Novas protagonistas¹ para a cena política do Rio de Janeiro ou “Adeus, foi lindo, Observatório de Favelas”

 Sou da geração que viveu os “vinte” em pleno processo de redemocratização. Assistimos à criação do MST, o auge do movimento comunitário, a recriação da UNE, a criação do Sindicalismo Combativo e da CUT, a criação do PT, PDT e a legalização do PCB e PCdoB, além da ampliação das lutas dos movimentos negros, feministas, LGBTs, direitos da crianças e adolescentes, deficientes etc. No âmbito político, a geração que chegou ao núcleo do poder foi a anterior à nossa, aquela que tinha lutado mais diretamente contra a ditadura – Lula, Zé Dirceu, Dilma, Brizola, Miguel Arraes e muitos outros e outras.

Por Jailson de Souza e Silva, do Observatório de Favelas

Jailson de Souza e Silva (Leo Martins/ O Globo)

Na década de 90, muitos de nós nos afastamos da militância partidária ou sindical e fomos criar organizações da sociedade civil de um novo perfil: organizações formadas por quadros oriundos das periferias e favelas, em geral a primeira geração de suas famílias a chegarem à universidade, à cena cultural ou à gestão pública. Militantes de um novo tipo, com novas práticas, valores, discursos e objetivos.

Nesse quadro, nasceram várias instituições de relevância e com distintos projetos e referências políticas, tais como o primeiro CEASM – que gerou o Observatório de Favelas e a Redes de Desenvolvimento da Maré – CUFA, Afro Reggae, Nós do Morro e outras. A partir dessas organizações que revolucionaram a periferia carioca a partir da década de 90, muitas outras surgiram nos anos 2.000, gerando novos personagens na cena política, social e cultural do Rio de Janeiro.

O principal resultado dessa invenção daqueles sujeitos das periferias foi uma nova geração de jovens pessoas com um amplo repertório teórico, estético, performático e político. Essas milhares de jovens ampliaram a presença das periferias nas cidades e a colocaram, em particular no campo cultural, como o novo espaço de centralidade. Ao mesmo tempo, a política de extermínio dessa juventude negra pelas forças de segurança do Estado – seja de forma direta, através do assassinato, seja através dos cárceres ou através da criminalização das drogas e opção por perseguir a sua venda no varejo nas favelas – foi ampliada, fazendo com que se aprofundasse a luta pela democracia real e pelo direito das moradoras das favelas à segurança pública, dentre muitos outros.

Essa conjuntura que hoje vivemos exige, portanto, a revitalização de nossas agendas, de nossos métodos, de nossas caras e vozes. Essa é a razão para que tenhamos promovido uma radical mudança na diretoria do Observatório de Favelas. Eu e Jorge Barbosa fundamos a instituição em 2001, a partir da preocupação em ampliar a produção conceitual e metodológica sobre as favelas e periferias, além de buscar incidir em políticas públicas que garantissem o direito à cidade de forma plena para suas residentes.

Graça à ação de centenas e centenas de colaboradoras durante todos esses anos, a organização se tornou uma referência no Rio de Janeiro e no Brasil em termos de excelência na realização de projetos, na produção conceitual e na capacidade de formar novos sujeitos paras as cenas do mundo social. Estamos muito felizes com isso.

Temos hoje uma organização com 40% abaixo de 30 anos, 75% abaixo de 35. A grande maioria preta, mulheres, oriundos de favelas e periferias, com uma forte e valorizada presença LGBT. Logo, uma organização com essa presença, perfil e potência não pode mais ser dirigida com o mesmo perfil de dirigentes. Diante disso, após um processo de um ano de transição, Eu e Edu saímos da diretoria do OF. Jorge Barbosa ficará mais um tempo, cumprindo o calendário da transição. Aruan, por sua vez, um jovem de 28 anos, ingressa na diretoria, tendo ao lado Isabela, da mesma idade, Raquel, nos seus 40 e pouquinho, e Nalva, a sênior do grupo. São mulheres e homens comprometidos em manter o legado do OF e tornar ainda mais presentes nossas pautas de gênero e raciais.

Não é simples sair de uma organização como essa, ao qual dediquei, de forma intensa, meus últimos 17 anos. Um filho. A quem está na hora de abraçar e deixar seguir na vida. E o faço com imensa alegria, certo de que as pessoas veem sentido nela, querem que ela continue tendo relevância na realidade brasileira e capacidade de produzir mais algumas centenas e centenas de pessoas armados com toda a potência que emana das práticas cotidianas das favelas e periferias. De minha parte, só posso celebrar, então, essa caminhada, investir na construção do Instituto Maria e João Aleixo, com sua pretensão de ser uma organização relevante nas periferias do mundo contemporâneo, e declarar que termino essa etapa de minha vida com o sentimento de que avançamos muito na luta contra o racismo, o sexismo e o patrimonialismo institucional que sustentam a desigualdade nesse país. E que continuaremos buscando caminhos de contribuir para que tenhamos uma efetiva e humana democracia.

Adeus, OF, que seu caminho continue pleno.

¹Como já tenho assinalado, o uso do feminino nas palavras plurais tem como premissa a palavra “pessoa”. A prática visa superar o sexismo que domina tantos campos, dentre os quais a língua portuguesa.

 

Jailson de Souza e Silva : Diretor Geral do Instituto Maria e João Aleixo e Fundador do Observatório de Favelas

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

STJ mantém condenação por corrupção do ‘Japonês da Federal

O ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça...

Empate entre candidatos do PT e PSDB ao Planalto é inédito em início de campanha

Por: Wanderley Preite Sobrinho Com exceção de 1994,...

Covid- 19 e as noites escuras da alma

“Você não escolhe a noite escura – ela lhe...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=