Autor de atentado era ‘neonazista frustrado que liderava banda racista’

Um homem de 40 anos que pertenceu ao Exército e está ligado a grupos que pregam a supremacia branca foi identificado ontem pela polícia americana como o atirador que matou seis pessoas em um templo sikh nas cercanias de Milwaukee, Estado de Wisconsin, anteontem.

Wade Michael Page, que passou seis anos no Exército dos EUA até 1998 trabalhando com contrapropaganda e tocava em bandas com nomes como End Apathy (“acabe com a apatia”) e Definite Hate (“ódio definido”), foi morto em tiroteio com a polícia no local do ataque. A motivação é desconhecida.

As vítimas foram cinco fiéis –quatro homens e uma mulher com idades de 39 a 84 anos– e o líder do templo, Satwant Kaleka, 65. Um policial e mais duas pessoas ficaram feridos.

O Centro Legal Southern Poverty (pobreza sulista), que estuda extremismo, diz ter identificado Page em 2000, quando ele tentara comprar artigos de propaganda supremacista.

“Wade Michael Page era um neonazista frustrado que liderava uma banda racista”, acusa a diretora, Heidi Beirich, no site do centro.

Em sua página no MySpace, atualizada em fevereiro, a End Apathy cita Page como líder. As músicas, com nomes como “Autodestruição”, “Idiotas Úteis” e “Submissão”, beiram o ininteligível.

A banda era ligada ao selo Label 56, também acusado de promover o racismo. Na página, há cartazes de shows com outras bandas e símbolos como a forca, usada em assassinatos de negros nos EUA no passado.

Na tarde de ontem, a gravadora tirou do ar seu material sobre a banda e postou um comunicado em que se solidariza com as famílias das vítimas e alerta seus fãs: “Não vejam o que Wade fez como algo respeitável nem pensem que somos todos assim”.

Em entrevista removida, Page diz ter criado a End Apathy em 2005 para “descobrir o que é preciso para alcançar resultados positivos e o que nos segura”. “É preciso disciplina para seguir firme na nossa sociedade doente.”

Page cresceu no Colorado –Estado que em julho foi palco de uma chacina em um cinema– e se mudou para Oak Creek, subúrbio de Milwaukee, no ano passado.

O “New York Times” ouviu a madrasta de Page, Laura, que se declarou chocada. “Não imagino o que o levou a fazer isso”, disse, relatando que que Page perdeu a mãe aos 13 anos e por isso viveu com a avó.

O presidente Barack Obama, candidato à reeleição, declarou estar “profundamente entristecido” e prometeu apoio à investigação. (LC)

 

 

Fonte: 

+ sobre o tema

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO),...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=