Woody Allen não encontra financiamento para seus filmes depois das acusações de abuso

Depois de ter sido acusado de abuso sexual pela filha adotiva Dylan Farrow, diretor não tem patrocinadores para financiar seus novos filmes

Por SANDRO POZZI, do El Pais 

Foto: LOIC VENANCE/AFP/GETTY IMAGES

Woody Allen não consegue encontrar o financiamento necessário para filmar novos filmes, devido à deterioração de sua reputação após acusações de abuso sexual de sua filha adotiva, Dylan Farrow. O diretor de cinema de 82 anos sempre negou essas acusações e nunca foi processado nos Estados Unidos. Mas agora ele é forçado a parar, algo que não faz desde 1981.

A filha da atriz Mia Farrow revelou, há cinco anos, em uma entrevista à Vanity Fair, que o cineasta abusou dela quando tinha sete anos de idade. Repetiu o relato por meio de uma carta publicada no The New York Times um ano depois. Mas foi só em janeiro deste ano, no programa This Morning, da CBS, que sua denúncia sua reclamação começou a ecoar com mais força.

Desde então, em meio ao terremoto em Hollywood provocado pelos abusos do produtor Harvey Weinstein, que vieram à luz há quase um ano —descobertos pelo irmão de Dylan, Roman Farrow—, a imagem de Woody Allen despencou. Atores que trabalharam com ele no passado, como Michael Caine ou Rebecca Hall, se distanciaram ou lamentaram publicamente ter trabalhado com ele, a ponto de doar o salário que recebiam para organizações dedicadas a proteger as vítimas de violência sexual.

 

Continue lendo aqui 

+ sobre o tema

para lembrar

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres

A partir desta semana, o Congresso Nacional realiza uma...

Estandarte de Ouro: duas mulheres acadêmicas passam a integrar júri do prêmio

Professoras em universidades públicas e pesquisadoras de temas ligados...

Brasileiras têm menos filhos e engravidam cada vez mais tarde, diz pesquisa

As brasileiras estão tendo menos filhos. E estão tendo filhos cada...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=