Reeleito, Jaques Wagner consolida força do PT na Bahia

Por: Lucas Esteves

Governador supera as expectativas e chega aos 63% dos votos válidos, descartando possibilidade de segundo turno


O governador Jaques Wagner (PT) foi reeleito em primeiro turno com cerca de 63% dos votos válidos. A confirmação foi feita quando a apuração chegou a 80% das urnas e ele não podia mais ser alcançado por nenhum de seus adversários, que acreditavam na possibilidade de segundo turno no Estado.

O segundo colocado no pleito, Paulo Souto (DEM), marcou 16,3% de preferência junto ao eleitorado. Já Geddel Vieira Lima (PMDB) vem logo atrás, com 14,7% de votos. O governador acompanha a apuração do pleito no Palácio de Ondina, residência oficial dos chefes do Executivo, onde recebe os integrantes de sua coligação e prepara a festa da vitória.

A porcentagem alcançada por Wagner surpreende os analistas políticos locais devido às pesquisas de opinião registradas ao longo da campanha. Em todas elas, o ex-sindicalista oscilava entre 45% e 52% de intenções e voto. A realidade, no entanto, lhe deu uma vitória ainda mis ampla do que o esperado.

Com o resultado deste pleito, o ex-sindicalista permanecerá no Palácio de Ondina até 2014 e fará com que, politicamente, a Bahia se torne um Estado ainda mais importante para seu partido do ponto de vista estratégico.

Com redutos expressivos como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, e com pouca possibilidade de eleger petistas para o governo ou que sequer têm candidatos do partido na corrida eleitoral, o PT tem na reeleição de Wagner a oportunidade de manter o controle do quarto maior colégio eleitoral do País. A Bahia é um dos Estados onde, tradicionalmente, mais se vota no PT

Além do peso do Estado na economia nacional, a dispensa do segundo turno reverte a situação política de Wagner em 2006, quando o petista se elegeu pela primeira de maneira improvável. Naquele ano, todas as pesquisas de opinião apontavam uma derrota esmagadora para Paulo Souto (DEM). O então gestor que buscava a reeleição, porém, foi surpreendido por uma virada histórica e foi derrotado logo na primeira etapa da disputa.

O medo de que o mesmo pudesse acontecer em 2010 pairava sob a campanha petista ao mesmo tempo em que embalava os sonhos dos adversários, claramente desfavorecidos pelas consultas dos institutos especializados. Entretanto, a influência do governador com a propaganda eleitoral que promovia realizações de sua gestão foram capazes de convencer o eleitorado a continuar seu programa e as pesquisas confirmaram a real intenção do eleitor baiano.

A conjuntura da nova eleição de Wagner dá à Bahia também maior poder de barganha de investimentos e obras junto ao Governo Federal. O líder petista foi bastante criticado pelos oposicionistas durante o período de campanha por supostamente ter pouco aproveitado sua proximidade com Lula para promover o desenvolvimento estadual. Com Dilma no poder e na condição de um dos petistas mais fortes do Brasil hoje, espera-se que seja capaz de devolver à Bahia a posição de protagonista regional que nos últimos anos foi ofuscada especialmente por Pernambuco.

A campanha de Jaques Wagner foi especialmente concentrada no interior do Estado aproveitando também o trabalho de convencimento de prefeitos a apoiar sua chapa começado no ano anterior. Esta tarefa foi delegada ao candidato a vice, Otto Alencar (PP), que goza de prestígio junto às lideranças de todas as regiões devido ao seu período como ex-governador por duas oportunidades durante gestões passadas do PFL.

Alencar estava afastado da política mas, após ser convencido por Wagner a retornar à vida pública, deixou o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios para articular a adesão dos alcaides. Assim, conseguiu unir não só os aliados como também tirar de seus opositores diversos prefeitos, o que causou processos de expulsão partidária no PMDB, por exemplo. Durante o período oficial de campanha, Wagner fez inúmeras carreatas e se reuniu com lideranças e prefeitos de cada cidade durante os eventos para reforçar os acordos políticos.

Na TV e rádio, convenceu o eleitorado apresentando realizações recentes de seu mandato, grandes obras que faz em parceria com o governador ou totalmente bancadas por este, além de calcar o discurso na mudança política que trouxe à Bahia após a superação dos governos carlistas. Porém, acima de tudo, soube explorar a amizade de décadas com o presidente Lula e se personificar como o homem que, na Bahia, faz o trabalho que Lula fez no Brasil.

Este argumento em específico ajudou o petista a superar com folga os principais adversários, Paulo Souto (DEM) e Geddel Vieira Lima (PMDB). O primeiro, parte integrante da oposição local e federal, dificilmente poderia combater o apelo de Lula junto ao eleitorado pobre – maioria na Bahia – e sequer explorou a imagem de José Serra durante sua campanha. Já o ex-ministro da Integração Nacional, apesar de ser nacionalmente aliado de Lula e Dilma, não foi capaz de fazer melhor associação de sua figura e não teve forças para superar a linha entre 10% e 15% de preferência durante as pesquisas.

Esta realidade foi refletida nos debates entre os candidatos. Enquanto Souto calcava sua estratégia na crítica à atual gestão e resgate de desempenhos positivos de suas gestões anteriores e Geddel na ideia de que a proximidade de Wagner com Lula não trouxe desenvolvimento à Bahia, Wagner propôs aos adversários que comentassem programas de Lula no Estado e, logo após as falas, mostrava programas semelhantes em vigor na Bahia e listava uma série de números alcançados pela atual gestão.

 

 

 

Fonte: IG

+ sobre o tema

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

para lembrar

28/09 – Tracking Vox/Band/iG: Dilma fica estável em 49%

Petista aparece com mesmo índice pelo terceiro dia consecutivo;...

Roberto Jefferson rompe com Serra, anuncia voto em Plinio e libera PTB

Roberto Jefferson critica tucano e promete candidato do PTB...

Para associação de magistrados, Barbosa teve ‘lapso de memória’

Presidente da AMB rebate declaração de que criação de...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...
-+=