quarta-feira, outubro 21, 2020

    Tag: HQ

    Imagem: Reprodução/Twitter

    Michael B. Jordan produzirá filme em live-action do ‘Super Choque’

    A versão live action do filme do Super Choque terá Michael B. Jordan na produção ao lado da Warner por meio do selo Outlier Society, marca do ator. Esse será o primeiro trabalho de Jordan como produtor em torno dos super-heróis da DC Comics. Em comunicado, ele disse que está "orgulhoso de fazer parte da construção de um novo universo centrado em heróis negros. Nossa comunidade merece isso". "A Outlier Society está comprometida em dar vida a diversos conteúdos de quadrinhos em todas as plataformas e estamos entusiasmados com a parceria com Reggie e Warner Bros nesta etapa inicial", completou. O cineasta Reginald Hudlin, responsável pelo roteiro da nova graphic novel do herói prevista para 2021, também integra a equipe de produção do longa.   Ver essa foto no Instagram   ⚡️😏 Uma publicação compartilhada por Michael B. Jordan (@michaelbjordan) em 16 de Out, 2020 às 7:20 PDT O herói ...

    Leia mais
    Shuri em pôster do primeiro 'Pantera Negra' (Foto: Divulgação/ Marvel)

    Após morte de Chadwick Boseman, ‘Pantera Negra 2’ pode ter Shuri como protagonista

    Pouco depois de saber da morte de Chadwick Boseman, astro de “Pantera Negra”, aos 43 anos, os fãs pediram que a Marvel Studios não reformulasse o papel. A demanda criou um dilema para o estúdio que planeja uma sequência do primeiro grande filme de super-herói de Hollywood com um elenco predominantemente negro. Escritores, acadêmicos e ativistas falaram à agência Reuters sobre o impacto cultural do filme e o desempenho de Boseman. Eles acreditam que a Marvel e sua empresa-mãe, Walt Disney Co, deveriam honrar o legado de Boseman com um enredo que consagre uma nova Pantera Negra do elenco existente do filme ou em outro lugar no Universo Marvel. “Eles realmente deveriam considerar seguir o enredo da história em quadrinhos e levar Letitia Wright (que interpreta Shuri, a irmã gênio da tecnologia do personagem de Boseman) nesse papel central”, disse Jamil Smith, escritor sênior da revista Rolling Stone. “Nós a ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site Hypeness

    Plataforma cria ‘Netflix independente’ com quadrinhos africanos para o isolamento

    O mundo dos quadrinhos não se restringe à Marvel e a DC – nem muito menos aos personagens, heróis e vilões, criados nos EUA. Um bom exemplo do sem fim de possibilidades que os quadrinhos podem nos oferecer se encontra na plataforma Vortex 247, uma espécie de Netflix dos quadrinhos produzidos no continente africano. Reunindo o melhor dos conteúdos geek e da cultura pop dos países da África, a plataforma foi desenvolvida a partir de iniciativa do celebrado estúdio de quadrinhos e animação Vortex Corpo, da Nigéria, mas os conteúdos vem dos mais diversos países do continente. E não somente: além de quadrinhos produzidos na Nigéria, Zimbábue, África do Sul, Gana, Quênia e tantos outros, países que compõem o cenário da diáspora africana, como os EUA, também fazem parte da plataforma – a curadoria fica por parte do CEO da Vortex Corp, Somto Ajuluchukwu. Terra dos Deuses, de Somto Ajuluchukwu (Nigeria) and Janica Barrett ...

    Leia mais
    Super Choque (Divulgação/DC Universe)

    ‘Super-Choque’ e sua grande aula sobre questões sociais, racismo e ancestralidade

    Em uma época onde a representatividade cresce cada vez mais, foi possível mostrar que existem personagens de quadrinhos que fogem do padrão. Por Marcos Marques, do HQzona Super Choque (Imagem: Divulgação/DC Universe) Recentemente, a Marvel fez a sua grande aposta em Pantera Negra, um filme que trouxe um novo ar para Hollywood com um elenco de pessoas negras trazendo muito empoderamento, crítica social e se destacando por ser um dos melhores filmes já feito não apenas no gênero de super-herói, mas no modo geral. Mas não apenas a Marvel foi a percussora em trazer um super-herói negro para os cinemas, como a DC foi a grande responsável por trazer uma das animações mais incríveis para a televisão de muitas crianças e adolescentes dos anos 2000, vai me falar que você não ficava ansioso e cantava a introdução de Super-Choque? A animação fez um grande sucesso pelo ...

