A história de Maria Filipa, mulher negra que lutou contra colonizadores na Bahia e quase foi apagada da história

Enviado por / FonteG1, por Globo Repórter

Foi o pesquisador Felipe Peixoto Brito, estudando profundamente os arquivos da história nacional, que conseguiu confirmar a existência de Maria Filipa, uma guerreira do povo.

O Globo Repórter desembarcou na Ilha de Itaparica para falar com especialistas e conhecer melhor a história de Maria Filipa, mulher negra que lutou contra colonizadores portugueses na Bahia e quase foi apagada da história.

Os soldados que estão nos registros contra os colonizadores na Bahia eram militares ou comerciantes favoráveis a expulsão dos portugueses. O nome de Maria Filipa não aparece nesses registros.

Mulher negra e forte, enfrentou os invasores, e foi inspiração para que outras mulheres entrassem na luta.

Durante muito tempo, ela foi considerada uma invenção popular. Foi Felipe Peixoto Brito, estudando profundamente os arquivos da história nacional, que conseguiu confirmar a existência de Maria Filipa, uma guerreira do povo.

“No arquivo público da Bahia tem um documento depositado lá que é um processo judicial, onde uma mulher negra, da Ilha de Itaparica, aparece 12 anos depois da guerra da independência defendendo os seus diretos na justiça, mobilizando a sociedade itaparicana, juízes, promotores e procuradores para defendê-la num caso, onde um homem teria agredido sua filha e ela, prontamente, agrediu esse homem”, explica o pesquisador.

“Esse é só um dos registros que a gente já encontrou sobre ela. Há outros registros de batismo. Mas o que fica claro é que existem, sim, documentos sobre Maria Filipa. Faltou um pouco mais de interesse em buscá-los”, completa.

A professora e atriz, Ana Cláudia Souza, que interpreta Maria Filipa nas comemorações da independência, fala sobre o legado de Filipa.

“Vejo Maria Filipa representando todas as Marias e Itaparica, todas as marisqueiras, todas as mães. Amo fazer esse personagem”, conta.

+ sobre o tema

O aborto na vida de um homem

Lembro bem a cena, muitos anos depois. Em geral,...

Cantora Luedji Luna é indicada 3 vezes ao Prêmio Caymmi de Música!

Um corpo no mundo! Dentre as indicações da segunda...

Mulheres que atuam no agronegócio representam 40% do segmento

Recente pesquisa realizada pela ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio)...

Câmara aprova registro de violência contra a mulher em prontuário médico

Os deputados aprovaram hoje (20) projeto de lei que...

para lembrar

Estudante relata estupro dentro da estação Sacomã do Metrô de SP

Jovem de 18 anos contou ter sido atacada na...

Feministas comemoram escolha de nova ministra das Mulheres

Companheiras de cadeia. Dilma, Eleonora, Guiomar, Cida e Rose...

Severinas: as novas mulheres do sertão

Titulares do Bolsa Família, as sertanejas estão começando a...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=