INDICAÇÃO PARA O STF: Novo Ministro, velha escolha

Enviado por Rodnei Jerico para o Portal Geledés

No dia de ontem, 10 de setembro de 2012, o Supremo Tribunal Federal teve um novo ministro indicado pela Presidenta da República sem qualquer respeito à transparência ou diálogo social. Recentemente, no mais alto Tribunal da justiça brasileira, foram julgadas questões da maior relevância para a sociedade brasileira, tais como a demarcação das terras indígenas, o direito à consulta prévia e informada, as políticas de ação afirmativa, o direito das mulheres sobre o seu corpo e o reconhecimento civil do casamento homossexual.

Do STF, se espera com grande expectativa decisões sobre a questão quilombola, sobre a prevalência da função social da propriedade, a definição acerca da classificação indicativa, sobre o reajuste do piso salarial dos professores públicos, sobre a inconstitucionalidade do ensino religioso e a vigência da Lei de Anistia e dos crimes da Ditadura.

As organizações e movimentos sociais brasileiros estão certos da importância em voltar a sua atenção e contribuição democrática para o Poder Judiciário e o Sistema de Justiça. Basta constatar as numerosas e variadas decisões que tratam de direitos humanos nas varas judiciais. No entanto, tal compreensão e cultura democráticas de justiça ainda não foram incorporadas aos procedimentos que dizem respeito às definições acerca dos rumos da política pública de justiça no Brasil.

A despeito de reiteradas manifestações da sociedade civil organizada nas ocasiões recentes em que foram abertas as vagas para o STF, o povo brasileiro recebe o novo ministro indicado da mesma maneira como o Estado brasileiro tem feito há décadas: sem qualquer debate público prévio sobre potenciais indicados e suas qualificações. A falta de transparência não é novidade e reflete um problema institucional e histórico.

Na última indicação, em um processo que se estendeu de agosto a dezembro de 2011, foi endereçada à Presidência e ao Ministério da Justiça uma Carta com a adesão de cinquenta entidades de todo o Brasil solicitando:

1) Disponibilização no portal eletrônico da Presidência da República dos nomes e antecedentes curriculares das candidaturas que se encontrem em consideração pela Presidência;

2) Abertura de prazo para consulta e audiência pública a respeito dos pré-candidatos, e publicização das informações;

3) Elaboração e publicação de relatório final que justifique a escolha do candidato ou candidata que será submetido à sabatina do Senado.

Compreende-se que esses são procedimentos mínimos que a indicação de um ministro para o Supremo Tribunal Federal deveria observar, além do critério fundamental de que o candidato tenha um compromisso biográfico com a efetivação dos direitos humanos, aliada à erradicação da pobreza, da marginalização e das desigualdades sociais, visando a promover a dignidade humana.

Vale também a reflexão sobre as três indicações que couberam à Presidenta Dilma Roussef desde a sua posse. Das três vagas abertas, foram escolhidos três ministros/a de outros Tribunais Superiores, sendo dois homens provenientes do Superior Tribunal de Justiça e uma mulher do Tribunal Superior do Trabalho. Nestes termos, uma certa fórmula de indicação vem se desenhando no período recente, fórmula que deve ser debatida democraticamente, o que torna ainda mais necessárias a transparência, a abertura à participação e a observação de critérios de conteúdo no processo político de indicações para o STF, processo que exerce grande influência na política pública de justiça do Brasil.

Próximo passo: sabatina no Senado Federal

Após o controverso processo de indicação, o candidato deverá ser sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça e submetido à aprovação do plenário do Senado Federal.

Este é um momento em que a sociedade deve se organizar e se mobilizar para participar, de modo que a sabatina deixe de representar, de uma vez por todas, um evento de celebração da indicação presidencial e de felicitações ao candidato sabatinado.

Cumpre à sociedade organizada interferir para que o preenchimento das vagas do STF, dos Tribunais Superiores e do próprio Conselho Nacional de Justiça correspondam aos anseios de uma sociedade efetivamente democrática e de uma política de justiça voltada à realização da justiça social.

Nesse sentido, foi apresentada pelas organizações da JusDh, no ano de 2011, uma proposta para a alteração dos procedimentos da sabatina visando a inclusão de mecanismos de transparência e participação social. Entre as propostas concretas, pedíamos que fosse incluída a disponibilização virtual do relatório com informações sobre o sabatinado, bem como a abertura de consulta pública sobre a indicação, além da possibilidade de convocação de audiência pública anterior à sabatina.

A proposta foi incorporada ao Projeto de Resolução do Senado 08/2011 que, no entanto, está paralisado naquela Casa Legislativa. Em paralelo à pressão pelo andamento e aprovação dessa proposta, cabe à sociedade exigir que os senadores da CCJ convoquem audiência pública anterior à sabatina. De fato, só em um momento público de discussão é que se poderá efetivamente inquirir o candidato acerca de suas posturas, convicções e habilidades referentes às temáticas de direitos humanos, temáticas que tenderão a ser definidas em âmbito nacional a partir da contribuição direta do candidato sabatinado.

Em ação paralela às pressões pela alteração do procedimento, a sociedade pode e deve enviar aos senadores questões para que sejam formuladas ao candidato na sabatina oficial, de modo a, ainda que indiretamente, provocar a sua manifestação acerca de temas de extrema relevância para os rumos da sociedade brasileira.

Ressalte-se, por fim, que estas propostas são também relatos dos esforços realizados nos últimos anos para avançar na democratização do Poder Judiciário e da política de justiça no Brasil. Desde logo vale alertar que no mês de novembro deste novo processo de indicação ocorrerá a partir da aposentadoria do Min. Ayres Britto, momento em que estas questões se colocarão novamente diante da sociedade.

A JusDh segue com a convicção sobre a importância da participação social nas definições da política pública de justiça, e continuará, em conjunto com as organizações e movimentos sociais, atuando pelo compromisso de uma justiça voltada à realização dos direitos humanos em nosso país.

 

Fonte: JusDh – Articulação Justiça e Direitos Humanos

+ sobre o tema

#BringBackOurGirls – A Nigéria chora

As notícias que chegam da Nigéria são ainda mais...

#QuemMatouNicinha: Quantas ativistas serão mortas na luta por direitos na Amazônia?

A missionária americana Dorothy Stang defendia o uso sustentável...

Defensoria Pública lança cartilha para pessoas em situação de rua

O objetivo da publicação é informar pessoas situação de...

Por que Brasil parou de divulgar ‘lista suja’ de trabalho escravo tida como modelo no mundo?

Apesar de ser reconhecido internacionalmente por seus esforços de...

para lembrar

‘Ex-Pajé’: um retrato poético, triste e urgente sobre a erosão da cultura indígena

Perpera, o ex-pajé, caminha no meio da floresta. Calça...

A não efetivação do direito ao trabalho e à educação no cárcere

No último 26 de julho, o ITTC – representado...

Artigo 1: Todos os seres humanos nascem livres e iguais

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) foi adotada...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

A Caixa Econômica Federal paga nesta terça-feira (23) a parcela de janeiro do novo Bolsa Família aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS)...
-+=