Ministério Público denuncia mãe por iniciar a filha no candomblé

Promotor cita prática de escarificação como crime de lesão corporal; advogados apontam intolerância religiosa

O Ministério Público de São Paulo denunciou uma mulher que introduziu sua filha de dez anos no candomblé pelo crime de lesão corporal com violência doméstica agravada.

CRENÇA

O caso foi apresentado à comarca de Campinas do Tribunal de Justiça de São Paulo. O promotor Gustavo Simioni Bernardo afirma que a criança foi levada a um ritual religioso no qual “sofreu cortes provocados por gilete ou navalha, causando-lhe lesões corporais de natureza leve”.

CORRIQUEIRO

Ele se refere à prática de escarificação, tradicional incisão feita na superfície da pele durante o rito de iniciação à religião de matriz africana. No caso da criança apontada como vítima pelo promotor, as marcas foram feitas em um de seus braços.

DOIS PESOS

“O sistema jurídico brasileiro assegura a judeus e muçulmanos o direito de extirparem o prepúcio de bebês, reservando aos candomblecistas o encarceramento pela prática da escarificação religiosa”, afirmam os advogados de defesa Silvia Souza e Hédio Silva Jr., que associam o episódio a intolerância religiosa.

NOVIDADE

“O Tribunal de Justiça de São Paulo não registrou um único caso de incriminação de judeus ou muçulmanos pais de bebês, crianças ou adolescentes circuncidados. Tampouco inexiste responsabilização de pais de bebês por colocação de brincos”, seguem.

+ sobre o tema

Os orixás protegem

A mãe de santo Conceição d’Lissá resiste à intolerância...

Brasileira muçulmana é atacada com pedrada em São Paulo

Pernambucana foi atingida na perna enquanto andava na rua por...

para lembrar

Há ofensa e fundamentalismo na decisão contrária à umbanda e ao candomblé

Para Justiça Federal do Rio, candomblé e umbanda deveriam...

Mangueira faz samba que serve em cheio pra crise: “Só com a ajuda do santo”

O samba enredo da Mangueira, atual campeã do carnaval...

Sucessora de Mãe Stella: Ana de Xangô é a nova líder do Afonjá

Escolha da religiosa que comandará um dos mais importantes...
spot_imgspot_img

SP: Vigilante que sofreu racismo religioso no trabalho deve ser indenizado

Uma empresa de segurança e um shopping foram condenados a indenizar um funcionário que foi alvo de racismo religioso por colegas de trabalho. A...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a avó Iyá Davina, a iyalorixá Davina de Omolu, dizendo “nossas coisas estão nas mãos da...

Geledés discute racismo religioso na ONU

Geledés – Instituto da Mulher Negra segue com sua agenda nas Nações Unidas neste ano. Neste dia 8 de março, o instituto realiza na...
-+=