Botucatu lança ‘Patrulha Maria da Penha’ para combater violência contra mulheres

A cidade de Botucatu (SP) lançou nesta sexta-feira (8) um serviço para tentar combater os casos de violência doméstica contra as mulheres, em especial os de reincidência. A “Patrulha Maria da Penha” será feita pela Guarda Municipal como forma de evitar que as vítimas sofram novas agressões.

Por Bauru e Marília Do G1

A ideia do serviço é fazer com que agentes façam um monitoramento de mulheres que já conseguiram medidas protetivas, muitas vezes violadas pelos companheiros agressores.

Só este ano, a Guarda Municipal de Botucatu atendeu a 1.329 ocorrências de brigas envolvendo mulheres – uma média de quatro chamados por dia. Foram presos 33 homens acusados de agredir ou violentar mulheres. Em 2016, foram 1.364 casos de violência atendidos.

Segundo o Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas), órgão do Governo Federal, no Brasil 13 mulheres são mortas todos os dias. Além disso, de três a cinco mulheres jovens já sofreram agressão no relacionamento.

O que motivou a criação do serviço foi a constatação de que, em Botucatu, muitos dos casos de agressão são reincidentes. A partir de agora, a Guarda Municipal vai ter uma lista de endereços dessas vítimas com medida protetivas e periodicamente fará uma ronda para acompanhá-las.

“A gente vai fazer um agendamento com a vítima para uma entrevista inicial na qual vamos colher dados sobre a violência que ela sofreu, ver se o companheiro está perseguindo ela em casa ou no trabalho e, com isso, elaborar um planejamento das rondas”, explica a guarda civil Cíntia Ribeiro.

A prefeitura garantiu que o serviço prestado atualmente pela Guarda Municipal não será prejudicado com a implantação da “Patrulha Maria da Penha” porque o efetivo foi reforçado para atender os casos de violência contra as mulheres.

 

+ sobre o tema

Sabrina Vechi, a mais nova vítima de feminicídio no Brasil

Feminicídio: Sabrina Vechi foi assassinada pelo marido no dia...

Brasil deixou impunes autores de 10.786 casos de assassinato de mulheres em 2017

O Brasil deixou de julgar 10.786 casos de assassínios...

Violência contra a mulher: maioria de casos é reincidente

Especialista destaca importância de denúncias para fim de ciclo Por Débora...

16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres 2018

A campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da...

para lembrar

Jovem é assassinada pelo ex depois de mudar de cidade

A vítima havia se separada por conta de ter...

Feminicídio: como estancar as veias abertas da impunidade

No debate sobre a tipificação de crimes, a problemática...

Processos de feminicídios subiram 36% no RS em 2017

Tribunal de Justiça contabilizou 194 ações sobre mulheres mortas...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=