Comissão Europeia fecha o cerco à França por expulsão de ciganos

Após classificar as recentes deportações coletivas de ciganos executadas pelo governo da França como uma “desgraça”, a Comissão Europeia indicou que vai abrir um processo de infração da legislação comum ao bloco europeu.

“Já basta”, declarou a comissária europeia de Justiça, Viviane Reding, que chamou a atitude do governo francês de “vergonhosa” ao ter escondido a existência de uma circular que ordenava à polícia a expulsão de ciganos.

Em resposta às declarações de Reding, o governo francês emitiu um comunicado dizendo estar surpreendido pelo duro tom de Bruxelas.

Anne-Christine Poujoulat/AFP
Família de ciganos prepara-se para deixar a França no aeoroporto de Marselha; UE condenou ações do país como “desgraça”

Reding anunciou que pedirá a abertura de um procedimento de infração da legislação da União Europeia (UE) contra Paris, por ter adaptado de forma insuficiente a diretriz comunitária sobre a livre circulação dos cidadãos europeus e aplicar de forma “discriminatória” o texto.

A comissária emitiu duras crítica ao governo francês pela deportação de mais de 1.000 ciganos para a Romênia e a Bulgária.

“O papel dos comissários como guardiões dos tratados torna-se extremamente difícil se não pudermos mais ter confiança nas garantias dadas pelos dois ministros em um encontro formal com dois comissários e cerca de 15 oficiais de alto escalão dos dois lados da mesa”, disse Reding.

Os dois ministros citados são Eric Besson, da pasta de Imigração, e Pierre Lellouche, de Assuntos Europeus, que em reunião em Bruxelas deram garantias quanto à política de imigração da França e a intenção de não discriminar nenhum grupo em específico.

“Nenhum Estado membro pode esperar um tratamento especial quando o que está em questão são os direitos humanos”, concluiu Reding, afirmando que a Comissão deve intensificar suas medidas contra Paris.

SUSPENSÃO

Ainda no final da semana passada, após comunicados do Parlamento europeu que exigiam a suspensão imediata das expulsões de ciganos, o ministro francês de Imigração deixou claro o país não deve mudar sua política.

“Está descartada [a hipótese] de que a França suspenda as reconduções aos países de origem, sejam romenos, búlgaros ou outros cidadãos”, afirmou Besson.

O Parlamento Europeu exigiu na quinta-feira (9) que o governo francês “suspenda imediatamente” a expulsão de ciganos e expressou oficialmente sua “profunda preocupação” com esta política.

Com 337 votos a favor, 245 contra e 51 abstenções, o Parlamento aprovou a resolução proposta por socialistas, liberais, verdes e comunistas que censuram a política de Sarkozy e critica a “tardia e limitada” reação da Comissão Europeia.

O Parlamento adverte que este tipo de política alimenta o racismo e as ações dos grupos de extrema direita.

Besson disse que, embora o Parlamento mereça respeito, excedeu suas prerrogativas e “nós não temos que nos submeter a este ditado político”. “Não vamos mudar nossa escolha”, disse.

Em paralelo, Lellouche denunciou “a enorme bolha de hipocrisia na França e nos seus parceiros europeus” ao culpar Paris “por um problema que não foi tratado por dez anos e sobre o qual fomos os primeiros a dizer: A Europa tem que se mover”.

Fonte: Folha

+ sobre o tema

Pesquisa revela constante racismo a imigrantes no Brasil

A noção de que o Brasil é um país...

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

para lembrar

A receita de beleza de Camila Pitanga

Camila Pitanga está se desdobrando para não descuidar...

Nos EUA e no Brasil, o “mal” são sempre os outros. Nunca nós mesmos

''Nós devemos manter o 'mal' fora de nosso país!'' Por Leonardo...

Emir Sader: O dedo de Lula

A sociedade brasileira teve sempre a discriminação como...

Natal para as crianças: Roteiro de programação gratuita

Natal no Zoológico Além de passear por entre as...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=