FSM: Magistrada baiana integrará mesa-redonda sobre mulher

 

 

A emancipação da mulher no século XXI e sua participação no desenvolvimento econômico do Brasil e do mundo. Este será o tema explorado pela juíza Luislinda Valois no Fórum Social Temático da Bahia, nesta sexta-feira (29). O evento que acontecerá de 29 a 31 de janeiro, em Salvador, vai reunir autoridades governamentais, representantes de movimentos socais, chefes de estado da América Latina e da África em torno da temática central: “Da Bahia a Dakar: enfrentar a crise com integração, desenvolvimento e soberania”.

“Será uma ocasião muito importante, na qual teremos representantes que ocupam cargos de decisão, dispostos a ouvir e debater a problemática da crise econômica”, diz a magistrada Valois. Com autoridade concedida por sua experiência de vida, Luislinda Valois irá conduzir palestra abordando os fatores que propiciaram a emancipação da mulher no contexto social e problematizar a posição que esta ocupa no sistema econômico mundial. Através de uma análise comparativa, os direitos assegurados à mulher no decorrer dos séculos, o perfil da presença feminina na chefia familiar e as diferenças de oportunidades oferecidas às mulheres negras serão pontuados na ocasião. “Não há dúvidas que a mulher teve inúmeras conquistas ao longo dos tempos, mas não se pode desprezar o fato de que a maioria delas, sobretudo as negras, ainda está restrita a cargos de execução e apoio.

Poucas ocupam, de fato, cargos diretivos e decisórios no setor público, menos ainda nas grandes empresas”, explica. “Nosso objetivo não é só refletir sobre as causas, mas sim empreender uma busca conjunta para a solução destas questões”, conclui a juíza. Luislinda Valois integrará a mesa-redonda com o eixo temático “Mulher: Crise econômica e emancipação”. O evento será no dia 29, a partir das 8h, no Hotel Sol Victória Marina, no Corredor da Vitória. Mais informações no site http://www.fsmbahia.com.br/. ****** Sustentando o título de primeira magistrada negra do país, a juíza Luislinda Valois é autora de atos inéditos, como a primeira sentença proferida contra racismo no país, em 1993.

A sentença foi a favor da empregada doméstica Aila Maria de Jesus, acusada injustamente de furto pelo segurança de um supermercado de Salvador. “Foi Deus quem fez que este processo caísse em minhas mãos. A missão de assegurar a honra e dignidade daquela mulher foi minha. O supermercado ainda recorreu, mas o juiz de segundo grau manteve a decisão na sua integralidade”, relata a juíza. Luislinda Dias Valois é também idealizadora dos Balcões de Justiça e Cidadania, do Juizado Itinerante Marítimo Baia de Todos os Santos e da Justiça Bairro a Bairro, criados com objetivo de facilitar o acesso da população carente aos serviços judiciários.

Lançou, em 2009, a obra O Negro no Século XXI, livro que convida o leitor a redescobrir a história dos afro-descententes no Brasil com o discernimento de quem conhece profundamente suas origens. Como muitos brasileiros, ela sentiu na pele o peso do racismo ainda jovem quando foi “aconselhada” por um professor a deixar de estudar para cozinhar feijoada na casa de brancos. Em um legítimo grito de protesto, a cada parte do livro, a autora pontua, de forma simples e direta, o processo histórico causador da desigualdade social e racial em nosso país.

Dividido em 18 capítulos, a obra é um avocar para uma reflexão sobre o retorno que a sociedade tem dado ao povo negro, em vista de sua contribuição social, econômica e cultural, ao longo dos séculos. Resultado de uma ampla pesquisa, outros aspectos como lazer, educação, cultura, adoção tardia de crianças e esporte são abordados na ótica de quem enxerga e convive com o preconceito cotidianamente.

Fonte: Universidade Livre Feminista

+ sobre o tema

Campanha mundial denuncia trabalho escravo no Brasil

Uma campanha mundial para denunciar a continuidade da escravidão...

‘A situação está muito difícil’, diz fundador do AfroReggae

  RIO - Reconhecido pelo papel de mediador...

para lembrar

O Estado Terrorista

O que legitima e existência de um estado é...

Lutando contra conceitos equivocados e a logística para captar fundos no Brasil

Questões logísticas e a falta de conhecimento entre os...

Site permite convidar um refugiado para passar o Natal na casa de brasileiros

O 'Meu Amigo Refugiado' faz a ponte entre os...

É preciso avançar sobre terras indígenas?

Portaria do Ministério da Justiça que muda o rito...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...
-+=