Brasil completa 122 anos de Lei Áurea sem acabar com trabalho escravo

O Brasil celebra nesta quinta-feira (13) 122 anos da Lei Áurea, que libertou os escravos e proibiu o trabalho forçado em território nacional. No entanto, o país ainda tem um longo caminho a percorrer para, efetivamente, eliminar esse problema. Apesar de os esforços do governo brasileiro já terem sido citados pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) como exemplo mundial, a cada ano milhares de novos trabalhadores são encontrados em condição semelhante à escravidão (ver tabela abaixo) por todo o país.

Não há, entretanto, um número exato da quantidade de pessoas nessa situação no Brasil. Em 2003, a Pastoral da Terra calculou que cerca de 25 mil pessoas eram submetidas a trabalho forçado no campo. No entanto, esse número pode ser muito maior, segundo o cientista político e coordenador da Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto.

– Já teve estimativa de 40 mil, mas esse número pode ser 200 mil ou mais, não dá para falar. É a mesma coisa de querer estimar quantos traficantes existem no país.

Para o professor de história do Brasil Pedro Puntoni, o problema começou na forma com que a abolição foi feita, em 1888. Segundo ele, os escravos foram “largados”, sem qualquer forma de integração na sociedade.

– A abolição, tal como ela foi feita, não incluiu a população negra. Não foi feita uma política de incorporação na sociedade que estava se formando. O preconceito já estava arraigado nas pessoas e isso é uma questão problemática até hoje.

Mas Puntoni acredita que o 13 de maio é uma data importante por representar o momento em que Estado deixou de reconhecer a propriedade do escravo.

– No século 19, a escravidão era um fator jurídico, a propriedade de seres humanos era uma coisa legal. Em 1888 o Estado deixou de reconhecer esse tipo de propriedade e isso é um fator importante.

Lista suja

Em 2004, o Ministério do Trabalho instituiu o cadastro com os nomes de empregadores e empresas flagrados com trabalho escravo, que ficou conhecido como “lista suja”. Para Sakamoto, essa foi uma medida muito eficaz no combate à escravidão.

– Empresas privadas e públicas que são signatárias do pacto pela erradicação do trabalho escravo boicotam produtos oriundos dessas fazendas [presente da lista suja] e elas ficam com a imagem prejudicada no comércio internacional.

Apesar dos avanços na legislação e na fiscalização brasileira, Sakamoto reconhece que o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para acabar com a escravidão. Mas afirma que não é uma meta inatingível.

– A escravidão contemporânea está assentada sobre um tripé: impunidade, ganância e pobreza. Se as políticas públicas conseguirem atacar essas três coisas, conseguiremos erradicar o trabalho forçado. É preciso muita vontade política e coragem para enfrentar grupos fortes no congresso.

 

Definição

Segundo a OIT, trabalho escravo se configura pelo atividade degradante aliada ao cerceamento da liberdade. A primeira vez que o governo brasileiro reconheceu a existência dessa realidade no país foi em 1995, quando grupos móveis de fiscalização do Ministério do Trabalho começaram a libertar trabalhadores. Desde então, quase 1.000 operações foram realizadas e 36.759 trabalhadores foram resgatados.

 

Colaborou Érica Saboya, estagiária do R7

 

Comparação entre nova escravidão e o antigo sistema
Brasil antiga escravidão nova escravidão
propriedade legal permitida

proibida

custo de aquisição de mão-de-obra alto. a riqueza de uma pessoa podia ser medida pela quantidade de escravos muito baixo. não há compra e, muitas vezes, gasta-se apenas o transporte
lucros baixos. havia custos com a manutenção dos escravos altos. se alguém fica doente pode ser mandado embora, sem nenhum direito
mão-de-obra escassa. dependia de tráfico negreiro, prisão de índios ou reprodução. bales afirma que, em 1850, um escravo era vendido por uma quantia equivalente a r$ 120 mil descartável. um grande contingente de trabalhadores desempregados. um homem foi levado por um gato por r$ 150,00 em eldorado dos carajás, sul do Pará
relacionamento longo período. a vida inteira do escravo e até de seus descendentes curto período. terminado o serviço, não é mais necessário prover o sustento
diferenças étnicas relevantes para a escravização pouco relevantes. qualquer pessoa pobre e miserável são os que se tornam escravos, independente da cor da pele
manutenção da ordem ameaças, violência psicológica, coerção física, punições exemplares e até assassinatos ameaças, violência psicológica, coerção física, punições exemplares e até assassinatos

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Ensino de história e cultura Afro-Brasileira é tema do ‘I Seminário de Promoção da Igualdade Racial’

Seminário contou com a realização de palestras, apresentações culturais...

Kabengele Munanga – Trajetória TV USP – parte 1 e 2

Trajetória é um programa da TV USP sobre a...

Conselho Tutelar e as Modificações proporcionadas pela lei n. 12.696/2012

Luiz Antonio Miguel Ferreira Com a vigência da Lei n....

para lembrar

Vereador diz que professores são inúteis e causa polêmica em SP

Críticas foram publicadas na internet. Segundo a polícia, vereador...

EMEI Guia Lopes pichada por neonazistas combate o racismo com valorização da cultura negra

Revelar a dimensão e a significativa influência das raízes...

Inscrições para o Sisu terminam nesta quinta-feira

Os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino...

SP: professor é preso suspeito de vender drogas a alunos

Um professor de português da rede pública de ensino...
spot_imgspot_img

Geledés participa de audiência sobre Educação das meninas e mulheres negras na Câmara dos Deputados

Geledés – Instituto da Mulher Negra participou, nesta quinta-feira 21, de audiência da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, em Brasília, da qual...

Unilab, universidade pública mais preta do Brasil, pede ajuda e atenção

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) surgiu com a proposta de fazer a integração de alunos de países africanos de língua...

Cotas, sozinhas, não acabam com a desigualdade

Há uma demanda crescente para que as universidades de alto prestígio (ou de elite) aumentem a diversidade étnico-racial e socioeconômica de seus alunos. Nessa...
-+=