Corte da Bolsa Permanência é racismo institucional, afirma indígena

Estudantes indígenas e quilombolas da Universidade Federal do Pará (UFPA) se reuniram nesta segunda-feira (11) com parlamentares do estado, representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai) e a associação dos discentes para discutir os cortes na Bolsa Permanência.

Do Vermelho 

Imagem Retirada do site Vermelho

A reunião ocorreu no auditório central do Centro de Convenções da UFPA, em Belém. O Programa de Bolsa Permanência é um auxílio financeiro a estudantes matriculados em instituições federais de ensino superior em situação de vulnerabilidade socioeconômica, além de estudantes indígenas e quilombolas.

O Ministério da Educação (MEC) anunciou que irá ofertar 800 bolsas este ano a nível nacional, mas a demanda, de acordo com o levantamento feito pelos indígenas e quilombolas, é que até o final do ano cerca de cinco mil novas vagas seriam necessárias para o programa.

Edimar Kaingang, representante da associação dos povos indígenas estudantes da UFPA, conta que ao todo há 190 alunos indígenas matriculados, 185 na graduação e 5 da pós-graduação. Dos 185, 73 ingressaram esse ano e estão sem poder acessar o auxílio.

A Bolsa Permanência de R$ 900 é a oportunidade que muitos estudantes têm para custear seus estudos, sejam alunos que moram no estado do Pará ou então são de outros estados, como é o caso dele, natural de Santa Catarina e faz doutorado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPA. Edimar avalia que os retrocessos nas políticas púbicas aos estudantes que pertencem aos povos e comunidades tradicionais é uma prática de racismo institucional do governo golpista.

“O Retrocesso é tão grande que ele compromete a permanência indígena e quilombola na universidade. É uma política racista, porque é um outro tipo de racismo, que a gente chama na academia de racismo institucional, aquele racismo que está enlameado pelas decisões, por leis, por documentos que são elaborados no sentido de excluir povos étnico-raciais e nós que pertencemos aos povos indígenas estamos no sentindo excluídos nesse momento”, argumenta.

Ana Lu Santos, mais conhecida como Quilombola Lu, pertence a Comunidade dos Remanescentes de Quilombo Rio Gurupá, localizado no município de Cachoeira do Arari, no Marajó. Para a estudante de direito os cortes na educação, por meio da bolsa permanência, não atingem apenas os discentes, mas toda uma comunidade.

“Para as nossas comunidades a manutenção do povo dentro desses cursos é muito importante no processo de ajudar nas lutas das comunidades e as aldeias. A gente acredita que formar um quilombola ou um indígena médico ele vai ter vontade de atuar e atender as especificidades do povo dele, assim como professores, que se precisa de professores formados que tenham essa identidade, que tenham esse pertencimento, então pra nós essa bolsa é de fundamental importância”, explica.

A partir de diálogos com a reitoria e as associações dos discentes quilombolas e indígenas criou-se alternativas e os alunos que ingressaram esse ano na UFPA recebem um auxílio emergencial no valor de R$ 400.

+ sobre o tema

Você se sentiu representada (o) no casório da família real britânica?

A família real britânica não exerce poder político definidor...

Família de Amarildo será indenizada pelo Estado do Rio de Janeiro

Justiça carioca decidiu que Estado será responsável pelo custeio...

Qual é o lápis cor de pele? Fotógrafa coleta depoimentos sobre o tema

Denise Camargo vai projetar imagens sobre o assunto em...

Comissão aprova prisão para crimes de racismo e discriminação pela internet

Pena de prisão para quem cometer crimes de racismo...

para lembrar

spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=