Hilton Cobra conversa com juiz maranhense que embargou os editais de ação afirmativa para negros, propostos pelo MinC/SEPPIR

Durante missão ao Maranhão, o presidente da Fundação Cultural Palmares conversou com o juiz José Carlos do Vale Madeira sobre a importância do certame para as artes e culturas negras

Por Cidinha da Silva

No início da noite de sexta-feira, 28/06, o presidente da Fundação Cultural Palmares, Hilton Cobra se reuniu com o José Carlos do Vale Madeira, juiz da 5ª Vara da Seção Judiciária do Maranhão, onde tramita a ação popular que questiona os editais para produtores culturais e pesquisadores negros, elaborados numa parceria entre o MinC (Ministério da Cultura) e a SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial), em novembro de 2012.

Na conversa, Cobra falou sobre os 30 anos de experiência como produtor cultural e os desafios que as obras artísticas negras têm quanto ao acesso aos mecanismos de fomento e captação de recursos. Nesse sentido, o presidente da FCP destacou a iniciativa pioneira da ministra Martha Suplicy que, entendendo a realidade dos agentes culturais negros, lançou editais específicos para área a fim de incluí-los no mercado artístico brasileiro.

De acordo com o juiz Madeira, a exposição de Hilton Cobra tornou possível uma nova perspectiva sobre a necessidade de o certame atender somente os criadores culturais e pesquisadores negros. “A Funarte, Biblioteca Nacional e a Secretaria do Audiovisual precisam encontrar alternativas que deem engenharia técnica e jurídica aos editais, para resolver a situação de forma emergencial. Um modelo socialmente eficiente, culturalmente suficiente e juridicamente harmônico”, explicou.

A conversa contou ainda com as presenças da coordenadora do CNIRC da FCP (Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra), Rosane Borges, e do procurador federal Daniel Farah de Santana.

FCP buscando soluções – Desde a suspensão dos editais, a Fundação Cultural Palmares participa de reuniões com produtores culturais no Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e Maranhão, a fim de encontrar formas de manter os processos de seleção. Mais três cidades, Belém/PA, Porto Alegre/RS e Aracajú/SE, se articulam para os debates com a presença de Hilton Cobra.

Acompanhe o caso – A partir do da ação popular movida pelo advogado Pedro Leonel Pinto de Carvalho, citando como réus a União Federal, a Funarte e a Fundação Biblioteca Nacional, o juiz Madeira decidiu pela suspensão dos editais, alegando a inconstitucionalidade do certame. No início de junho, a Justiça Federal da 1ª Região suspendeu essa liminar, fato que garantiu a retomada das atividades de seleção, embora tenha mantido o pagamento da premiação suspensa até o julgamento final do processo.

 

Mexeram num vespeiro! Fala o presidente da Palmares sobre decisão de juiz federal do Maranhão, contra editais para os negros na cultura

1000 negros à quatro reais por cabeça.Que juiz federal paga mais?

Decisão que suspendeu editais para cultura negra é ‘racista’, diz Marta

 

 

+ sobre o tema

Comissão de Combate à Intolerância Religiosa em ato contra a eleição do pastor Marco Feliciano

O interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa...

Petrolina realizará 1° Festival Ana das Carrancas em celebração à cultura afrodescendente

  Culinária, vestimentas, rituais religiosos, penteados, arte, música e costumes...

Camélia da Liberdade chega à sétima edição premiando grandes nomes

Evento aconteceu no Vivo Rio e reuniu importantes personalidades...

para lembrar

Governo, organizações e quilombolas se unem em defesa do Decreto n°4887/2003

Por Daiane Souza Quilombolas, órgãos públicos e instituições de todo...

Casa de Portugal – 15 de setembro – 80 anos da Frente Negra Brasileira

Reunião interna da Frente Negra Brasileira, São Paulo, ca....

Acordo firmado entre MinC e Sebrae beneficiará produção criativa quilombola e indígena

O Acordo de Cooperação assinado, na última sexta-feira (30),...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=