que tem em suas mãos para impedir na legislatura passada uma iniciativa de sua ministra de Trabalho, Ursula von der Leyen, que havia proposto uma cota feminina de 20% a partir de 2018.

Mas o novo governo de grande coalizão obrigou Merkel a mudar de atitude. Há alguns dias, a nova ministra da Família, a social-democrata Manuela Schwesig, disse que seu ministério estava trabalhando na redação de uma lei de cotas femininas nas grandes empresas alemãs.

A ministra sugeriu que a cota devia ser válida nas direções de pelo menos 2.600 grandes empresas e anunciou que a lei deveria ficar aprovada no curso este ano, entrando em vigor em 2015. Mas advertiu que o percentual de 30% será obrigatório só para 120 empresas que estão listadas na Bolsa.

 

 

Fonte: El Pais 

+ sobre o tema

Desafios para a III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Está em curso em todo país movimentações com...

Feministas organizam protesto em São Paulo contra Estatuto do Nascituro

Manifestação será no sábado, 15 de junho, às 13h,...

Síndrome de Cirilo e a solidão da mulher negra – por Mabia Barros

O post é na esteira do Dia dos Namorados...

Ciência, tecnologia e inovação afrodescendente

Ter colaborado para a formação de 120 docentes...

para lembrar

Emma Watson doa 1 milhão de libras para vítimas de assédio

LONDRES, 18 FEV (ANSA) – A atriz e ativista...

Nos EUA, desigualdade de gênero custa US$ 480 mil ao longo da carreira

WASHINGTON - Uma organização sem fins lucrativos dos EUA...

Licença-maternidade de 180 dias é aprovada em comissão do Senado

Proposta que segue para votação na Câmara dos Deputados...

LEI Nº 12.015 – Nova Lei do Estupro

  Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=