Beija-flor e o dinheiro sangrento no carnaval. Juíza Denise Frossard critica enredo patrocinado por ditador da Guiné Equatorial: ‘dinheiro sujo’

Juíza Denise Frossard critica enredo patrocinado por ditador de país africano: ‘dinheiro sujo’
Para especialistas, os R$ 10 milhões pagos pela Guiné Equatorial à Beija-Flor mancham imagem da escola

POR BARBARA MARCOLINI E RAFAEL GALDO, no Mamapress

  • RIO – Os R$ 10 milhões pagos pelo governo da Guiné Equatorial à escola de samba Beija-Flor não chamam atenção somente pelo tamanho da quantia, a maior já oferecida para um enredo no carnaval carioca. Juristas e especialistas em direitos humanos questionam o apoio do ditador Teodoro Obiang, há 35 anos no comando do país, a uma das festas mais democráticas do planeta. O ditador é acusado pela organização Human Rights Watch por violações dos direitos humanos e irregularidades no processo eleitoral. Já seu filho, o vice-presidente Teodoro Obiang Mangue, é considerado foragido pela Justiça francesa, e foi condenado pelos crimes de lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos.ALERTA PARA ORIGEM DO DINHEIRO É ANTIGOPara a juíza Denise Frossard, responsável pela condenação da cúpula do jogo do bicho em 1993, o fato de a Beija-Flor ter recebido verbas de um governo ditatorial não é surpresa. Ela afirma que na sentença escrita há 22 anos já alertava para as relações entre os dirigentes da Liga das Escolas de Samba (Liesa) e atividades ilícitas.– É um dinheiro que traz a interrogação de ter vindo com sangue. A simples dúvida já seria mais do que suficiente para recusar. Mas não é da tradição das escolas, até pela origem da direção delas, os condenados bicheiros. Você acaba por não poder exigir muito de pessoas como essas, que não vão ter a ética de fiscalizar a origem das verbas – diz. – Mas não faz diferença se vem de ditador ou se vem deles. Não existe dinheiro mais ou menos sujo.

    Relatório da Human Rights Watch publicado em 2014 afirma que o país tem o maior PIB per capita da África, de US$ 32,026 mil, mas ocupa o 136º lugar, em um total de 187 países, no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU. Apenas 44% da população têm acesso à água potável, e dados de 2011 mostram que os gastos do governo com educação e saúde, juntos, não passaram de 3% do PIB. O relatório cita ainda casos de tortura, detenções arbitrárias e cerceamento à liberdade de imprensa.

    – Há uma contradição enorme em fazer uma homenagem ao povo pobre da Guiné Equatorial e, ao mesmo tempo, aceitar R$ 10 milhões que poderiam ter melhor aplicação naquele país – diz o professor de Direitos Humanos da FGV Direito Rio, Michael Mohallem. – O episódio mancha a organização do carnaval, e em particular da Beija-Flor, ao não criar uma regra ética básica estabelecendo limites para que as escolas captem recursos.

    Apesar da polêmica, especialistas acreditam que o patrocínio não chegaria a tirar pontos da escola. Marcelo Guedes, coordenador dos cursos de Administração e Relações Internacionais da ESPM-Rio e pesquisador do tema, também afirma que o apoio pode manchar a imagem da escola. Mas lembra que outros enredos patrocinados já foram alvo de crítica por motivos políticos, como o campeonato da Vila Isabel em 2006 com “Soy loco por ti America”, bancado pelo governo venezuelano:

    – Existe um fator de risco quando as escolas começam a escolher esses temas e acabam sendo rotuladas de forma negativa. Mas o carnavalesco tem total liberdade para conduzir o enredo. A Beija-Flor não está infringindo nenhum quesito. O que ela quer é ganhar o desfile.

    Em nota, a Beija-Flor afirmou, nesta quarta-feira, que recebeu apoio cultural e artístico da Guiné Equatorial, mas que, no enredo, não fará menções ao formato de governo do país. O texto não confirma nem desmente o patrocínio à escola. Mas, por meio de sua assessoria de imprensa, diz não ter recebido aporte financeiro.

    APARATO HISTÓRICO E CULTURAL

    Na nota, a escola afirma que buscará divulgar e “enaltecer a arte e a força do povo da Guiné Equatorial, bem como a transformação dos benefícios das suas riquezas naturais em melhorias para a população”. A escola afirmou ainda que o país ofereceu aparato histórico e cultural para que sua comissão de carnaval pudesse pesquisar.

