Amor, identidade e ancestralidade compõem o lançamento de “Febre”, primeiro EP autoral da multiartista Dani Câmara

Com estreia nesta quarta-feira (22), o projeto conta com música, teatro, dança, performance e arte visual

“Este álbum abre caminhos”, assim destaca a atriz, cantora, compositora, diretora teatral e performer, Dani Câmara, sobre o “Febre”, primeiro EP autoral da sua carreira, que será lançado nesta quarta-feira (22). O projeto, criado através da sua inquietude, fala de amor, afeto, ancestralidade e cultura, reforçando sua identidade e o seu papel na sociedade através da arte.

Por meio de um show performático, o projeto é composto por letras e melodias que verbalizam a sensibilidade e o olhar da multiartista, sobre as suas próprias vivências do cotidiano. Entusiasmada com a estreia, Dani comemora o EP que representa a sua força. “Meu primeiro trabalho autoral. É a feitura de um processo de cura e de autoconhecimento. Lançamento da minha identidade e subjetividade no mercado fonográfico”, ressaltou.

Foto: Julia Rocha

Reunindo música, teatro, dança, performance e arte visual, o trabalho conta com a direção e produção de  músicos de diferentes ritmos como do Jazz à Música Popular Brasileira, sendo esses, Beà, Hugo Rocha e Miguel Mermelstein – que também compõem a banda que traz a idealizadora e diretora Dani – no vocal do álbum.

Além disso, na gravação da percussão das músicas ‘Mundo Lento’ e ‘Delírio’, as duas faixas musicais iniciais do EP, o projeto conta ainda com a participação especial de Lan Lanh, cantora, compositora e considerada uma das melhores percussionistas dos últimos tempos, tendo já trabalhado com grandes nomes da Música Popular Brasileira, como Ângela Maria, Cauby Peixoto, Nelson Gonçalves, Tim Maia, Cássia Eller, Elba Ramalho, Geraldo Azevedo, Adriana Calcanhotto, Armandinho, Ana Carolina, entre outros.

Através do corpo negro feminino, o EP, que ecoa vozes unificadas que têm muito a dizer a partir de suas narrativas, é mais que uma produção sonora, já que reverbera resistência, luta e histórias de indivíduos que ao longo do tempo vêm sendo marginalizados, pouco ouvidos e compreendidos.

“Minha expectativa é que Febre em toda sua potência sonora, escrita e sensorial chegue e seja recebido por mais e mais pessoas. Que esse trabalho se expanda para além da minha bolha. E que através dele eu consiga me conectar com meu público”, pontuou Dani sobre o projeto.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE. 

+ sobre o tema

Álbum solo “Boogie Naipe” do Mano Brown é indicado ao Grammy Latino

Após anos de muita expectativa, o álbum de estreia...

Conheça Filhas do Pó, primeiro filme de uma cineasta negra distribuído nos Estados Unidos

Se Filhas do Pó fosse uma grande produção hollywoodiana,...

Conheça os nomes que deverão causar na cena musical em 2018

Entre IZA e Karol Conka, veja cinco artistas que...

Kendrick Lamar coloca soldados para marchar contra o racismo no Grammy 2018

Kendrick Lamar foi um dos grandes destaques da noite...

para lembrar

spot_imgspot_img

Chega a São Paulo Um defeito de cor, exposição que propõe uma revisão historiográfica da identidade brasileira por meio de uma seleção de obras em...

De 25 de abril a 1º de dezembro, o Sesc Pinheiros recebe "Um Defeito de Cor". Resultado da parceria entre o Sesc São Paulo...

Aos 76, artista trans veterana relembra camarins separados para negros

Divina Aloma rejeita a linguagem atual, prefere ser chamada de travesti e mulata (atualmente, prefere-se o termo pardo ou negro). Aos 76 anos, sendo...

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...
-+=