Restituição do Imposto de Renda em 2010 será recorde

Por: Luciana Otoni

 

Em seu último ano de governo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva está oferecendo um generoso reforço de caixa aos brasileiros. A restituição do Imposto de Renda atingirá em 2010 R$ 16,28 bilhões, o maior valor em tributos já devolvido aos contribuintes e 10% acima dos R$ 14,79 bilhões depositados no ano passado. Os pagamentos referem-se ao IR de 2009, consideram o total de 25 milhões de declarantes (parte deles não tem imposto a receber) e representarão uma média individual de R$ 1.100 em conta.

 

Outra informação para os contribuintes é que, diferentemente do ocorrido em 2009, neste ano não deverá haver atraso na liberação dos lotes de restituição. No ano passado, a crise econômica esfriou a economia, as indústrias produziram menos, a arrecadação de tributos caiu e o Ministério da Fazenda, com o caixa baixo, adiou o máximo que pode a devolução do imposto descontado a mais ao longo de 2008.

 

A garantia de que não haverá atraso é da Receita Federal, que promete não segurar o dinheiro do contribuinte. “As restituições serão feitas de forma regular, em sete lotes, a contar de 15 de junho. Neste ano, não vislumbramos nenhum problema na arrecadação. Ao contrário, nossa previsão é de crescimento em relação a 2009”, afirma o supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir. Ele informa que o primeiro lote de pagamentos privilegiará idosos e, na sequência, será dada preferência aos contribuintes que forem mais rápidos na prestação de contas.

 

Massa de salários

Neste ano, o governo projeta arrecadação líquida de tributos de R$ 529,66 bilhões, 16,12% acima do apurado em 2009. Desse total, R$ 194,75 bilhões deverão corresponder ao Imposto de Renda total recolhido das pessoas físicas e jurídicas. Joaquim Adir informa que o montante das restituições avança ano a ano e chega a R$ 16,28 bilhões em 2010 devido, em boa parte, ao aumento da renda dos contribuintes. “Em uma economia estável, a tendência é de elevação dos salários, até porque várias categorias profissionais conseguiram reajustes acima da inflação e isso é um fator de ampliação da renda”, esclarece o supervisor da Receita.

 

Alguns tributaristas classificam o Imposto de Renda como o mais leonino dos tributos. Primeiro, o governo tributa direto na fonte, por meio dos descontos em contracheque. Um ano depois, delega ao declarante o ônus de comprovar se o desconto foi acima ou abaixo do previsto. Feita a prestação de contas, o fisco pode levar até 12 meses para devolver o dinheiro tomado um ano antes. Ou seja, no limite, o imposto a mais descontado em janeiro de 2010 pode ser devolvido até dezembro de 2011.

 

 

Fonte: Correio Braziliense

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Trocando mitos por história – Eric Hobsbawm

O ataque às torres gêmeas do World Trade Center,...

Mantega anuncia pacote de segurança para evitar vazamento de dados fiscais

O Ministério da Fazenda divulgou hoje (14) medidas...

Lançamento do livro PERIFEMINAS, em São Paulo – Por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva PERIFEMINAS: uma história do Hip Hop...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=