Bira Corôa propõe homenagem à deputada Benedita da Silva

A deputada federal carioca Benedita Souza da Silva Santos, em breve, passará a ser considerada cidadã baiana. Esse título, concedido pela Assembleia Legislativa, atende a solicitação do deputado Bira Corôa (PT), para quem “a vida de Benedita da Silva é um exemplo de fé e determinação, alicerçadas pela autoestima de quem conhece a extensão do seu próprio valor e do valor de sua raça. Qualidades que, aliadas a uma capacidade inata de fazer política, aperfeiçoada por anos de experiência, são as grandes armas com que Benedita desenhou uma trajetória política incomum”.

Para o deputado, esta honraria, com data ainda a ser definida, homenageará um dos principais exemplos a serem seguidos por todos os baianos. “Benedita tornou-se a primeira mulher negra a atingir os mais altos cargos da história do Brasil”. Realizando um breve histó-rico da vida da homenageada, Bira salientou o pioneirismo da parlamentar em questões que hoje se tornaram bandeiras de luta da sociedade.

“Ela é ativista do movimento negro e feminista. Bené, como ficou conhecida, tornou-se a primeira mulher negra a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal da cidade do Rio de Janeiro, e não parou por aí. Em 1982, foi eleita deputada federal por duas vezes, sendo, em 1994, a primeira mulher negra a chegar ao Senado Federal, o mais alto escalão do Poder Legislativo brasileiro”.

Segundo o proponente da honraria, já em seu primeiro mandato, durante a reforma da Constituição do Brasil, Benedita garantiu às mulheres presidiá­rias o direito de permanecerem com os seus filhos durante a amamentação. Como deputada federal, foi autora de 84 projetos de leis de grande importância para a população. Para Bira, vale ressaltar a colaboração e o envolvimento da deputada na atmosfera da política baiana, atuando de forma incisiva na luta pela promoção da igualdade e das injustiças sociais por que passa a classe trabalhadora, especialmente a mulher e a comunidade negra.

Justificando a honraria, o parlamentar petista disse que Benedita começou a trabalhar desde menina, vendendo limão e amendoim e que foi operária fabril, entregando roupa lavada e passada por sua mãe. Na área educacional, a ilustre deputada federal foi professora de uma escola comunitária da favela Chapéu Mangueira, na qual adotou o método Paulo Freire de alfabetização de crianças e adultos.

Além disso, Bira enumerou outros feitos alcançados graças ao grande empenho da homenageada. Para ele, foi Benedita quem inscreveu Zumbi dos Palmares no panteão dos heróis nacionais; fez de 20 de novembro o Dia Nacional da Consciência Negra. “Esta ilustre guerreira foi responsável pela criação de delegacias especiais para apurar crimes raciais e pela obrigatoriedade do quesito cor em documento e pela lei contra assédio e direito trabalhistas extensivos às empregadas domésticas”.

Como se tentasse sintetizar toda a força, a luta, a garra de uma mulher em uma frase, Bira concluiu mostrando por que Benedita pode ser considerada um verdadeiro exemplo a ser seguido. “Tinha tudo para dar errado. Quem, afinal, ousaria apostar no futuro sucesso daquela menina negra, nascida a 11 de março de 1942, na favela da Praia do Pinto, no Rio de Janeiro – Brasil?”

 

 

 

 

Fonte: Bira Coroa

+ sobre o tema

53,5% dos negros brasileiros já estão na classe média

Pesquisa do economista da FGV Marcelo Neri também mostra...

Conferência Nacional de Saúde – Mobilização alcança 75% dos municípios brasileiros

Em 2011, a Conferência Nacional Saúde reforça conquistas ao...

Casamento no Candomblé ao som de tambores africanos

POR ELI ANTONELLI Casamentos nos espaços sagrados das...

Em livro, pesquisadores desmistificam suposta ausência de negros na Amazônia

por Monica Prestes Obra produzida por 13 pesquisadores relata...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=