João Antônio morreu para que ninguém soubesse que seu assassino é gay

O caso do garoto João Antônio, assassinado essa semana em Goiás, é um caso de homofobia que resultou em homicídio.

Por Leonardo Mendes

Homofobia em seu sentido mais puro, e não o que nos acostumamos a chamar, aquele que se relaciona ao ódio.

O assassino confesso de João Antônio afirmou ter mantido relações sexuais com o garoto, mas também afirma não ser homossexual.

Um paradoxo que pode ser explicado pela análise da própria expressão “homofobia”.

Chamaremos então aqui o ódio gratuito contra os homossexuais ou transexuais de “homocismo”, algo semelhante ao racismo. Já “homofobia” será utilizado para designar aqueles que tem medo de se aproximar de homossexuais ou a quem falta coragem para se assumir como um.

O ódio é o oposto do amor, enquanto o medo (fobia) é o contrário da coragem.

O assassino de João Antônio não é um “homocista”, mas sim um homofóbico.

Matou para que ninguém soubesse que ele também é homossexual.

Em geral esses sentimentos surgem como resultado de um contexto cultural em que o homossexual é estigmatizado, menosprezado e tratado como um ser humano inferior. Para algumas religiões, merecedor do inferno.

Na Grécia Antiga, de Sócrates, Platão e Aristóteles, por exemplo, não faria sentido falar nesses termos que hoje falamos. Basta ler as obras desse período para confirmar a naturalidade com que a relação entre pessoas do mesmo sexo era tratada.

As coisas mudaram no Ocidente com o domínio da moral judaico-cristã, que passou a ter a Bíblia como verdade absoluta.

E é isso até hoje a raiz do problema.

Há uma passagem em Levítico que diz: “O homem que se deitar com outro homem como se fosse uma mulher, ambos cometeram uma abominação, deverão morrer, e seu sangue cairá sobre eles”.

E é em nome dessa liberdade religiosa que homossexuais continuam a serem assassinados apenas por serem homossexuais.

Mas como impedir que religiosos preguem o que está na Bíblia?

Não parece algo simples, porém já foi feito.

A Bíblia também afirma que mulheres adúlteras sejam apedrejadas até a morte pois essa seria a vontade de Deus e ainda assim aprovamos a Lei Maria da Penha.

É verdade que demorou bastante, e “lavar a honra” com o sangue da mulher adúltera foi aceito por nossos juízes como tese de legítima defesa até pouco tempo.

Quantos homossexuais ainda serão apedrejados apenas por serem homossexuais também é uma questão de tempo.

Do espírito do tempo a corrigir nossos equívocos.

Estejam eles na Bíblia ou na Constituição.

João Antônio morreu para que ninguém soubesse que seu assassino é gay
João Antônio morreu para que ninguém soubesse que seu assassino é gay
Sobre o Autor

Leonardo é catarinense, jornalista e escreve no blog Van Filosofia. http://filosofiavan.wordpress.com

 

Fonte: DCM

 

+ sobre o tema

A autonomia política das mulheres só é válida para as feministas?

Algo muito importante que precisa ser relembrando vez ou...

Sobre mulheres, literatura e emancipação.

por Olívia Santana Foi com alegria que recebi o honroso...

Tema recorrente na política, o aborto é um problema grave de saúde

Uma romaria de mulheres procura diariamente os hospitais públicos...

Mês da visibilidade trans: o que a moda tem a ver com isso

Como você sabe, e caso não saiba porque está...

para lembrar

Mulher negra é nomeada para principal cargo da polícia de Nova York

Uma mulher negra, Juanita Holmes, foi promovida hoje a...

Centenas dançam em São Paulo pelo fim da violência contra a mulher

Centenas de pessoas dançaram e cantaram na tarde deste...

Mãe Beata: Contos da guerreira

Lançando livro no TJA, a ialorixá Mãe Beata de...

Onde andará a boa e velha liberdade?

Sempre, sempre, sempre que a gente falava nela, tinha...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=