Cauteloso, Obama recebe Bibi

Fonte: O Estado de São Paulo
Gustavo Chacra, NOVA YORK

O premiê de Israel, Binyamin “Bibi” Netanyahu, desembarca amanhã em Washington como o líder israelense menos bem-vindo em seis décadas de uma relação fraternal entre os dois países, na qual os EUA quase sempre defenderam os interesses do Estado judeu.

A chegada de Barack Obama à Casa Branca, com uma administração que se diz comprometida com uma solução de dois Estados, coincidiu com a eleição de uma coalizão conservadora em Israel, que, como alguns governos anteriores, é composta por alguns partidos que nem sequer reconhecem o direito de os palestinos terem um país no futuro.

Hoje, os americanos adotam uma visão mais próxima da Liga Árabe e da oposição israelense, que defendem um Estado na Cisjordânia e em Gaza, apesar de divergências sobre o status de Jerusalém e o direito de retorno dos refugiados.

O cenário atual contrasta com os últimos oito anos de apoio incondicional de George W. Bush a Israel. Em poucos momentos nos 61 anos do Estado judeu houve discordância entre o governo israelense e o americano. Quando Israel foi criado, em 1948, o então presidente dos EUA, Harry Truman, demorou apenas 11 minutos para reconhecer o novo país.

Durante o governo Bush, Israel e EUA estreitaram os laços econômicos, militares, diplomáticos e culturais. Israel, segundo sua embaixada em Washington, possui mais companhias listadas na Nasdaq (bolsa de valores eletrônica) do que qualquer outro país fora da América do Norte. A ajuda militar dos EUA a Israel é a maior em todo o planeta. As Forças Armadas israelenses receberão ao longo desta década cerca de US$ 30 bilhões dos EUA. Na diplomacia, os americanos, apenas entre 2001 e 2008, vetaram dez resoluções na ONU contrárias a Israel.

Obama, quando candidato, foi até a Aipac, principal organização pró-Israel dos EUA, e disse que a “segurança de Israel é sagrada. (…) E Jerusalém permanecerá como a capital indivisível de Israel”. Um discurso conservador, no qual negou aos palestinos o direito de reivindicar a parte oriental da cidade como capital. Eleito, manteve silêncio durante a guerra em Gaza. Já no poder, Obama também teve atitudes que indicavam que as relações com os israelenses não se alterariam.

LOBBY NO CONGRESSO

Mas nas últimas semanas o governo americano deu uma guinada demonstrando insatisfação com políticas israelenses. Na mesma Aipac em que Obama discursou na campanha, seu vice, Joe Biden, criticou o governo de Israel no início do mês. “Israel não deve construir mais assentamentos, precisa desmantelar postos avançados (assentamentos erguidos à revelia do governo) e permitir que palestinos tenham liberdade de movimento”, afirmou.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, e o enviado especial ao Oriente Médio, George Mitchell, também pressionaram Israel a levantar restrições aos palestinos.

“As medidas ainda representam pouco e Obama talvez não tenha forças para combater interesses israelenses nos EUA”, disse ao Estado John Mearsheimer, professor da Universidade de Chicago e autor do polêmico livro “O Lobby de Israel”. Para ele, um dos principais obstáculos será o Congresso, quase sempre unânime no apoio aos israelenses.

Uma das saídas para superar o impasse, segundo o professor, seria o crescimento de movimentos judaicos favoráveis a uma solução de dois Estados. Um deles, o Israeli Policy Forum, publicou um anúncio de uma página no New York Times de sexta-feira defendendo o fim da construção dos assentamentos na Cisjordânia. O próprio jornal declarou, em editorial, que o presidente deve impor sua agenda sobre a de Bibi.

Os líderes, que já se reuniram duas vezes antes de assumir o poder, procuraram não criticar um ao outro. “Eu o respeito e quero vê-lo em Washington”, afirmou Bibi. “Quero trabalhar com ele”, disse Obama.

SOLUÇÃO DE DOIS ESTADOS

Ainda ontem, o ministro de Defesa israelense, Ehud Barak, deu indicações de que Bibi poderia estar pronto para aceitar a solução de dois Estados. “Acho que Netanyahu dirá a Obama que este governo está pronto para um processo político que resultaria em dois povos convivendo em paz”, disse Barak para a rede de TV Canal 2.

 

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Crescimento de Malia e Sasha chama atenção em campanha de Obama

Em geral, as 'primeiras-filhas' têm passado ao largo da...

UNESCO abre edital do Fundo Internacional para a Diversidade Cultural

Está aberto o Edital 2014 para a...

Exército apoia reintegração de posse em aldeia de Niterói, RJ

Imbuhy teria descendentes da mulher que bordou 1ª bandeira...

Obama cantou na Casa Branca com B.B. King e Jagger

Fonte: YouTube O Presidente norte-americano, Barack Obama, cantou, na noite...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=