Racismo no futebol: as bananas e os bananas – Por: Luis Henrique Rolim

Eu tenho esta convicção: o futebol é um esporte racista, desde a sua concepção lá nas public schools inglesas e nós também cometemos “pequenas atitudes racistas” no nosso dia-a-dia. Então, atos de racismo nesse esporte, não são fatos isolados. E mais, eles vêm nos acompanhando ao longo da história e podem ser considerados um reflexo do desenvolvimento da nossa sociedade.

Limpeza das raças, raças superiores, segregação racial, etc. tudo já foi pauta de “grandes líderes” que se sucumbiram ao longo da nossa história. Muita gente brigou e briga contra os seus neo-seguidores. Porém na França e na Grécia, por exemplo, os partidos de extrema direita está ganhando força novamente. Eles são contra os imigrantes, a quem eles julgam serem os culpados pelo colapso da economia de seus países.

Então o futebol, sempre refletiu e continua refletindo a nossa sociedade. Mas o que realmente está me assombrando é que, em pleno século 21, ainda não temos uma legislação esportiva efetiva contra essas pessoas que se escondem em multidões para praticar esse crime. Os clubes sempre acabam como os responsáveis, e quase sempre são punidos. Mas são eles os culpados? Devemos prejudicar instituições por atos individuais?

A maioria dos clubes (com administradores inteligentes) já se desvincularam das torcidas organizadas. E convenhamos que eles não podem ser responsabilizados se alguém resolve jogar uma banana no gramado. Então quem é o responsável por esses atos racistas? Como punir indivíduos que dentro dos estádios cometem esse tipo de crime?

A resposta é simples. Da mesma forma que fazemos com quem comete esse crime fora das dependências esportivas. Simples, não é? Nós todos sabemos que não. Porque temos que acreditar que a justiça comum puna esses infratores e isso irá depender de cada país; e que no caso brasileiro, sabemos o quão isso pode ser insuficiente para exterminar essa “raça”.

Ah, mas podemos também nos associar ao poder público e denunciar esses “bananas do futebol”. Mas quem é que vai a delegacia depois de um jogo de futebol para praticar esse ato de humanidade? Também somos “bananas”.

É triste, mas estou convicto de que nada vai mudar no futebol.

Fonte: Brasil Post

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

‘Hear our voice’: Mulheres em mais de 30 países marcham contra Trump

Um dia após a sua posse do novo presidente...

Entrevista de FHC sobre a obra de Gilberto Freyre

"Considerava que a "inferioridade" atribuída aos negros era...

PSOL de São Paulo elege jovem militante do movimento negro como presidente

O Congresso estadual do PSOL de São Paulo realizado...

Lista atualizada Domingo 06/10 – Eleições do Conselho Tutelar – Dia 06/10 – Indicações

Segue lista de candidatos à Conselheiros e Conselheiras Tutelares...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=