Guest Post »

Sítio histórico de Queimado pode ser restaurado

 

Nesta segunda-feira (04) mais um monumento histórico e cultural do Espírito Santo pode ter avançado para a restauração. O Sítio Histórico de Queimado, localizado no município da Serra recebeu a visita da ministra da Igualdade Racial, Luiza Bairros. A ministra veio ao Estado conhecer o local e manifestou o interesse da Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) em contribuir na preservação.

O sítio abriga as ruínas da igreja de São José e foi palco da revolta de negros escravos mais famosa do Espírito Santo, a Revolta do Queimado. “O Quilombo de Palmares era o sítio histórico mais importante do Brasil no que diz respeito à luta pela liberdade dos escravos. Mas estamos descobrindo novos sítios que nos permitem contar a história de luta e de formação do povo brasileiro, como este de Queimado. Recuperar os sítios não é somente um ato de preservação da história. É também atualizar a luta do povo negro, trazê-la para o presente”, afirma a ministra.

Segundo Luiza Bairros, no Brasil existem hoje cerca de 16 milhões de pessoas vivendo na extrema pobreza, dos quais 70% são afrodescendentes. “Infelizmente no Brasil pobreza ainda tem cor, violência ainda tem cor e é a negra. O nosso país somente irá se desenvolver quando incluirmos todos”, defendeu Roberto Carlos, que acompanhou a ministra.

No local, Luiza Bairros recebeu o Estudo Arqueológico e Histórico do Sítio Histórico de Queimado, encomendado pela prefeitura da Serra à Fundação Ceciliano Abel de Almeida. O documento detalha a história do local e prevê ações como o restauro das ruínas e o resgate de elementos que remetam a características originais da construção.

A ministra também conheceu a estrada de acesso ao sítio histórico que está sendo recuperada e pavimentada, em uma parceria entre a prefeitura e o governo do estado. São ao todo 14 quilômetros que ligarão a sede do município da Serra a Queimado. A estrada deverá ser chamar Chico Prego, em homenagem a um dos líderes da insurreição de 1849.

 

Fonte: Eshoje

Related posts