Brasileiros são os mais barrados na Europa

Segundo agência europeia, 6 mil tiveram entrada recusada em aeroportos em 2010. País é o 6º em permanência ilegal

 

Os brasileiros são os estrangeiros que mais tiveram a entrada recusada nos aeroportos da União Europeia em 2010 e o sexto grupo com mais permanências ilegais detectadas. De acordo com a agência europeia de controle de fronteiras, Frontex, no ano passado 6.072 brasileiros foram barrados pelas autoridades europeias ao tentarem entrar no bloco por via aérea, o equivalente a 12% do total de entradas recusadas. Os dados foram divulgados pela BBC Brasil.

Quase 30% dos casos com brasileiros foram na Espanha, onde 1.813 pessoas foram enviadas de volta ao Brasil, principalmente por não poderem justificar o motivo da viagem ou as condições de estada no país.

Os brasileiros também foram os mais barrados nos aeroportos da França em 2010, com 673 casos.

O Brasil mantém a primeira posição entre as entradas negadas nos aeroportos europeus desde que a Frontex começou a contabilizar o dado, em 2008, mas a agência destaca que o número de casos caiu 24% no ano passado em relação a 2009.

— A razão está relacionada à crise econômica. Com menos oportunidades de emprego, a União Europeia se tornou destino menos atrativo para imigrantes. Por isso houve queda significativa no tráfego aéreo para a UE, inclusive a partir do Brasil — explicou à BBC Brasil Izabella Cooper, porta-voz da Frontex.

Em segundo lugar, muito atrás do Brasil, estão os Estados Unidos, com 2.338 cidadãos barrados às portas da União Europeia em 2010, o equivalente a 4,8% do total, seguidos de Nigéria, com 1.717 barrados, e China, com 1.610.

Apenas outros dois países latino-americanos estão entre as dez nacionalidades mais recusadas nas fronteiras aéreas europeias: Paraguai, em sexto, com 1.495 entradas negadas, e Venezuela, em décimo, com 1.183.

De maneira geral, considerando também fronteiras terrestres e marítimas, os brasileiros foram a quarta nacionalidade mais recusada na Europa no ano passado, com 6.178 negativas, ou 5,7% do total.

Em primeiro lugar ficaram os ucranianos, que responderam por 17% do total, com 18.743 negativas, seguidos de russos, com 9.165 negativas, e sérvios, com 6.990.

No ano passado, a Frontex também detectou 13.369 brasileiros vivendo ilegalmente em algum país europeu — a maioria deles em Portugal, Espanha e França.

O número representa 3,8% do total de residentes ilegais identificados no bloco em 2010 e coloca o Brasil na sexta posição da lista, liderada por Marrocos, com 6,3% do total.

Na frente dos brasileiros também ficaram os cidadãos de Afeganistão, Albânia, Sérvia e Argélia.

 

Fonte: Blog do Noblat

+ sobre o tema

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram...

Convenção da extrema direita espanhola é alerta para o Brasil

"Manter o ideal racial de um continente branco de...

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05)...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

para lembrar

Nota o Governo do Estado da Paraíba

NOTA DO GOVERNO DO ESTADO DA PARÁIBA   O governo do...

Obama telefona para apoiar jogador da NBA que assumiu homossexualidade

De acordo com a rede americana CBS, o presidente dos...

Iraniana condenada ao apedrejamento aceita oferta brasileira de asilo

A iraniana Sakineh Ashtiani, condenada no Irã à morte...

Chimamanda Adichie: o perigo de uma única história

Veja a apresentação em vídeo com legenda ...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do Estado emerge da catástrofe. A pandemia de Covid-19 deveria ter sido suficiente para demonstrar que...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um alerta sobre o impacto econômico e social das mudanças climáticas que atinge todo o mundo....

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2024, ano-base 2023, termina em 31 de maio. Até as 17 horas do dia 30 de...
-+=