quarta-feira, julho 6, 2022
InícioEm PautaAs lutas por Direitos foi eleita 'personalidade do ano' pela revista Time

As lutas por Direitos foi eleita ‘personalidade do ano’ pela revista Time

NOVA YORK (AFP) – A figura do “manifestante” foi escolhida como a “personalidade do ano” pela revista americana Time, em um reconhecimento às pessoas de todo o mundo, em particular do Oriente Médio e norte da África, que saíram às ruas para lutar por seus direitos.

“Da Primavera Árabe a Atenas, do ‘Ocupem Wall Street’ a Moscou”, afirma a revista na capa, que mostra um jovem com a metade inferior do rosto coberta por um lenço.

O editor da revista, Richard Stengel, que anunciou a escolha no programa “Today show” do canal NBC, explicou que a decisão homenageia “os homens e as mulheres de todo o mundo, em particular do Oriente Médio, que derrubaram governos e levaram um sentido de democracia e dignidade às pessoas que antes não os tinham”.

“Estas são as pessoas que já estão mudando a história e que mudarão a história no futuro”, completou Stengel.

“Pensávamos que estes ditadores nunca seriam derrubados. E então estas pessoas arriscaram suas vidas, arriscaram suas casas, sua sobrevivência, para sair às ruas e provocar uma mudança que ninguém esperava. É realmente algo transformador e acredito que está mudando o mundo para melhor”, insistiu.

O ano de 2011 foi marcado pelos ventos de mudança procedentes do norte da África, onde manifestações populares para derrubar os regimes começaram na Tunísia e atingiram Egito, Líbia, Síria e Iêmen.

Os protestos, que terminaram muitas vezes em um banho de sangue, serviram de inspiração para pessoas frustradas na Europa e Estados Unidos com o crescente desemprego, o caos financeiro e a incapacidade dos governos para encontrar soluções à crise iniciada em 2008.

“Há um contágio de protestos. Porque o Irã antecipou o que aconteceria no mundo árabe e o que aconteceu no mundo árabe influenciou o ‘Ocupem Wall Street’, o ‘Ocupem Oakland’ e os protestos na Grécia e em Madri”, disse.

Entre os finalistas deste ano estavam Kate Middleton, esposa do príncipe William da Inglaterra, e o almirante William McRaven, comandante do grupo SEAL dos marines americanos que matou Osama bin Laden em uma operação no Paquistão em maio.

Também foi citado o nome de Steve Jobs, um dos fundadores da Apple e cuja morte provocou comoção em todo o mundo, mas o nome foi descartado, já que este não foi o ano em que transformou a indústria tecnológica, disse Stengel.

Em 2010, a Time selecionou como “personalidade do ano” o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, que na época, com 26 anos, tornou-se o segundo mais jovem da história a receber a homenagem, atrás apenas do aviador americano Charles Lindbergh, personalidade do ano em 1927, quando tinha 25 anos.

A designação de “personalidade do ano” é uma tradição anual da revista Time desde 1927. A figura eleita ocupa a capa da edição de fim de ano da revista.

Fonte: Carta Capital

Artigos Relacionados
-+=