Deixar-se

Todomundo conhece, ou vai conhecer, a dor de ser deixado. Milhares de canções falam disso há gerações e gerações. Ser trocado por um coleguinha na infância, esquecido por uma amiga em qualquer idade. Ser abandonado por um amor. A sensação sentida não é bolinho, nem melzinho na chupeta. Difícil tirar de letra a experiência do abandono. Talvez seja semelhante a observar, do cais, um barco naufragar. Depois de tudo, só ficam espumas brancas e a imensidão azul.

Por  Fernanda Pompeu Do Yahoo

Mas existe outra dor, mais velada e menos homenageada em prosa e verso, que é a dor de quem deixa. Ou mesmo a pena de quem trai. Pois se você ainda não traiu algo ou alguém, pode escrever: vai rolar. É evidente que há uma hierarquia na traição, por exemplo, trair ideias é menos grave que trair pessoas. Trair estranhos é mais fácil do que apunhalar conhecidos. Trair aqueles que amamos, então, é terremoto com mais de 9 graus nas escala Richter.

Trair a si mesmo? Uau! É coisa de rasgar o peito com peixeira afiada. Apertar o cérebro com chave inglesa. No entanto fazemos não uma só vez, mas algumas pelo escorregar da vida. Eu já experimentei. Deixe-me levar para situações que desdiziam e até negavam valores que creio. O mau-estar foi total e na maior parte, com esforço e coragem, voltei ao prumo. Como forma de compensação reafirmei os antigos valores com ilusão e entusiasmo.

No entanto, às vezes são os valores, as crenças, as verdades, os ideais que nos traem. Eles se apequenam ou arrancam a máscara com que nos seduziram. Acho que é o que ocorre com o crente que deixa de acreditar em Deus, com o capitalista que se desilude dos bens que o dinheiro compra. Com o casal que percebe que a felicidade escapou pelo ralo do apê. Com o convicto solteirão ao se dar conta que a vida de casado seria o céu. A garota de programa sonhando com a vida num convento. A madre superiora fantasiando com a rotina de um bordel.

Nesses momentos radicais, de inflexão, de pezinho na beira do penhasco, é que começamos a entender a arte de se deixar. A mais profunda entrega ao que ainda não conhecemos, mas queremos provar. O caminho a ser desbravado, pois gostamos de onde ele nos levará. Em frente, há só horizonte. Por cima, nuvens ciganas. Ao lado, tudo o que vivenciamos. Em baixo, a fluidez das águas. Friozinho na barriga. Adeus e avante!

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Representação política e enfrentamento ao racismo: Prof. Marilena Chauí

Leia a íntegra da palestra da Prof. Marilena...

O que a nova classe média quer vestir?

A mulher da classe C não aceita ser...

O povo, o kardecismo e o racismo

Sempre incomodou-me muito o excesso de religiosidade do povo...

A guerra do Rio é uma metáfora cavilosa

Fonte: Folha de São Paulo - por: Élio Gaspari Uma cidade...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=