    Leia mais
    Editora Veneta/Divulgação

    HQ Angola Janga – Uma História de Palmares vai ganhar uma minissérie nos EUA

    Graphic novel de Marcelo D’Salete será adaptada pela produtora Wise Entertainment, do brasileiro Maurício Mota Por Nicolaos Garófalo, do Omelete Editora Veneta/Divulgação HQ brasileira sobre o quilombo dos Palmares, Angola Janga – Uma História de Palmares, escrita e ilustrada por Marcelo D’Salete e lançada em 2017, será adaptada para a TV nos Estados Unidos. A obra, vencedora do Prêmio Jabuti 2018, ganhará uma minissérie de 13 episódios (via O Globo). A produção ficará por conta da Wise Entertainment, produtora do brasileiro radicado em Los Angeles Maurício Mota. A equipe de roteiristas conta com um time de escritores negros americanos e brasileiros. Publicado pela Veneta, Angola Janga conta a história de um dos maiores e mais importantes quilombos da história do Brasil, conhecido como um dos grandes símbolos da resistência contra a escravidão na época do Império. Além do Jabuti, Angola Janga também venceu o prêmio HQ ...

    Leia mais
    Lili é uma vingadora e sua história foi inspirada na de sua criadora (Ilustração )

    Ilustradora abusada na infância faz HQ sobre o tema e é ameaçada de morte

    Este poderia ser um texto sobre Lili, a heroína adolescente de uma história em quadrinhos que resolve, como tantos outros heróis das HQs, aplicar aos criminosos sua própria noção de justiça. Abusada na infância, ela combate toda sorte de feminicidas e pedófilos. Por Janaina Garcia, da Universa Acontece que este virou um texto sobre a criadora de Lili, a ilustradora carioca Juliana Lossio Guerra, 24 anos. Isso porque, por causa de sua personagem, ela passou a sofrer ameaças contra sua vida. Elas começaram, segundo Juliana, depois de que páginas do Facebook ligadas a movimentos de direita passaram a compartilhar não somente a HQ com interpretações enviesadas como também fotos pessoais de Juliana e a associação dela à figura da "feminista maluca que odeia homens". Ela expôs o caso em seu perfil no Twitter. Na última sexta-feira (24), por meio de advogadas do Instituto Anjos da Liberdade, a ilustradora encaminhou as ameaças ao Ministério ...

    Leia mais

    A cor do Nanquim: Uma análise sobre os negros que produzem HQs no Brasil

    As dificuldades e o sucesso de alguns dos principais profissionais do país Por ISABELLE FELIX, do OMELETE  Divulgação Desafios de ponta a ponta marcam o cenário dos quadrinhos nacionais. Mas os entraves - que começam na produção e seguem firmes até a distribuição - ganham tintas ainda mais carregadas quando falamos em profissionais negros, especialmente roteiristas e desenhistas. As dificuldades, como em outras profissões, começam a ser maiores já na formação, com cursos e materiais caros, além do racismo. Os obstáculos e preconceito seguem no início da carreira e também em áreas como publicidade, usadas muitas vezes pelos quadrinistas como fonte alternativa de renda. E isso para começar com apenas alguns exemplos. Para o desenhista e ilustrador Jefferson Costa, responsável por obras como La Dansarina, A Dama do Martinelli e Jeremias – Pele, ver menos profissionais negros em feiras de HQs é o resultado de dificuldades que vão se acumulando. “Ser um cidadão negro no Brasil é difícil. Profissões ligadas à ...

    Leia mais

    “Trabalhar a literatura de Carolina Maria de Jesus foi imprescindível para descolonizar olhares”

    Silene Barbosa mergulhou na história da escritora negra Carolina Maria de Jesus para trazer aos quadrinhos a vida de uma catadora de papel da periferia de São Paulo que realizou uma das mais importantes obras literárias brasileiras, “Quarto de Despejo”, livro traduzido em 13 idiomas e distribuído em 49 países. O HQ “Carolina” foi indicado, em 2017, ao Prêmio Jabuti, o mais importante da literatura brasileira, e Sirlene foi a primeira quadrinista negra indicada à premiação. Os diálogos nos quadrinhos ganham ainda mais força com os traços do artista visual João Pinheiro. Mestra em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela PUC-SP, a professora de língua portuguesa revela nesta entrevista à coluna Geledés no debate que sua inspiração para escrever o livro veio de um momento em sala de aula, em que meninas negras não se identificaram com as princesas da literatura. Sirlene não está sozinha como inspiração para as ...

