“Por que brancos escutam apenas pessoas brancas?”

A jornalista Aline Ramos escreveu artigo para o Favela 247 questionando o destaque dado ao humorista Gregório Duvivier quando ele trata sobre racismo em sua coluna: “Por que ainda não são os negros que suscitam a discussão nos principais veículos de comunicação?”. Para a autora, os argumentos utilizados por Duvivier são “o óbvio que nós, comunicadores e militantes negros, estamos tentando transmitir e reverberar na rede faz muito tempo”. Aline lembra que de 555 colunistas de oito dos maiores veículos de imprensa, apenas 6 são negros

Por *Aline Ramos, para o Favela 247

O racismo mora nos detalhes

Como o Gregorio Duvivier diz, ele não quer se protagonista de luta nenhuma. Porém, nossa estrutura social racista o torna protagonista mesmo sem ser sua vontade individual. Tudo o que ele disse na coluna “Mundo, Brasil, Rio, Casa” é o óbvio que nós, comunicadores e militantes negros, estamos tentando transmitir e reverberar na rede faz muito tempo. O que foi escrito não é inédito e acredito que sequer possui a intenção de ser.

Entretanto, porque Gregório ganhou tanta atenção por apenas repetir nosso discurso? Porque veículos que se dizem de esquerda dão a ele o título de melhor análise da estrutura social atual? Por que uma pessoa branca ganha mais atenção ao falar sobre racismo do que uma negra? De modo algum o escritor e humorista deveria se calar perante o debate sobre racismo e descriminalização da maconha, não é esse o ponto. O questionamento é: Por que pessoas brancas escutam apenas pessoas brancas?

O texto de Gregório, que soa como uma espécie de confissão de seus privilégios, levanta muitas questões sobre a estrutura social racista em que vivemos. Essa não é a primeira vez que o escritor aborda em sua coluna a temática racial, mas até quando o máximo que leremos sobre é o reconhecimento de privilégios? Até quando os poucos colunistas que abordam a temática racial ficarão no raso? Certa vez ouvi que para o movimento negro nada está bom, e de fato, nada está bom para nós enquanto o racismo existir. Nada está bom se o máximo atingido são elogios ao Gregório.

A atenção dada ao escritor indica um detalhe, que para a população negra é estruturante: o racismo também mora nos detalhes. Sem dúvidas o debate racial ganhou mais visibilidade nos últimos anos, entretanto, por que ainda não são os negros que suscitam a discussão nos principais veículos de comunicação? A autora do livro “Um Defeito de Cor”, Ana Maria Gonçalves, escreveu para a Folha, mesmo veículo que Gregório é colunista, uma análise contundente: “De 555 colunistas e blogueiros de oito veículos de imprensa (Folha, “O Estado de S. Paulo”, “O Globo”, “Época”, “Veja”, G1, UOL, e R7), 6 são negros”. Para acrescentar mais dados sobre a representação do negro na mídia é importante nos voltarmos para algumas informações da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). O relatório publicado em 2012, que traça o perfil do jornalista no Brasil, indica que apenas 5% são negros e 18% pardos, totalizando em 23% de profissionais da área que não são brancos.

Impossível disputar espaço de maneira igual no debate de ideias e informações sobre racismo. Acreditar que somos todos iguais e que todos possuem a mesma voz é uma verdade que existe apenas para quem está do lado privilegiado. Quando apontamos as diferenças sociais não desejamos que brancos sejam omissos, mas que entendam que o simples ato de reconhecer privilégios não modifica a estrutura social excludente. Precisamos qualificar o debate racial no país, porém, será inviável avançar se os negros estiverem distantes dos principais canais de comunicação.
*Aline Ramos, 25, natural de Cubatão e moradora de São Paulo, é jornalista recém-formada pela Unesp de Bauru e blogueira no Que nega é essa?.

+ sobre o tema

Denúncias de racismo podem ser feitas pela internet em Araraquara, SP

Cidade é uma das primeiras a integrar o...

O racismo envergonha a Itália

A Itália tem um problema com a intolerância....

para lembrar

Lauryn Hill e a entrevista para a Rede Globo

A cantora americana Lauryn Hill chega nos próximos dias...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=