Botucatu lança ‘Patrulha Maria da Penha’ para combater violência contra mulheres

A cidade de Botucatu (SP) lançou nesta sexta-feira (8) um serviço para tentar combater os casos de violência doméstica contra as mulheres, em especial os de reincidência. A “Patrulha Maria da Penha” será feita pela Guarda Municipal como forma de evitar que as vítimas sofram novas agressões.

Por Bauru e Marília Do G1

A ideia do serviço é fazer com que agentes façam um monitoramento de mulheres que já conseguiram medidas protetivas, muitas vezes violadas pelos companheiros agressores.

Só este ano, a Guarda Municipal de Botucatu atendeu a 1.329 ocorrências de brigas envolvendo mulheres – uma média de quatro chamados por dia. Foram presos 33 homens acusados de agredir ou violentar mulheres. Em 2016, foram 1.364 casos de violência atendidos.

Segundo o Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas), órgão do Governo Federal, no Brasil 13 mulheres são mortas todos os dias. Além disso, de três a cinco mulheres jovens já sofreram agressão no relacionamento.

O que motivou a criação do serviço foi a constatação de que, em Botucatu, muitos dos casos de agressão são reincidentes. A partir de agora, a Guarda Municipal vai ter uma lista de endereços dessas vítimas com medida protetivas e periodicamente fará uma ronda para acompanhá-las.

“A gente vai fazer um agendamento com a vítima para uma entrevista inicial na qual vamos colher dados sobre a violência que ela sofreu, ver se o companheiro está perseguindo ela em casa ou no trabalho e, com isso, elaborar um planejamento das rondas”, explica a guarda civil Cíntia Ribeiro.

A prefeitura garantiu que o serviço prestado atualmente pela Guarda Municipal não será prejudicado com a implantação da “Patrulha Maria da Penha” porque o efetivo foi reforçado para atender os casos de violência contra as mulheres.

 

+ sobre o tema

Escolas não estão preparadas para combater homofobia, dizem especialistas

Especialistas em questões de diversidade alertam que instituições de...

Policial militar gay do RS será o primeiro a se casar de farda em 178 anos

Miguel Martins, 29, será o primeiro soldado gay da...

Luiza Bairros destaca avanços institucionais para democratização da participação negra na sociedade

Por: Lourenço CanutoRepórter da Agência Brasil   Brasília...

para lembrar

Políticas de promoção da igualdade racial – 1986 a 2010 de autoria de Matilde Ribeiro

A editora Garamond lançou no dia 01/12/2014 o livro...

Boletim de prestação de contas da Deputada Leci Brandão

Pra mim, diversidade sempre foi uma palavra carregada de...

Presidente do Parlamento da Nova Zelândia lidera sessão enquanto embala e dá mamadeira a bebê

Parlamentar que acaba de voltar da licença-paternidade levou o...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=