Roberta Rodrigues: do Vidigal para o mundo

Roberta Rodrigues não economiza emoção. Seja alegria, por estar vivendo a Fabíola de Insensato Coração, seja tristeza, ao lembrar, com lágrimas nos olhos, que no ano passado foi vítima de racismo em um bar no Rio de Janeiro. “Chorei e repensei minha vida”, disse a atriz ao repórter Pedro Moraes, enquanto respondia às perguntas dos leitores enviadas ao site de QUEM. Nascida na Favela do Vidigal, Zona Sul do Rio, Roberta também canta no grupo Melanina Carioca, com outros dez integrantes do Nós do Morro, projeto cultural do Vidigal, de que é cria. Atualmente, ainda inclui na agenda o concurso Dança dos Famosos, quadro do Domingão do Faustão que pretende vencer: “Os participantes moram no meu coração, mas estou lá para ganhar”.

1 – Acha que atores negros estão sendo mais bem aproveitados na televisão?

Acho triste que tivemos que esperar tanto, mas está melhorando. No teatro, fiz uma princesa em Os Cavaleiros de Verona, fomos a Londres nos apresentar. Estreamos aqui e, na primeira entrevista, perguntaram como era ser uma princesa negra. Nunca parei para pensar nisso. No Nós do Morro não nos importamos com cor de pele.

2 – Você aceitaria ser rainha da bateria de escola de samba?

Fui convidada por uma escola do grupo especial de São Paulo. Tenho que conversar com eles para saber sobre como seriam minhas idas para lá. Por mim, já aceito. Sou carioca, do morro, é minha cultura. Pequenininha, me arrumava e desfilava em casa com as escolas, pela televisão. Estou treinada.

3 – Como é participar das novelas de Gilberto Braga?

Nasci com o bumbum virado para a lua. É minha segunda novela do Gilberto Braga. Uma vez, estava no Baixo Gávea com a Maria Flor e o Jonathan Haagensen, e ele (Gilberto) veio falar comigo por causa do filme Cidade de Deus. Disse que eu estaria na próxima novela dele (Paraíso Tropical, 2007). Quando fui convidada, chorei muito. Estou aprendendo a trabalhar com TV e me divirto.

4 – Você ainda mora no Vidigal? Já recebeu colegas em casa?

Por mim, passo toda a minha vida lá. Moro com meus pais, Eliane e Adilson, e meu irmão, Bruce. Estou juntando grana para morar sozinha. Quero comprar uma casa lá, que fica em cima de uma pedra, de frente para o mar. Saí do Vidigal para o mundo, mas, se tiver que fazer uma festa, quem quiser tem que subir. A Maria Flor cansou de ir, o Seu Jorge, Maria Gadú, Luiza Possi, Eriberto Leão. Tem churrasco na laje, banho de mangueira e piscina de plástico.

5 – Você já passou por situações de preconceito?

Nunca sofri preconceito no trabalho. Brinco com o Dennis (Carvalho) que ele tem que me tratar bem porque sou a cota, mas em 2010 passei por uma situação punk. Fui lanchar num bar no Leblon e um dos meninos de um grupo me olhou. Uma garota que estava com ele ficou com raiva, me seguiu e disse: “Vai, sua preta, sua suja. Tenho dinheiro e você é ferrada”. Foi tão agressivo, que não tive força para me defender. Chorei e repensei minha vida. Refleti e vi que estava certa por estar incomodando no espaço dela.

6 – Como está sendo a experiência na Dança dos Famosos?

Acho que tem uma Roberta antes da Dança e outra depois. É complicado e realmente é um exercício de superação. Como gosto de ir ao meu limite, está sendo maravilhoso. Estou preparada para a competição. Os participantes moram no meu coração, mas estou lá para ganhar.

7 – Você acredita em Deus?

Acredito na força divina. Sonho coisas que acontecem. Isso ficou mais claro quando sonhei que meu irmão caía de uma pedra. Naquele dia, acordei com a campainha. Era um amigo, avisando que meu irmão tinha caído da pedra. Ele não morreu porque Deus não quis. Tenho muita fé, mas não tenho religião definida.

8 – Você e o Thiago Martins namoraram. Ainda são amigos?

Ele é meu amigo, paixão da minha vida. A gente tem até um filho, o Imperador, um labrador. Falo que ele tem que pagar pensão, comprar ração, senão boto na Justiça (risos).

9 – Você já teve experiências com drogas?

Não. Sei que as pessoas não acreditam porque moro no morro. Vivo uma realidade que sei o que significa a escolha de quem fuma maconha. Tenho amigos que eram viciados e pararam depois de uma guerra no Vidigal.

10 – Você posaria nua?

Já tive uma proposta, quando fiz ‘Mulheres Apaixonadas’ (2003), mas não tinha nada a ver.

Não é uma prioridade, mas acho lindo e a grana pesaria.

 

+ sobre o tema

Acre – VII Parada do Orgulho LGBT no Dia Nacional da Consciência Negra

Maior evento do calendário cultural apresenta show da Banda...

Emma Watson vai à peça de Harry Potter e tieta atriz que vive Hermione

Conhecida por ter interpretado a personagem Hermione em todos...

Iza faz pocket show online para apresentar novo single ‘Gueto’

Iza prepara um pocket show online na quinta (3)...

Pílula de cultura encerra semana da consciência negra

Festa PÉ NA AFRICA fecha a Semana da Consciência...

para lembrar

Ecos da escravidão

Por: Cynara Menezes No anúncio de tevê feito para atrair...

Fotos em preto e branco? Não. Incríveis desenhos de uma jovem artista nigeriana

Quando um lápis consegue o mesmo que uma câmera. Estas...

Iphan quer incluir Cais do Valongo como patrimônio da humanidade

Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil O Instituto do...
spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...
-+=