Alagoas planeja escolas móveis para evitar perda de ano letivo após enchentes; 12 mil estão sem aula

Por: Carlos Madeiro

 

Com 12 mil alunos da rede estadual sem escolas por causa da destruição causada pelas enchentes de junho, a Secretaria de Estado da Educação de Alagoas planeja montar escolas móveis nas cidades atingidas. Outra medida estudada é a transferência de alunos das localidades mais atingidas para outros municipios.

Um relatório produzido pelo órgão aponta que cinco escolas foram totalmente destruídas, enquanto outras 12 foram bastante danificadas e estão interditadas. “O Estado solicitou ao Ministério da Educação a construção de 20 novas escolas. Essas três a mais já são para que possamos atender áreas que vão receber novas casas”, explicou o secretário de Estado da Educaçao, Rogério Teófilo. Além dessas escolas, outras dezenas estão ocupadas por desabrigados.

 

Nesta quarta-feira (14) teve início a chamada pública escolar em seis das 19 cidades afetadas pelas enchentes. Pais e alunos devem comparecer para apresentar os dados dos estudantes. Assim, a secretaria pretende providenciar os documentos escolares perdidos com as enchentes. “Tivemos muitas escolas que perderam tudo, inclusive provas, notas. E vamos tentar recuperar isso”, disse.

 

Mesmo diante dos problemas, o secretário afirma que o Estado fará “o possível e o impossível” para garantir que o ano letivo dos alunos dessas cidades não seja perdido. “Nós vamos aguardar prioritariamente a montagem das barracas para que as escolas que estão com desabrigados sejam desocupadas e possamos analisar se, com a criação de turnos intermediários, podemos remanejar os alunos das escolas destruídas ou danificadas”, explicou.

 

Segundo ele, um projeto para montagem de escolas móveis já está pronto para o caso da falta de prédios para abrigar alunos. “Nós já temos um preço médio, mas preferimos aguardar essa desocupação. Cada município é um caso diferente e não há soluções de uma forma linear. Teremos municípios que vão terminar o ano letivo antes de outros, alguns vão recomeçar antes de outros. O que é certo é que vamos garantir o ano letivo, nem que removamos os alunos. O MEC garantiu que nos dará tudo que for necessário para isso”, disse, sem revelar custos.

 

O relatório da secretaria com o número de alunos da rede municipal afetados pelas enchentes ainda não foi concluído, mas deve ser apresentado até a próxima segunda-feira pelas prefeituras e enviado ao MEC. “O prejuízo somente na rede estadual foi de R$ 34 milhões”, informou o secretário.

 

Além de garantir prédios para as aulas, o Estado ainda tem outras preocupações. Uma delas é que boa parte dos alunos perderam os livros e o material escolar. “Não adianta de nada ter o aluno na escola se ele não tem com o que estudar. É preciso que esses alunos nos passem esses dados para que possamos providenciar. Solicitaremos novos livros a outros Estados”, disse Teófilo..

 

 

Fonte: UOL

+ sobre o tema

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público...

para lembrar

Sérgio Vaz: Quem grita somos nós

Poeta e fundador da Cooperifa escreve poema sobre as...

Fernando Henrique Cardoso precisa de amigos

Isso é FHC. A exigência egóica de ser ...

Mais de 200 mil brasileiros encontraram trabalho no Brasil em setembro

A economia brasileira criou 246.875 postos de trabalho...

Socrates – Alguns sonham, outros não

"Eu tenho um sonho." Essa frase praticamente define a...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014. O ano era de eleição presidencial, e Neca, como é conhecida, integrava o núcleo duro...

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da categoria é maior entre negros e mulheres, segundo levantamento da OAB (Ordem de Advogados do Brasil) que...
-+=