segunda-feira, setembro 20, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaEntretenimentoAmor, identidade e ancestralidade compõem o lançamento de “Febre”, primeiro EP autoral...

Amor, identidade e ancestralidade compõem o lançamento de “Febre”, primeiro EP autoral da multiartista Dani Câmara

Com estreia nesta quarta-feira (22), o projeto conta com música, teatro, dança, performance e arte visual

“Este álbum abre caminhos”, assim destaca a atriz, cantora, compositora, diretora teatral e performer, Dani Câmara, sobre o “Febre”, primeiro EP autoral da sua carreira, que será lançado nesta quarta-feira (22). O projeto, criado através da sua inquietude, fala de amor, afeto, ancestralidade e cultura, reforçando sua identidade e o seu papel na sociedade através da arte.

Por meio de um show performático, o projeto é composto por letras e melodias que verbalizam a sensibilidade e o olhar da multiartista, sobre as suas próprias vivências do cotidiano. Entusiasmada com a estreia, Dani comemora o EP que representa a sua força. “Meu primeiro trabalho autoral. É a feitura de um processo de cura e de autoconhecimento. Lançamento da minha identidade e subjetividade no mercado fonográfico”, ressaltou.

blank
Foto: Julia Rocha

Reunindo música, teatro, dança, performance e arte visual, o trabalho conta com a direção e produção de  músicos de diferentes ritmos como do Jazz à Música Popular Brasileira, sendo esses, Beà, Hugo Rocha e Miguel Mermelstein – que também compõem a banda que traz a idealizadora e diretora Dani – no vocal do álbum.

Além disso, na gravação da percussão das músicas ‘Mundo Lento’ e ‘Delírio’, as duas faixas musicais iniciais do EP, o projeto conta ainda com a participação especial de Lan Lanh, cantora, compositora e considerada uma das melhores percussionistas dos últimos tempos, tendo já trabalhado com grandes nomes da Música Popular Brasileira, como Ângela Maria, Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves, Tim Maia, Cássia Eller, Elba Ramalho, Geraldo Azevedo, Adriana Calcanhotto, Armandinho, Ana Carolina, entre outros.

Através do corpo negro feminino, o EP, que ecoa vozes unificadas que têm muito a dizer a partir de suas narrativas, é mais que uma produção sonora, já que reverbera resistência, luta e histórias de indivíduos que ao longo do tempo vêm sendo marginalizados, pouco ouvidos e compreendidos.

“Minha expectativa é que Febre em toda sua potência sonora, escrita e sensorial chegue e seja recebido por mais e mais pessoas. Que esse trabalho se expanda para além da minha bolha. E que através dele eu consiga me conectar com meu público”, pontuou Dani sobre o projeto.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

RELATED ARTICLES