Camisa Vermelha e Branca desfila contra o preconceito

Por: Camila Galvez

A Camisa Vermelha e Branca, há quase 35 anos no Carnaval de São Bernardo, promete fazer bonito no retorno ao Grupo 1. Mesmo que a volta tenha sido polêmica (leia mais ao lado).

Para marcar a subida à elite do Carnaval, nada melhor que trazer a fênix na comissão de frente. A ave que renasce das cinzas é como a escola: está pronta para enfrentar desafios. “É assim que a Camisa chega para o Carnaval deste ano: com garra e vontade para tomar de novo o lugar de onde nunca deveria ter saído”, garantiu a coordenadora do barracão no Jardim do Lago, Claudiane dos Santos, 29 anos.

A escola levará para a avenida o tema do preconceito. A segunda coordenadora do barracão, Tatiane da Silva, 22, explicou que a ideia não é falar apenas da questão racial. “Existem diversos tipos de preconceito: contra o imigrante, o nordestino, a opção sexual, a religião. Queremos mostrar a luta pela igualdade”, ressaltou.

A escola desfila com 12 alas e três carros alegóricos. Serão cerca de 300 componentes na avenida, mais a bateria com 70 ritmistas.

Além do preconceito, a agremiação abordará temas como a luta do bem contra o mal, o espelho como verdadeira identidade do indivíduo e a educação para preservação da natureza, simbolizada pela ala das crianças. “Nosso grande destaque deste ano é a bateria, como sempre, mas também vamos fazer bonito na ala das baianas e na comissão de frente”, garantiu Claudiane.

EXPECTATIVA

A jovem Caroline Cardozo Rodrigues, 15, está ansiosa. A Camisa Vermelha e Branca anuncia no sábado os nomes das meninas que vão ter a honra de desfilar à frente da bateria da escola. Caroline quer a faixa de musa. “Acho que tenho chance de conseguir, pois sambo bem sem descer do salto”, afirmou. Ela desfila pela escola desde os 3 anos. “Minha mãe também desfilou quando eu ainda estava na barriga dela”, disse.

Com samba no pé e uma fezinha no barracão, porque nunca é demais apelar para o divino, a Camisa promete retornar com tudo neste ano. “Vamos fazer o Carnaval bonito que a tradição da escola pede”, prometeu Tatiane

 

Agremiação volta à elite após erro de digitação no regulamento

A Camisa Vermelha e Branca voltou à elite do Carnaval, apesar de ter ficado com o segundo lugar do Grupo 2 em 2010. A escola se beneficiou de um suposto erro de digitação no regulamento, que dizia que as duas primeiras colocadas subiriam, quando o normal seria que apenas a campeã ganhasse a vaga.

A União Cultural das Escolas de Samba de São Bernardo reconheceu o problema e disse que o texto deve ser seguido à risca. O problema é que as outras escolas da cidade não ficaram nada contentes com o que chamaram de manobra da Camisa. Afirmaram não ser justo que duas escolas subam, e que podia se tratar de um jogo político.

A Secretaria de Cultura, responsável pelo regulamento, afirmou ter tomado providências para que erros não voltem a ocorrer, mas para este Carnaval, a Camisa estará no Grupo 1.

 

Fonte: Dgabc

+ sobre o tema

Corregedoria acusa policiais militares de executar suspeito desarmado e já dominado em SP

Câmeras corporais em fardas de policiais militares registraram o...

Justiça manda soltar PM denunciada por racismo e desacato

Lotada no 15º Batalhão da Polícia Militar (BPM) há...

Bye Bye Biel! Cantor anuncia que dará uma pausa na carreira

Biel tem 21 anos e sua carreira musical tem...

para lembrar

Garçonete vítima de racismo ganha R$ 21 mil de gorjetas em campanha online

  Toni Christina Jenkins, 19, postou no Facebook...

A luta antirracista não é uma guerra de negros contra brancos

Como não reproduzir o racismo numa sociedade estruturalmente racista?...
spot_imgspot_img

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....
-+=