‘Você entra numa agência bancária e não vê um negro’, diz Ivone Silva

Em vídeo, presidenta dos Bancários de São Paulo chama a atenção para o alto desemprego da população negra e os sinais de discriminação racial nos locais de trabalho

Da Rede Brasil Atual

Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, lembra que até na Bahia é raro negros em cargos bem pagos (TV247/REPRODUÇÃO)

Em vídeo publicado na TV247, a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, chama atenção para a influência do racismo no mercado de trabalho. O depoimento da dirigente sindical é parte das atividades daquele sindicato pelo Mês da Consciência Negra. “Um mês de luta, de debates para realmente pensarmos como a questão do racismo pode ser percebida no mercado de trabalho e na vida.”

Logo no início do vídeo, Ivone questiona o internauta sobre como pode ser percebida a discriminação racial nos locais de trabalho e, exibindo dados do IBGE , mostra que a população negra é a mais penalizada pela crise econômica e seus impactos sobre os empregos.

“A população negra é que enfrenta os maiores índices de desemprego em todas as regiões do país. E entre a população negra ainda temos o recorte de gênero, que são as mulheres (negras e empregadas), que ganham menos ainda que os homens negros (empregados). Dos 13 milhões de desempregados no Brasil, 64% pertencem à população negra”, diz Ivone.

Ela dá um exemplo prático de se perceber sinais de racismo nos locais de trabalho, citando seu setor, a categoria bancária: “muitas vezes você vai numa agência bancária e você não acha um negro dentro da agência. Ou, se achar, ele não vai estar nos cargos dos melhores salários.”

Ela afirma que mesmo na Bahia, em que 70% da população é de afrodescendentes, é raro encontrar trabalhadores negros nas agências dos bancos privados. E lembra que é maior a presença de negros e negras em bancos públicos, como Banco do Brasil, Caixa e Banco do Nordeste, porque estes promovem concursos para a admissão de trabalhadores, o que reduz a seleção baseada na cor da pele.

“Essa é nossa grande discussão com todos os patrões: como é que nós vamos fazer para inserir essa população negra no mercado de trabalho e, dentro do mercado de trabalho, que se faça a disputa nos cargos de melhores salários também. Por isso a nossa luta, na categoria bancária, na metalúrgica, dos professores, ou seja, em todas as categorias que defendem os seus trabalhadores, é também contra a discriminação de raça,”

Ivone finaliza lembrando a importância de os trabalhadores fortalecerem seus sindicatos e que estes, por sua vez, devem promover a presença de dirigentes negros em seus quadros. “A nossa luta também é que o movimento sindical tenha mais negros.”

O vídeo é encerrado com a líder bancária fazendo um chamamento pelo combate ao preconceito e ao racismo em todos os níveis. “Olhe à sua volta e combata a discriminação racial, seja na sua casa, no seu trabalho, na condução, ou seja onde você estiver. Nós aqui, no movimento sindical e nós, trabalhadores, estamos lutando para que realmente tenhamos um mundo sem discriminação racial.”

Assista a íntegra:

+ sobre o tema

para lembrar

Entenda o processo de seleção para universidades no exterior

Conheça as etapas, os requisitos exigidos e o calendário...

Grupo faz protesto na PUC-Campinas contra caso de racismo em rede social

Um protesto contra o racismo em um grupo no Facebook de...

Mais de 30 mil escolas vão ter aula em tempo integral este ano, diz presidente

Programa Mais Educação deve beneficiar 5 milhões de estudantes   SÃO...
spot_imgspot_img

Inscrições para o Prouni começam nesta terça-feira

As inscrições para o processo seletivo do Programa Universidade para Todos (Prouni) do segundo semestre de 2024 começam nesta terça-feira. Os interessados terão até...

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...
-+=