Bolsa-enchente de Kassab não garante nova moradia

Moradores do Jardim Pantanal dizem que não conseguem imóvel para alugar por R$ 300

Subprefeito afirma que valores do aluguel subiram na região após o anúncio do benefício; “o jeito é procurar mais longe”, afirma ele

Solange Ferreira Bispo, 38, é diarista. Mulher de Nelson, doente psiquiátrico, cabe a ela conseguir os R$ 200 mensais que sustentam a família de sete pessoas. A filha de 15 anos está grávida -em um mês serão 8 pessoas. Faz uma semana que Solange não vai ao trabalho. Em vez disso, bate pernas no Jardim Pantanal. O objetivo: encontrar uma casa para alugar por R$ 300. Não acha.

“Família grande, crianças pequenas, sem renda, sem carteira assinada. Ninguém aceita”, Solange admite.

A casa atual da diarista tem quatro cômodos. Fica na viela Aimoré, no meio da qual corre um afluente do rio Tietê. As fortes chuvas que atingem a zona leste de São Paulo fizeram o córrego engordar e invadir casas. Funcionários da prefeitura percorrem todos os dias o local, tentando convencer as famílias a sair de lá, em troca do que chamam de “auxílio aluguel” de R$ 300 mensais. Solange até queria pôr as mãos no cheque de R$ 2.000 (seis meses de R$ 300, mais R$ 200 de mudança). Mas não dá.

Na várzea do Tietê conhecida por Jardim Pantanal, prefeitura e governo do Estado querem criar um parque onde hoje há casas e, assim, diz-se, resolver o drama das enchentes.

Segundo o subprefeito de São Miguel, Milton Persoli, cerca de 500 famílias já teriam concordado em deixar suas casas -300 foram para conjuntos habitacionais; 200 aceitaram receber o bolsa-enchente.

“O problema é que aconteceu uma inflação miserável. Com muita gente procurando casa para alugar, o quarto e cozinha que custava R$ 250 agora não sai por menos de R$ 400”, diz o proprietário de uma imobiliária do bairro.

Segundo Persoli, os R$ 300 foram fixados com base em pesquisa de preços na região. Ele mesmo admite, contudo, que os valores do aluguel subiram: “O jeito é as famílias procurarem mais longe.”

Avisado pela prefeitura de que não poderia continuar em sua casa, o pedreiro Silvio Varotto, 42, saiu em busca de outra para alugar. Hoje, ele vive com a mulher e três filhos em uma construção com dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço na viela dos Peixes (inundada de água fétida).

Até achou. “Peguei o cheque da prefeitura e fui fechar o contrato com a proprietária. Mas foi só eu dizer que o dinheiro viria do bolsa-aluguel e a mulher disse que um parente ia ocupar o imóvel. Descobri que ninguém confia em que a prefeitura vá continuar pagando depois do primeiro cheque.” O subprefeito garante que pagará “até quando for necessário”.

No Jardim Noêmia, Neuza Aguiar dos Santos conseguiu mudar-se com as duas filhas para a casa de um tio. “Só ele topou a insegurança da situação.”

Segundo o líder comunitário Cristóvão de Oliveira, 47, principal liderança comunitária da Chácara Três Meninas, outro bairro do Jardim Pantanal, o bolsa-enchente é uma esmola que não resolve o problema de moradia. “Como é possível pretender que as pessoas larguem suas casas em troca de um cheque de R$ 2.000 e de uma declaração de intenções?”

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

para lembrar

O analfabeto 
funcional

Por Braulio Tavares As próprias palavras são o detalhe essencial:...

Marina: Sem conexão

Por: Hugo Marques e Fabiana Guedes A estratégia de...

Ipea terá guinada progressista com futuro presidente

Sociólogo Jessé de Souza vê desigualdade social como problema...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos Sinos, a casa onde mora Ana Carolina Dutra da Silva, em São Leopoldo (RS), tem...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...
-+=