    Bianca Behrends, membro da comissão da escola, afirma que integrantes da Beija-Flor fizeram duas viagens ao país, em contatos intermediados pela Embaixada da Guiné Equatorial no Brasil.

    – Trouxemos esculturas, tecidos e um acervo de duas mil fotografias. Mas a Guiné Equatorial tem menos de cinco décadas de independência. Não faria sentido um desfile inteiro sobre o país. Vamos abordar a região da Costa da Guiné, da floresta equatorial, dos tempos primitivos até hoje. Apenas no sexto carro temos a Guiné Equatorial. E, no último, o trataremos do laço cultural entre o Brasil e o país africano. Mas a questão histórica e política diz respeito a cada nação. Respeitamos a soberania de todos os povos. Vamos mostrar uma África colorida e para cima – diz.

    A escola negou ainda em nota que a letra do samba tenha sido alterada por determinação de dirigentes do país:

    “O samba foi alterado pela própria comissão de carnaval da agremiação, visando adequá-lo ainda mais à proposta do enredo, somente por isso”.

  • Nota da Mamapress e do Sos Racismo Brasil: Nas questões de direitos humanos não há o que titubear, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo é o ditador mais antigo em um país africano, e apesar das riquezas e recursos da Guiné Equatorial, mais da metade de seus habitantes, vivem na extrema miséria e sob um regime de terror. “Desde meados dos anos 1990, a Guiné Equatorial tornou-se um dos maiores produtores de petróleo do sub-Saara. Com uma população de quase dois milhões, é o país com o maior PIB per capita do continente Africano, e o 69º do mundo. No entanto, a riqueza é distribuída de forma muito desigual e poucos pessoas foram beneficiadas com as riquezas do petróleo. O país ocupa a 144ª em 2014 Índice de Desenvolvimento Humano da ONU. A ONU diz que menos de metade da população tem acesso à água potável e que 20% das crianças morrem antes de completar cinco anos.O regime autoritário no poder na Guiné Equatorial tem um dos piores registos de direitos humanos no mundo, e consegue se manter como o “pior do pior” no ranking da pesquisa anual da Freedom House de direitos políticos e civis. Repórteres classificam o presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo um dos “predadores” da liberdade de imprensa.4 O tráfico de pessoas é um problema significativo, dew acordo com o “US Trafficking in Persons Report”, de 2012, que afirma que “a Guiné Equatorial é uma fonte e destino para mulheres e crianças vítimas de trabalho forçado e tráfico de sexo.”No dia 23 de Julho de 2014 Guiné Equatorial entrou na CPLP. ” fonte wikipedia

+ sobre o tema

Justiça decide que trainee da Magalu só para negros não é discriminatório

O programa de trainee exclusivo para candidatos negros, realizado pela...

Chamada de textos – Sur – Revista Internacional de Direitos Humanos

CONTEXTO Conectas Direitos Humanos e o Geledés – Instituto da Mulher Negra convidam...

Munduruku leva batalha épica por direitos indígenas às Nações Unidas

Em Genebra, Ademir Kaba denuncia falta de consulta e...

para lembrar

Para sempre?

A revista "Veja" comemora esta semana, com muitas páginas...

Tecnologia popular de saúde beneficia 1,5 milhão de pessoas na Índia

Médico indiano explica como reduzir mortalidade infantil, materna e...

Mais da metade dos novos médicos de SP é reprovada em exame do Cremesp

Mais da metade dos recém-formados em medicina no Estado...

Extermínio de crianças no Brasil

Uma das mais avançadas Universidades do mundo, Harvard, concluiu...
spot_imgspot_img

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...

Desenrola para MEI e micro e pequenas empresas começa nesta segunda

Os bancos começam a oferecer, a partir desta segunda-feira (13), uma alternativa para renegociação de dívidas bancárias de Microempreendedores Individuais (MEI) e micro e...

“Geledés é uma entidade comprometida com a transformação social”, diz embaixador do Brasil no Quênia

Em parceria com a Embaixada do Brasil no Quênia, Geledés - Instituto da Mulher Negra promoveu nesta sexta-feira 10, o evento “Emancipação Econômica da...
-+=