Ana Rita: cotas raciais modificam estrutura social do país

BRASÍLIA (Agência Senado) – A inclusão dos negros no mundo acadêmico e no mercado de trabalho foi o enfoque do pronunciamento da senadora Ana Rita (PT-ES) na noite desta terça-feira (20), no Plenário do Senado. Ela ressaltou a importância de ações afirmativas em favor da população negra, como a recém-aprovada lei de cotas raciais e sociais em universidades públicas e institutos federais (Lei 12.711/2012), para “modificar radicalmente as estruturas sociais do país nos próximos anos”.

– Este será um ano histórico, porque essa lei contribui para a quebra de uma estrutura antiga, preconceituosa e excludente. Os negros terão acesso aos cursos mais prestigiados das melhores universidades brasileiras.

Citando o último censo do IBGE, realizado em 2010, Ana Rita mostrou que em dez anos a proporção de negros na população brasileira aumentou de 45%, em 2000, para 51% em 2010, principalmente na faixa até os 40 anos. Ela ressalvou, contudo, que há menor expectativa de vida dessas pessoas em relação ao universo de brasileiros, devido ao pouco acesso a tratamento de saúde e o alto grau de violência, principalmente contra os negros jovens. Citando o Mapa da Violência 2012, pesquisa realizada pelo Instituto Sangari em conjunto com o Ministério da Justiça, Ana Rita salientou que o número de homicídios é maior entre negros.

– O aumento da violência nos últimos anos atinge basicamente a população negra. Em 2010, foram assassinados proporcionalmente 139% mais negros do que brancos. Em Alagoas, há 20 vezes mais chance de um homicídio vitimizar um negro que um branco.

Fonte: O Reporte

+ sobre o tema

Plano contra violência a negros chegará em cinco estados

O plano tem ações para reduzir a vulnerabilidade dos...

Multiplicar ações afirmativas

Como parte das reflexões que puderam aflorar no pais...

Considerações sobre o PIMESP e cotas nas universidades paulistas

Kabengele MunangaUJniversidade de São Paulo O debate sobre...

para lembrar

Sindicato dos aeroviários denuncia empresa por racismo no RS

O Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre afirmou, por...

Servidores participam de oficina de enfrentamento ao racismo institucional

Combater o racismo institucional como forma de reduzir o...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=