    Leia mais
    banner-facebook

    Cumbe, Angola Janga e Carolina são aprovado no Plano Nacional do Livro Didático Literário 2018

    Os quadrinhos Angola Janga, Cumbe (ambos de Marcelo D’Salete) e Carolina (João Pinheiro e Sirlene Barbosa) foram aprovadas no mais recente edital do Plano Nacional do Livro Didático Literário (PNLD Literário). por Samir Naliato no Universo HQ banner-facebook As três obras tratam de temas como a escravidão e a discriminação racial e, a partir de 2019, serão adotadas em escolas públicas de ensino médio de todo o Brasil. Em outubro, professores de toda a rede farão a escolha dos livros. Consideradas por especialistas um importante instrumento no tratamento de temáticas transversais a variados campos do conhecimento, as histórias em quadrinhos podem atender simultaneamente a diversos objetivos de aprendizagem. "Consideradas por especialistas um importante instrumento no tratamento de temáticas transversais a variados campos do conhecimento, as histórias em quadrinhos podem atender simultaneamente a diversos objetivos de aprendizagem. Os três títulos da Veneta selecionados trazem importantes recursos para o ensino da história e da cultura ...

    Leia mais
    "Cumbe", que ganhou versão americana com o título "Run for It" Imagem: Facebook

    Marcelo D’Salete é vencedor do importante prêmio Eisner, considerado o “Oscar” dos quadrinhos

    "Não imaginei que seria minha vez", diz brasileiro vencedor do "Oscar" dos quadrinhos no Entretenimento UOL Vencedor do importante prêmio Eisner, considerado o “Oscar” dos quadrinhos, o paulista Marcelo D'Salete, 38, parecia não acreditar quando recebeu de amigos, via mensagem de texto, a notícia de que sua graphic novel "Cumbe" havia vencido nesta sexta (20) na categoria de melhor edição americana de material estrangeiro. "Cumbe", que ganhou versão americana com o título "Run for It" Imagem: Facebook “Como o prêmio saiu tarde, depois da meia-noite do Brasil, amigos começaram a me parabenizar. Foi uma surpresa muito grande. Lembro que ontem fui conferir as obras que estavam concorrendo, todas de excelentes artistas, imaginei que não seria minha vez”, diz ao UOL o artista, que é professor, ilustrador e desde 2008 autor de histórias em quadrinhos. Clique aqui e conheça mais sobre ele. Prêmio Eisner, conquistado por Marcelo D'Salete ...

    Leia mais
    O quadrinista brasileiro Marcelo D'Salete - Rafael Roncato/Divulgação

    Marcelo D’Salete concorre ao Eisner, maior prêmio dos quadrinhos com HQ sobre escravidão

    Em 2004, leituras sobre o quilombo dos Palmares —em sua maioria escritas por autores brancos— despertaram no quadrinista paulistano Marcelo D'Salete, 38, a vontade de imaginar a perspectiva do negro nas narrativas sobre o Brasil colonial. por Amanda Ribeiro no Folha O quadrinista brasileiro Marcelo D'Salete - Rafael Roncato/Divulgação Desde então, ele se dedica a pesquisas para dar aos negros a possibilidade de contar a própria história. "A fundação de Palmares foi um evento extraordinário. Alguns historiadores contam isso de maneira tão próxima da literatura que fui lendo a história quase já pensando nos personagens", diz o autor, em entrevista à Folha. Quanto mais se dedicava a produzir a história de Palmares, no entanto, mais se tornava evidente a necessidade de conhecer outros quilombos e compreender os mecanismos da sociedade escravista. Em novos estudos, encontrou textos que abordavam casos específicos de escravizados em conflito com seus ...

