Mais que no pé: um tiro na cara

PEC antidrogas do Senado é retrocesso atroz e alimenta múltiplas violências

O recurso extraordinário 635.659, em análise desde 2015 pelo Supremo Tribunal Federal, versa sobre a inconstitucionalidade da criminalização do porte de drogas. A maioria do STF caminha para fixar parâmetros objetivos de quantidades, apenas de maconha, para orientar o sistema de justiça criminal na diferenciação entre usuários e traficantes.

Em reação ao andamento do processo, setores do Congresso Nacional se mobilizam em torno de uma proposta de emenda constitucional que criminaliza com pena de prisão todo e qualquer porte de droga ilícita, independentemente da quantidade.

Quem fomenta o pânico moral antidrogas cultiva a falácia de que as drogas ilícitas são proibidas por serem malignas, enquanto as drogas lícitas são pouco danosas ou mesmo benéficas. Essas mesmas pessoas frequentemente usam e abusam das substâncias encontradas nos bares, supermercados e —pasmem— drogarias.

Na verdade, a proibição de certas drogas é anticientífica e ineficaz. Trata-se de uma escolha essencialmente política, que não reduz nem oferta nem consumo, mas produz múltiplas violências.

Historicamente, o proibicionismo se vincula ao racismo e aos preconceitos morais. Ao empurrar para a clandestinidade um mercado consumidor que sempre existiu na sociedade humana, a proibição fez das drogas ilícitas a moeda comum para todos os tipos de crimes, do tráfico de armas ao garimpo ilegal.

Ao mesmo tempo, a proibição transformou o Estado numa máquina de prender, matar e faccionar jovens negros periféricos. Sem critérios objetivos para diferenciar consumidores de traficantes, a Lei de Drogas (11.343/2006) aprofundou estereótipos e agravou a criminalização seletiva da juventude negra, aumentando seu encarceramento. Entre os réus processados por tráfico, 68% são negros, 72% têm até 30 anos e 67% não concluíram o ensino básico. O porte de armas e munições ocorre em menos de 20% das prisões por drogas; em apenas 13% dos casos há indícios de envolvimento prévio com organizações criminosas, indicando que o recrutamento para facções acontece em presídios superlotados (Ipea/2023).

Em outras palavras, é o superencarceramento de jovens que alimenta as fileiras do crime. Hoje, o Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo, com mais de 800 mil pessoas presas. Estão tentando apagar incêndio com gasolina.

Em nome da guerra às drogas, o Estado brasileiro a cada ano criminaliza, persegue, processa, encarcera e mata dezenas de milhares de pessoas. Além disso, corrompe agentes públicos para favorecer esse comércio ilícito, infiltrando o Estado de forma perigosa. Para piorar, torna o sistema de justiça criminal caro e burocrático, drenando recursos necessários a serviços públicos essenciais.

pesquisa “Um tiro no pé”, realizada pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC), detalhou os custos da proibição para 14 instituições da Justiça criminal. Em 2017, o Rio gastou mais de R$ 1 bilhão, e São Paulo, R$ 4,2 bilhões para guerrear contra o varejo do tráfico em favelas e periferias. Somados, os valores proveriam renda básica para cerca de 728 mil famílias por ano.

“Tiros no futuro” analisou como as constantes operações policiais nas áreas pobres do Rio de Janeiro prejudicam o desempenho dos estudantes e “Saúde na Linha de Tiro” mediu os efeitos devastadores dessas operações no atendimento e na saúde dos moradores.

Os estudos demonstram que seria irresponsável a aprovação da PEC que tramita no Senado Federal. Mais que um tiro no pé, a PEC antidrogas representa um verdadeiro tiro na cara da sociedade brasileira, um retrocesso atroz que vai promover a prisão de usuários, o superencarceramento de jovens e o fortalecimento das facções. Descriminalizar o uso das drogas hoje ilícitas e regulamentar o acesso adulto e medicinal é o caminho correto para desarmar a bomba-relógio social que a proibição armou, promovendo o cuidado em liberdade para pessoas com uso problemático de substâncias. O resto é demagogia, racismo e sadismo.

+ sobre o tema

Jovens protestam usando Niqab e mini-shorts na França

Londres, 04 de outubro: Em protesto contra a recente...

Luiza Trajano cria movimento para vacinar todos os brasileiros até setembro

Um grupo de empresários liderados por Luiza Trajano, do Magazine...

Movimentos sociais comemoram decisão da Câmara sobre os royalties

Projeto de lei destina 75% dos recursos para a...

para lembrar

“O cidadão que consome drogas é um portador de direitos como todos os outros”

Em entrevista aos Jornalistas Livres, o antropólogo Mauricio Fiore,...

Ativistas veem avanço em voto no STF sobre maconha, mas cobram reparação

"Parecia que tinham prendido o Marcola", disse, em entrevista...

Consórcio internacional adere a manifesto por nova política de drogas no Brasil

O Consórcio Internacional sobre Políticas de Drogas (IDPC), integrado por...

Nota de Posicionamento da Coalizão Negra por Direitos contra o extermínio de pessoas negras e a guerra às drogas na Bahia

Nós da Coalizão Negra por Direitos, composta por 293 organizações da sociedade civil, viemos a público manifestar o nosso repúdio à política de letalidade...

Zanin, a corda bamba envergonhada

O problema não é apenas que Cristiano Zanin seja um conservador nomeado por um presidente de esquerda; o problema é que seus votos, além de conservadores,...

Ativistas veem avanço em voto no STF sobre maconha, mas cobram reparação

"Parecia que tinham prendido o Marcola", disse, em entrevista ao jornal O Globo, em 2015, o mecânico Francisco Benedito de Souza ao lembrar a...
-+=