Brasil completa 122 anos de Lei Áurea sem acabar com trabalho escravo

O Brasil celebra nesta quinta-feira (13) 122 anos da Lei Áurea, que libertou os escravos e proibiu o trabalho forçado em território nacional. No entanto, o país ainda tem um longo caminho a percorrer para, efetivamente, eliminar esse problema. Apesar de os esforços do governo brasileiro já terem sido citados pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) como exemplo mundial, a cada ano milhares de novos trabalhadores são encontrados em condição semelhante à escravidão (ver tabela abaixo) por todo o país.

Não há, entretanto, um número exato da quantidade de pessoas nessa situação no Brasil. Em 2003, a Pastoral da Terra calculou que cerca de 25 mil pessoas eram submetidas a trabalho forçado no campo. No entanto, esse número pode ser muito maior, segundo o cientista político e coordenador da Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto.

– Já teve estimativa de 40 mil, mas esse número pode ser 200 mil ou mais, não dá para falar. É a mesma coisa de querer estimar quantos traficantes existem no país.

Para o professor de história do Brasil Pedro Puntoni, o problema começou na forma com que a abolição foi feita, em 1888. Segundo ele, os escravos foram “largados”, sem qualquer forma de integração na sociedade.

– A abolição, tal como ela foi feita, não incluiu a população negra. Não foi feita uma política de incorporação na sociedade que estava se formando. O preconceito já estava arraigado nas pessoas e isso é uma questão problemática até hoje.

Mas Puntoni acredita que o 13 de maio é uma data importante por representar o momento em que Estado deixou de reconhecer a propriedade do escravo.

– No século 19, a escravidão era um fator jurídico, a propriedade de seres humanos era uma coisa legal. Em 1888 o Estado deixou de reconhecer esse tipo de propriedade e isso é um fator importante.

Lista suja

Em 2004, o Ministério do Trabalho instituiu o cadastro com os nomes de empregadores e empresas flagrados com trabalho escravo, que ficou conhecido como “lista suja”. Para Sakamoto, essa foi uma medida muito eficaz no combate à escravidão.

– Empresas privadas e públicas que são signatárias do pacto pela erradicação do trabalho escravo boicotam produtos oriundos dessas fazendas [presente da lista suja] e elas ficam com a imagem prejudicada no comércio internacional.

Apesar dos avanços na legislação e na fiscalização brasileira, Sakamoto reconhece que o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para acabar com a escravidão. Mas afirma que não é uma meta inatingível.

– A escravidão contemporânea está assentada sobre um tripé: impunidade, ganância e pobreza. Se as políticas públicas conseguirem atacar essas três coisas, conseguiremos erradicar o trabalho forçado. É preciso muita vontade política e coragem para enfrentar grupos fortes no congresso.

 

Definição

Segundo a OIT, trabalho escravo se configura pelo atividade degradante aliada ao cerceamento da liberdade. A primeira vez que o governo brasileiro reconheceu a existência dessa realidade no país foi em 1995, quando grupos móveis de fiscalização do Ministério do Trabalho começaram a libertar trabalhadores. Desde então, quase 1.000 operações foram realizadas e 36.759 trabalhadores foram resgatados.

 

Colaborou Érica Saboya, estagiária do R7

 

Comparação entre nova escravidão e o antigo sistema
Brasil antiga escravidão nova escravidão
propriedade legal permitida

proibida

custo de aquisição de mão-de-obra alto. a riqueza de uma pessoa podia ser medida pela quantidade de escravos muito baixo. não há compra e, muitas vezes, gasta-se apenas o transporte
lucros baixos. havia custos com a manutenção dos escravos altos. se alguém fica doente pode ser mandado embora, sem nenhum direito
mão-de-obra escassa. dependia de tráfico negreiro, prisão de índios ou reprodução. bales afirma que, em 1850, um escravo era vendido por uma quantia equivalente a r$ 120 mil descartável. um grande contingente de trabalhadores desempregados. um homem foi levado por um gato por r$ 150,00 em eldorado dos carajás, sul do Pará
relacionamento longo período. a vida inteira do escravo e até de seus descendentes curto período. terminado o serviço, não é mais necessário prover o sustento
diferenças étnicas relevantes para a escravização pouco relevantes. qualquer pessoa pobre e miserável são os que se tornam escravos, independente da cor da pele
manutenção da ordem ameaças, violência psicológica, coerção física, punições exemplares e até assassinatos ameaças, violência psicológica, coerção física, punições exemplares e até assassinatos

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Bolsista do ProUni convida Lula para festa de formatura

A estudante de jornalismo Rita Correa Garrido, de 26...

UNEafro abre inscrições para cursinho

UNEafro abre inscrições para cursinho VAGAS ABERTAS 2017 Você quer ser...

Universitários brasileiros são brancos, moram com os pais e estudam pouco

Pesquisa traçou perfil do estudante que cursa os últimos...

Como a Academia se vale da pobreza, da opressão e da dor para sua masturbação intelectual

Texto originalmente publicado em RaceBaitR como “How Academia Uses...

para lembrar

Obra infanto-juvenil em inglês aborda preconceito racial

Lançamento do livro “The Black Butterfly” (A borboleta Preta), de...

Educação física, arte, sociologia e filosofia ficam no Ensino Médio

A Câmara dos Deputados decidiu incluir na reforma do...

Nova Zelândia oferece bolsas de estudo para brasileiros; veja como participar

Quem sempre teve o sonho de estudar no exterior,...

A crítica de Marcien Towa às doutrinas de identidade africana

O presente trabalho propõe tematizar a crítica que o...
spot_imgspot_img

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=