    Leia mais
    Imagem: Podcast Mano

    Lançamento do novo GRAPHIC MSP “Jeremias Pele” traz debate sobre racismo e representatividade

    Nessa terça-feira, dia 24, foi realizado o lançamento do mais novo Graphic do selo Maurício de Sousa Produçõese o Garotas Nerds marcou presença! Com um bate papo com Rafael Calça (roteiro), Jefferson Costa (arte), Sidney Gusman (editor) e o Emicida, foi apresentado um pouco sobre o processo de produção da história em quadrinhos “Jeremias – Pele” por Natalia Sierpinski no Garotas Nerds Rafael Calça começou sua fala já apontando que o foco deste quadrinho foi em trazer o Jeremias como protagonista e contar a história dele de fato, o personagem surgiu em 1960 e este é o primeiro quadrinho em que temos ele na capa. Vamos falar sobre o Jeremias pela primeira vez. Uma história nunca saiu tão rápido e tão fácil pra mim, porque é o exatamente o que a gente passa – Rafael Calça O quadrinho “Jeremias – Pele” aborda como temática principal o racismo na infância. Algumas situações que acontecem com o ...

    Leia mais

    Contos dos Orixás/ Tales of the Orishas

    por Hugo Canuto INTERVIEW FOR TRIP TV CHANNEL ENGLISH VERSION The greatest stories from Yoruba mythology, taken to the universe of Comicbooks. Hi, my name is Hugo Canuto and just like you, I’m a passionate about Comics! I have always been fascinated by the great epic sagas that burned the souls of the ancients, creating civilizations and monuments. From Gilgamesh to Darth Vader, beautiful Porasy, Thor or Superman, the heroes of a thousand faces still stir our imaginations, with the same charm as when we heard stories around the fire, in the night of time. Although since 2013 I have thought of developing a work that addresses the African culture, a few months ago decided to start it, drawing “The Orixas” in honor of the 99 years of the master Jack Kirby, one of the most influential artists in comics.  Kirby Collector Magazine – 71 ORIXAS/ ORISHAS Then, I ...

    Leia mais

    Black Friday um HQ sobre o negro no Brasil e no mundo, por Robson Moura

    Sou Robson Moura, trabalho há mais de vinte anos no mercado de ilustração, colaborando com estúdios e produtoras, fazendo quadrinhos, storyboards e ilustrações e atualmente trabalho como professor na rede pública estadual. por Robson Moura no Cartase. me Hoje estou aqui para falar do meu projeto de revista de história em quadrinhos chamado Black Friday. A Black Friday é uma revista em quadrinhos que fala sobre o negro no Brasil e no mundo. Ela surgiu da necessidade de expressar o meu ponto de vista sobre o racismo, preconceitos e desigualdades sociais que ocorrem em nosso país e mundo afora. A ideia surgiu em 2015. Semanalmente ao assistir TV, ler jornal ou portais da internet me deparava com notícias sobre racismo, injúrias raciais além das notícias cotidianas de violência urbana e resolvi trabalhar com páginas de quadrinhos pra expor o meu olhar de quadrinhista negro sobre isso. Escolhi um dia específico ...

    Leia mais

    9 novos super-heróis da Marvel contra o preconceito

    Homens fortes, viris, brancos e bonitos. Este era o padrão nas HQs de heróis. Super-Heróis estampando na capa um modo do público reconhecer que pra ser “super” em alguma coisa precisava se espelhar naquele homem de uniforme. As crianças - assim como adolescentes e adultos - ficam fascinadas com as tramas envolvendo poderes, garotas indefesas e vilões maléficos. No século XXI, a tendência para a desconstrução desses padrões, que refletiam a autoestima e identificação dos nossos jovens no mundo a fora, precisava ganhar ascensão. Contudo, pairamos no século XX. Heróis negros não são recebidos com tanto sucesso quanto um herói branco; heroínas são alvo de piadas - questionando o poder feminino; e heróis LGBTs são colocados contra a parede, num preconceito heteronormativo.  por Douglas Hinckel no Info Geek Corp A famosa marca editorial de quadrinhos Marvel Comics está pra lançar uma linha de histórias envolvendo os substitutos de heróis tradicionais, ...

    Leia mais

    Ilustrador baiano lança HQ inspirada em Orixás

    A campanha de financiamento para publicação do romance ilustrado “Contos de Òrun Àiyé”, série de HQ's inspiradas nos Orixás, chegou ao fim na última sexta-feira (13) com um saldo de 804 colaboradores e R$ 40 mil arrecadados. Vale ressaltar que a meta inicial estabelecida através da plataforma de financiamento coletivo "Catarse", era R$ 12 mil. "O prazo era para junho, mas eu acho que será adiado. Como a campanha cresceu, as recompensas cresceram. Estou organizando os novos prazos", comemora Hugo Canuto, ilustrador e idealizador do projeto, em entrevista ao Bahia Notícias. Ele credita o desempenho da campanha à força do tema, e a maneira cuidadosa como as narrativas africanas tem sido abordadas desde a repercussão positiva de uma arte em homenagem ao lendário desenhista norte-americano Jack Kirby. Do Bahia Noticias , por Marcos Maia Foto: Reprodução / Facebook Canuto recorda que a arte com Orixás, que lembra a edição inaugural dos "Vingadores", também ...

