A internet é vitrine onde a classe C se mostra e quer ser vista

Renato Meirelles: 17% acham que mal vestidos deveriam ser barrados

por Luiz Carlos Azenha

Quem faz a cabeça da classe C, ou das assim chamadas novas classes médias?

Segundo Renato Meirelles, do Datapopular, os amigos, muito mais que a Globo ou outras emissoras de TV.

O pesquisador participou do seminário sobre o Mercado Futuro da Comunicação, promovido pela AlterCOM (Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores da Comunicação), e surpreendeu a plateia com os resultados das pesquisas que faz.

Meirelles constatou, por exemplo, que as pessoas das classes A e B ainda têm certa dificuldade de lidar com a ascensão social alheia. Num levantamento em que foram ouvidas 18.365 pessoas, algumas das respostas que surpreenderam, de acordo com um slide apresentado por ele:

Para 55,3% dos entrevistados, os produtos deveriam ter versões para ricos e para pobres;

48,4% acham que a qualidade dos serviços piorou com o maior acesso da população;

62,8% se incomodam com o aumento das filas originados pela ampliação do acesso;

49,7% preferem ambientes com pessoas do mesmo nível social;

17,1% acham que todos os lugares deveriam ter elevadores separados (para ricos e pobres);

26,4% acham que metrô aumenta o número de pessoas indesejáveis na região;

17,1% consideram que pessoas mal vestidas deveriam ser barradas em certos lugares.

Isso explica, em parte, a preocupação com a “gente diferenciada”, que invadiria o Higienópolis se uma estação de metrô fosse construída no bairro.

O Datapopular calcula que as novas classes médias representam um mercado de 1 trilhão de reais.

Meirelles divide a classe C em duas turmas:

C1, para os que têm renda individual entre R$ 770,50 e 1.249,99 mensais.

C2, entre R$ 291,00 e 770,49 mensais.

De acordo com os números apresentados por Meirelles, a classe C não reproduz o padrão das classes A e B e prefere produtos nacionais aos importados (nacionais preferidos por 62% na classe C, 25% nas classes A e B).

Pesquisar preço é um hábito comum (88% dos entrevistados da classe C o fazem), mas adotado pela minoria nas classes A e B (44%).

Em termos de consumo, a propaganda mais eficaz nas novas classes médias é feita no boca-a-boca (65%), o que já não funciona tanto na classe A (19%). Meirelles atribui isso às redes de solidariedade que se formam especialmente entre amigos e vizinhos.

Outro dado interessante, obtido a partir da pesquisa de hábitos de compra: a elite compra mais produtos “vagabundos” que a classe C. Meirelles atribui isso ao fato de que, no supermercado, quem tem mais dinheiro não se preocupa tanto com a qualidade de produtos que não vai usar diretamente, como os de limpeza, comprados para uso das empregadas domésticas.

Com a classe C ascendem também os negros, que assumem um novo papel de protagonismo econômico (representam, hoje, um mercado de 673 bilhões de reais).

Na classe A, em cada 100 reais gastos pela família, os jovens são responsáveis por 11.

Na classe C, em cada 100 reais gastos pela família, os jovens são responsáveis por 53.

Na classe A, só 10% dos filhos têm mais educação formal que os pais.

Na classe C, 68%.

Por conta da maior taxa de fertilidade, há mais jovens na classe C. Relativamente aos pais, gastam mais e estudam mais. Portanto, têm um papel social mais relevante dentro da família.

O conjunto de dados indica, segundo Renato Meirelles, que os jovens, as mulheres e os negros são os novos protagonistas no cenário econômico e político do Brasil.

Onde é que eles se informam?

Mais na internet do que na TV aberta.

No passado, lembrou Meirelles, se dizia que a TV era a janela para o mundo. A internet é vitrine. Onde a classe C se mostra e quer ser vista.

O Datapopular vai divulgar um estudo em fevereiro demonstrando que a universalização da banda larga teria um papel tão importante quanto a do ensino fundamental para as novas classes médias.

Frase de Renato Meirelles a partir dos dados sobre as novas classes médias e a internet: “A manipulação da edição do debate eleitoral de 1989 (entre Fernando Collor e Lula, pela Globo) seria impossível hoje”.

Fonte: Viomundo

+ sobre o tema

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Campos planejava estratégia nacional de combate a homicídios

Bruno Paes Manso Durante seu governo, Recife chegou à taxa...

Programado para estragar

Projetar aparelhos com defeitos e peças pouco duráveis para...

Rumos Itaú Cultural encerra inscrições nesta sexta-feira, dia 18/10/2019

Última semana para se inscrever no Rumos Itaú Cultural...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...
-+=