Militar que confessou ter incinerado corpos na ditadura sofreu atentado, diz senador

Paulo Paim (PT-RS) faz apelo para que ministro garanta segurança de ex-delegado

Por: Renan Truffi

 

O senador Paulo Paim (PT-RS) disse ao R7, nesta quarta-feira (16), que o ex-delegado e chefe do extinto Dops (Departamento de Ordem e Política Social), Cláudio Antonio Guerra, sofreu uma tentativa de assassinato na madrugada de hoje no Espírito Santo.

Recentemente, Guerra relatou aos jornalistas Marcelo Neto e Rogério Medeiros, no livro Memórias de Uma Guerra Suja, como incinerou corpos de adversários da ditadura numa usina de cana em Campos dos Goytacazes (RJ), ao longo de 1974. Ele também confessou outros assassinatos e se dispôs a falar na Comissão da Verdade, instalada nesta quarta.

Paim contou que ficou sabendo do atentado por meio dos autores do livro, que lhe pediram para falar sobre o ocorrido no Plenário do Senado. Segundo o senador, três homens cercaram a casa onde estava o ex-militar, em Vitória, antes de chegarem à varanda da residência.

— Ele [Cláudio] abriu a cortina e ouviu quando um deles falou que iria atirar. Então, ele pediu ajuda. Ligou para a polícia e para os autores do livro.

Ainda de acordo com Paim, os homens não conseguiram entrar no local e fugiram antes da chegada da polícia. Atendendo ao pedido, o senador denunciou o caso, na tribuna, e pediu ajuda do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para garantir a segurança do delegado.

— Considero da maior gravidade a tentativa de assassinato, porque ele é um arquivo vivo dos crimes que ele mesmo cometeu. Li no livro que a responsabilidade dele, na ditadura, era matar, inclusive, enquanto outros torturavam. Por isso, aproveito este momento para, mais uma vez, fazer um apelo ao ministro da Justiça para que se dê a devida segurança para que ele possa depor na Comissão da Verdade e esses fatos todos possam ser esclarecidos.

O atentado acontece um dia antes do depoimento de Cláudio Guerra na Comissão de Direitos Humanos, que estava marcado para acontecer nesta quinta (17), em Brasília. De acordo com Paim, por causa do episódio, tanto Cláudio Guerra como os autores do livros não vão mais à sessão.

 

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Jornal pioneiro contra racismo deu voz a movimento negro há 100 anos

Há 100 anos, a criação de um jornal na...

Leci Brandão: As médicas cubanas e as empregadas domésticas

Em pronunciamento, realizado nesta quarta-feira (28), na Assembleia Legislativa...

Ministra de Direitos Humanos vai lançar o selo Brasil sem Homofobia

O Governo Federal, por meio da Secretaria de Direitos...

para lembrar

Pesquisa: acesso a diagnóstico de câncer de mama pelo SUS ainda é tardio

Embora a qualificação dos exames laboratoriais feitos no âmbito...

Ministérios assinam documento para atuação conjunta contra o racismo e sexismo no esporte

O protocolo de intenções, assinado na noite desta sexta-feira...

IBGE publica edital para agente de pesquisas e mapeamento

- Fonte: IBGE - O Instituto Brasileiro de...

Programa com apoio da ONU quer garantir 3.000 lideranças negras até 2030

A 99jobs colocou no ar plataforma que servirá de...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=