    Leia mais

    Os negros nas histórias em quadrinhos – parte 2

    A Era de Prata (1956 – 1969) Ebulição Social No final dos anos cinqüenta e início dos sessenta o Movimento Negro começava a tomar as ruas dos Estados Unidos, reivindicando a melhoria da condição de vida dos afro-americanos. por Claudio Roberto Basilio no HQ Maniacs O Movimento Negro se dividia em diversas vertentes, desde a mais pacifista, que era representada pelo Movimento dos Direitos Civis do Reverendo Martin Luther King até as mais radicais, que podíamos ver na Nação do Islã de Malcom X e no Partido dos Panteras Negras. Tal ebulição social acabou se refletindo nos quadrinhos e é sobre o surgimento de alguns personagens negros nos comics nesse período que esse artigo vai tratar. Nesse período, o mercado americano de quadrinhos foi tomado de assalto pela ascensão da Marvel Comics, ascensão essa capitaneada por Stan Lee e por um rol de personagens que, pela criatividade com que foram elaborados revolucionaram ...

    Leia mais

    ‘The Flash’: Kid Flash é o super-herói negro que nós queremos

    Você está pronto para ver como ficou descolado o Kid Flash negro da série The Flash? por Caio Delcolli no HuffPost Brasil O canal The CW divulgou a primeira imagem oficial do ator Keiynan Lonsdale caracterizado como o herói nesta terça-feira (12): Wally West é esperado para aparecer como Kid Flash no primeiro episódio da terceira temporada, em outubro deste ano. Nos quadrinhos da DC, a versão negra do personagem apareceu pela primeira vez em 2014, em uma repaginação dos super-heróis da editora. Ele é parceiro do Flash, que na série é vivido por Grant Gustin. No Brasil, The Flash é exibida pelo canal pago Warner.

    Leia mais

    Adeus Tony Stark: Novo ‘Homem’ de Ferro é Riri Williams, uma adolescente negra

    Na saga da Marvel nos quadrinhos, a adolescente genial Riri Williams tomará o lugar de Tony Stark como o novo "Homem" de Ferro. Segundo o roteirista Brian Michael Bendis disse à revista Times, o evento acontecerá no arco da Guerra Civil 2 das HQs. no Catraca Livre Recentemente, Riri Williams já conseguira criar uma versão antiga da armadura de Tony Stark com peças encontradas no campus do MIT. O roteirista disse à publicação que a transição de Riri a homem de ferro "é inspirada no mundo ao meu redor para um segmento que não é suficientemente representado na cultura popular". A decisão é apenas a última a trazer mais inclusão a segmentos menos representados entre os super-heróis, como uma versão feminina de Thor e uma negra e latina do Homem Aranha lançada em 2012. "Felizmente, por causa de meu envolvimento na criação de Miles Morales, Jessica Jones e outros personagens, ...

    Leia mais

    A história radical e empoderadora da primeira história em quadrinhos feminista feita por mulheres

    Em 1954, a Comics Magazine Association of America criou o Code Authority of Comics, para regular e com frequência higienizar os quadrinhos independentes e mainstream. Representações de violência, sexo e drogas, assim como conteúdo socialmente progressivo, eram estritamente proibidos. Por Priscilla Frank Do Brasil Post Cerca de 1968, um movimento underground dos quadrinhos começou a borbulhar sob o reino dos quadrinhos absolutamente limpos, dominados por super-heróis e infelizes garotas secundárias. O movimento, liderado por artistas como Robert Crumb, Jack Jackson e Gary Panter, escapou dos olhos cuidadosos do código dos quadrinhos pois eram vendidos em lojas que vendiam acessórios para maconha ao contrário das reguladas lojas de quadrinhos. Ao fazer isso, eles eram livres. O que esta liberdade nova e sem precedentes significou para um grupo de talentosos e desafiadores rebeldes e também, estrondosamente, composta de artistas homens? Bem, entre outras coisas, resultou em um bocado de garotas desnudas de ficção ...

    Leia mais
    Página 1 de 2 1 2

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist