terça-feira, dezembro 6, 2022
InícioEducaçãoNotícias em EducaçãoUniversidades temem paralisação de atividades após bloqueios no orçamento

Universidades temem paralisação de atividades após bloqueios no orçamento

Instituições de ensino superior temem paralisação das atividades, após o governo federal bloquear orçamento do MEC

Em um momento delicado da campanha eleitoral, o bloqueio de verbas na educação tem causado controvérsia no país. Desde que o Ministério da Educação (MEC) anunciou um contingenciamento de R$ 2,63 bilhões no orçamento deste ano, os reitores das instituições de ensino alertaram para o risco de paralisação das atividades das universidades federais.

O corte representou perda de mais R$ 328,5 milhões apenas para o ensino superior. Somado aos contingenciamentos anteriores, o setor já perdeu mais de R$ 2,4 bilhões em recursos. Para a Instituição Fiscal Independente (IFI), porém, o valor deve ser ainda maior, já ultrapassando a casa dos R$ 3 bilhões.

Divulgado por meio do relatório de receitas e despesas do orçamento de 2022, o bloqueio tem por objetivo cumprir a regra do teto de gastos — pela qual a maior parte das despesas não pode subir acima da inflação do ano anterior. Também não foi informado se o contingenciamento reverterá a liberação de emendas parlamentares das últimas semanas.

Reitores preocupados

Para a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), o novo bloqueio deve inviabilizar o pagamento de despesas básicas das salas de aula, como faturas de energia e água, serviços terceirizados como limpeza e segurança, bolsas de estudo, restaurantes universitários, além de outras áreas fundamentais no funcionamento.

O presidente da entidade, reitor Ricardo Fonseca, afirmou que as consequências serão inúmeras. “Tinham universidades que já estavam em colapso orçamentário e, depois desse bloqueio, todo o sistema será afetado. Projetos que atingem a população, como o desenvolvimento de vacinas, pesquisa e extensão; bolsas de subsídio aos estudantes e despesas mais básicas não poderão ser pagas; trabalhadores terceirizados podem ser demitidos”, disse.

Fonseca também se manifestou via redes sociais e destacou que o novo corte é “dramático, decepcionante, inadmissível e inusitado”. “Não se está discutindo apenas semântica. As universidades não receberão recursos em outubro e novembro”, completou.

Por outro lado, o governo nega a possibilidade de paralisação das atividades. O ministro da Educação, Victor Godoy, disse que o contingenciamento é temporário.”Não existe um único corte nas universidades. O bloqueio que foi feito no orçamento do Ministério da Educação, que é um bloqueio que, hoje, foi reduzido de R$ 2,6 bilhões para R$ 1,3 bilhão, não afeta em um centavo as universidades e institutos federais”, disse ontem, em coletiva de imprensa.

Godoy ainda acusou as universidades de estarem usando politicamente o tema. “O que eu lamento neste momento é um uso político dessa informação, inclusive distorcida, dizendo que há corte, que há redução [no orçamento], isso não há”, disse. “Então, é uso político nesse momento muito importante para o nosso país. O que nós precisamos é deixar que as pessoas façam as suas melhores escolhas baseadas em informações fidedignas, informações coerentes e corretas”, afirmou.

Em nota, o MEC afirmou que as instituições de ensino ainda têm recursos para realizar pagamentos e reiterou que o bloqueio não prejudicará o funcionamento das universidades.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench