Coletivo Sankofa: magistradas de São Paulo na luta pela paridade de gênero e étnico-racial no Poder Judiciário – SP, 08/12/2023

No dia 8 de dezembro, data em que se celebra o Dia da Justiça, magistradas que atuam no Estado de São Paulo promoverão o evento de lançamento do Coletivo Sankofa.

Formado a partir do Movimento Nacional por Paridade no Poder Judiciário, o Coletivo Sankofa tem o objetivo de atuar para que a paridade de gênero e étnico racial seja adotada no âmbito do Poder Judiciário, à luz do que prevê atualmente a Resolução 106/2010 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), cuja redação foi parcialmente modificada na Sessão Extraordinária de 26 de de setembro de 2023.

Em menos de 3 meses de existência e processo de constituição, o Coletivo Sankofa já reúne uma centena de magistradas da Justiça estadual e federal, comum e trabalhista.

Sankofa, nome dado ao Coletivo, é um símbolo de origem africana e significa o retorno no caminho para resgatar o que ficou para trás, para que o caminhar para o futuro honre e repare o passado. A adoção do nome decorre da intenção de proporcionar ações que impliquem transformações e reparem as desigualdades e iniquidades do passado, produzidas ao longo de anos de exclusões e discriminações de gênero e étnico racial. O Poder Judiciário é composto majoritariamente por homens brancos e queremos evidenciar e dar visibilidade a essa iniquidade e propor mudanças a partir dela.

O evento de lançamento irá compreender uma visita guiada à 35ª Bienal de São Paulo – Coreografias do Impossível. Com uma proposta de formação curatorial em uma relação horizontal e paritária, esta edição da Bienal proporciona elementos importantes de saberes decoloniais. Diante do reconhecimento da importância dessa exposição frente aos objetivos do Coletivo Sankofa, a visita foi escolhida para marcar o evento de lançamento, como forma de evidenciar e fortalecer esses objetivos, que incluem o necessário letramento de gênero e étnico racial a que o Coletivo se propõe.

O Coletivo Sankofa pretende, através da promoção de ações que visem garantir paridade de gênero e étnico racial no Poder Judiciário, trazer à magistratura valorizações e saberes que ampliem e qualifiquem o acesso à justiça no Brasil.

+ sobre o tema

Ismael Ivo, o canibal do Municipal

Ele é o primeiro negro a assumir a direção...

IZA lança batom com a M.A.C e o significado por trás da cor é lindo!

A cantora contou que a cor foi feita especialmente...

Criolo vive traficante em 1º papel no cinema e atua com Lázaro Ramos. Nos ajude a entender

O rapper paulistano Criolo, e um dos artistas mais cultuados...

para lembrar

O casamento do nazismo com a escravidão no Brasil. Por Marcos Sacramento

A história do país é cheia de episódios indigestos,...

Vila Isabel abre inscrições para negros

Rio - Com o enredo 'Você semba lá...que...

Beyoncé desfila coleção de Tom Ford

Em setembro deste ano, Tom Ford fez um desfile...

Nigéria ratifica Carta Africana da Democracia

Abuja - A Nigéria ratificou, quarta-feira, a Carta Africana...
spot_imgspot_img

Mel Duarte celebra cinco anos do álbum “Mormaço – entre outras formas de calor” com apresentações gratuitas em São Paulo

A cantora, escritora, poeta, compositora e produtora cultural Mel Duarte, conhecida por sua brilhante performance de "spoken word", celebra o quinto aniversário do seu...

Obrigada Shirley

É com muita tristeza que compartilhamos a notícia do falecimento da Shirley Villela, nossa companheira e amiga, tecedora da Redes da Maré, de 2013...

 Interprete da trilha sonora da novela Renascer, Xenia França participa do disco de José James

Vencedora do Grammy Latino de 2023 com seu disco "Em nome da Estrela" e intérprete da canção “Lua Soberana”, trilha sonora da novela Renascer...
-+=