Contra o fanatismo e a intolerância

Eu sou Charlie – I’am Charlie – Ich bin Charlie – Yo soy Charlie – Sono Charlie – Somos todos Charlie: contra a chantagem terrorista e a radicalização religiosa. A favor da convivência, tolerância e liberdade de expressão

Por Alberto Dines no Observatório da Imprensa

Há pouco mais de 100 anos, em 31 de julho de 1914, véspera do início da Grande Guerra, o jornalista e socialista Jean Jaurès, fundador do L’Humanité, foi assassinado por um exaltado nacionalista franco-alsaciano que pretendia calar o admirável tribuno pacifista.

Àquela altura a guerra era inevitável: começou três dias depois, prolongou-se por quatro anos, gerou outra guerra vinte anos depois. Hoje a Alsácia é uma passagem livre entre a França e a Alemanha, ambas pilares da União Europeia.

Jaurès caiu mas não se calou. Continua símbolo da luta contra o fanatismo, a xenofobia e a intolerância, patrono do partido da humanidade.

O tunisino Georges Wolinsky, seu chefe Stephane Charbonnier, o Charb (editor do semanário Charlie Hebdo), o vice, três outros cartunistas-estrela, um revisor de origem árabe, uma psicanalista e um crítico literário (colunistas), um funcionário de um prédio vizinho e dois policiais (um de origem árabe) morreram no local. O banho de sangue deixou ainda 11 feridos, sendo quatro em estado grave. Todos fuzilados por ofender o profeta Maomé.

Em poucas horas o mundo se levantou movido por uma indignação contida, até certo ponto serena, incrivelmente criativa. Com hashtags lembrando Charlie (Charles Brown), a língua francesa até quarta-feira (7/1) mergulhada num imerecido ostracismo foi subitamente revivida como expressão do Iluminismo, da Solidariedade, dos Direitos Universais do Homem e do trinômio humanista Liberté-Egalité-Fraternité.

Lápis de cor

Os sicários são supostamente fanáticos religiosos e, sob o ponto de vista técnico, terroristas clássicos – agentes da intimidação, da chantagem e da indigência política. Serviram-se da imprensa para que a imprensa servisse à estratégia da brutalidade.

Tal como em 11 de Setembro de 2001, não têm uma pauta específica de reivindicações, estão a serviço de um projeto político tacanho, estúpido – a disseminação global da discórdia e do medo.

No momento em que na Alemanha intelectuais e estadistas convocam a sociedade para lembrar o passado e desativar o rancor anti-islâmico, o jihadismo vai na contramão: aposta na radicalização, força confrontos, estimula revanches e represálias das facções neofascistas contra as comunidades de origem árabe, africana ou muçulmana.

Mesmo que as lideranças das comunidades islâmicas da Europa ocidental estejam mais interessadas no processo de integração, coabitação e convivência, os radicais sabem que alguns segmentos – sobretudo os mais jovens e mais vulneráveis à crise econômica – acabarão se desgarrando do mainstream e embarcando na insanidade do terror. Serão os jihadistas de amanhã. E eles precisam ser salvos da fascinação pelo martírio.

Empunhando lápis, lápis de cor, lapiseiras e crayons – como se viu na quarta-feira (7) nas praças do mundo livre – será possível desenhar um novo modo de vida onde a sátira e o humor deixem de ser profissões de risco. E o jornalismo volte a ser uma profissão romântica.

Relativismo moral

Como sempre acontece em eventos políticos extremos, já apareceram os relativistas, os experts em justificações. Lamentam a violência, repudiam o derramamento de sangue, solidarizam-se com as vítimas inocentes, mas… pedem compreensão para os motivos que geraram a barbárie. Na quarta-feira (7/1), na rádio CBN, em torno das 15 horas, uma especialista oriunda de uma das mais importantes universidades brasileiras explicou que os focos de radicalismo em algumas comunidades árabes da França originam-se na anexação da Argélia no século 19. E docemente acusou a direção da Charlie Hebdo – recém-assassinada, sequer sepultada – de explorar o ressentimento anti-islâmico para escapar da falência.

+ sobre o tema

Menos de 1% dos municípios do Brasil tem só mulheres na disputa pela prefeitura

Em 39 cidades brasileiras, os eleitores já sabem que...

Brasileiros são os mais barrados na Europa

Segundo agência europeia, 6 mil tiveram entrada recusada em...

Prostituição e direito à saúde

Alexandre Padilha errou. Realizar campanhas de saúde pública é...

Bolsa Família e Prouni

O Planalto estuda enviar ao Congresso projetos de lei...

para lembrar

O discurso da tolerância como domesticação

Apenas uma sociedade profundamente intolerante pode invocar a necessidade...

Violência, intolerância e a falsa cordialidade dos brasileiros

A escritora e antropóloga Lilia Schwarcz fala sobre a...

Aluno é barrado em escola por usar trajes de candomblé

Mãe diz que menino foi proibido de frequentar as...

Censura a livro de Jeferson Tenório é sintoma de racismo e intolerância

Carolina Maria de Jesus, autora de "Quarto de Despejo", publicado em 1960 com a ajuda do jornalista Audálio Dantas, foi censurada pelo governo do...

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...
-+=